Regresso ao Jogo: a UEFA está a preparar-se para o regresso seguro das suas competições de elite.
Saiba mais >
 

As noites do Barça para recordar e esquecer

Da alegria em Londres, Paris e Roma à tristeza em Berna, Sevilha e Atenas, o Barcelona conheceu desfechos diferentes nas finais europeias e o UEFA.com recorda-as.

Ronaldinho festeja o êxito em Paris no ano de 2006
Ronaldinho festeja o êxito em Paris no ano de 2006 ©Getty Images

Wembley é o palco da sétima final da Taça dos Clubes Campeões Europeus do FC Barcelona, a sua terceira no espaço de seis anos. O UEFA.com traz-lhe os desfechos do clube três vezes campeão europeu nos jogos decisivos.

1960/61 Benfica 3-2 FC Barcelona
O Barcelona tornou-se na primeira equipa a eliminar o Real Madrid da Taça dos Campeões Europeus, ao bater o arqui-rival na primeira eliminatória. No entanto, os catalães caíram no derradeiro obstáculo, no Estádio Wankdorf, em Berna. Sándor Kocsis colocou a equipa de Enrique Orizaola em vantagem aos 20 minutos, mas o Barça sofreu dois golos num curto espaço de tempo, pouco após da meia-hora – um deles um autogolo do guarda-redes Antonio Ramallets – e, aos 55 minutos, o resultado já estava em 3-1 favorável ao Benfica. Embora outro elemento do contingente húngaro, Zoltán Czibor, tenha reduzido a diferença, o triunfo não escapou ao conjunto português.

1985/86 FC Steaua Bucureşti 0-0 FC Barcelona (2-0 pens)
O Barcelona dirigido por Terry Venables parecia acreditar já ter o seu nome gravado no troféu: anulara a desvantagem de 3-0 sofrida na primeira mão da meia-final ante o IFK Göteborg com a ajuda do famoso "hat-trick" de Ángel "Pichi" Alonso para chegar à final de Sevilha. Contudo, as suas esperanças ruíram em 120 minutos frente ao Steaua. Depois, no desempate por grandes penalidades, falharam a conversão de quatro tentativas.

1991/92 FC Barcelona 1-0 UC Sampdoria
"Vão lá para dentro e desfrutem", foram estas as últimas palavras de Johan Cruyff aos seus jogadores, naquele dia equipados de laranja, quando avançavam por entre as Torres Gémeas do antigo Wembley em direcção ao relvado. E à terceira tentativa seria de vez. Após Andoni Zubizarreta ter evitado um golo de Attilio Lombardo com uma excelente defesa, o equilíbrio no jogo começou a ganhar mais motivos de emoção no prolongamento, quando a equipa que incluía Josep Guardiola, então um jovem de 21 anos, pressionava à procura do triunfo. Hristo Stoichkov rematou ao poste antes de um espectacular livre directo de Ronald Koeman ter batido Gianluca Pagliuca a oito minutos do final.

1993/94 AC Milan 4-0 FC Barcelona
A segunda final em três anos acabou mal para o "Dream Team" de Johan Cruyff e rapidamente derivou para o pesadelo dado o domínio do Milan de Fabio Capello, em Atenas. Daniele Massaro marcou por duas vezes antes do intervalo e a hipótese de recuperação gorou-se dois minutos após o intervalo, altura em que Dejan Savićević fez o 3-0. Marcel Desailly fechou o marcador com o quarto golo do Milan, perto da hora de jogo.

2005/06 FC Barcelona 2-1 Arsenal FC

Se os comandados de Frank Rijkaard conseguiram vantagem numérica com a expulsão do guarda-redes do Arsenal FC, Jens Lehmann, aos 18 minutos, isso de pouco parece ter contado quando Sol Campbell adiantou a equipa de Londres no marcador ainda antes do intervalo. Thierry Henry, futuro dianteiro do Barcelona, falhou uma boa oportunidade para duplicar a vantagem do Arsenal antes da entrada em campo de Henrik Larsson ter virado a partida. Aos 76 minutos, o sueco serviu Samuel Eto'o para o golo do empate e Juliano Belletti fez o tento da vitória quatro minutos depois.

2008/09 FC Barcelona 2-0 Manchester United FC
Guardiola terminou a fantástica época esta de estreia em Camp Nou ao tornar-se somente na sexta pessoa a erguer a Taça dos Campeões como jogador e treinador. Para o Barcelona, tratou-se de uma bela desforra, em Roma, após a derrota ante o Manchester United nas meias-finais 12 meses antes. Eto'o apenas demorou dez minutos a colocar o Barça em vantagem e, a 20 minutos do final, Lionel Messi saltou de cabeça entre os centrais e fez a bola passar sobre Edwin van der Sar.

Topo