Lucescu lamenta não ter Lionel Messi

Mircea Lucescu lamentou a falta de aplicação do Shakhtar, após ter sido eliminado pelo Barcelona, e o facto de Lionel Messi não jogar pelos ucranianos.

Lionel Messi abre caminho por entre Tomáš Hübschman e Mykola Ishchenko
Lionel Messi abre caminho por entre Tomáš Hübschman e Mykola Ishchenko ©Getty Images

O treinador do FC Shakhtar Donetsk, Mircea Lucescu, ficou a pensar no que podia ter acontecido se a sua equipa tivesse a única coisa que considerou ter-lhe faltado nas suas prestações dos quartos-de-final frente ao FC Barcelona: Lionel Messi. Infelizmente para a equipa ucraniana, o argentino não integra o seu plantel e, ao invés, apontou o seu 48º golo da temporada (recorde no clube), selando um triunfo total de 6-1 para os catalães. Josep Guardiola, por seu lado, começa a pensar numa nova "tripla".

Mircea Lucescu, treinador do Shakhtar
Antes de mais quero felicitar o Barcelona pela qualificação para as meias-finais e desejar-lhe boa sorte. Se eles conquistarem a UEFA Champions League será mais fácil explicar a nossa derrota. Cometemos demasiados erros em Camp Nou e foi aí que perdemos a eliminatória.

Esta noite lutámos pela nossa honra, esperando uma exibição da qual nos pudéssemos orgulhar. E o jogo foi espectacular, digno de uns quartos-de-final da UEFA Champions League. Apesar dos nossos problemas com lesões, criámos muitas oportunidades. O Shakhtar obrigou o Barcelona a defender e não creio que muitos possam dizê-lo.

Esta época estivemos muito bem na Champions League, atingindo novos patamares. Acho que proporcionámos aos nossos adeptos algumas boas recordações. A experiência que adquirimos nos dois jogos com o Barcelona ajudar-nos-á a evoluir. E entraremos nas competições europeias da próxima época melhor preparados para jogos ao mais alto nível.

Tivemos cinco oportunidades esta noite e devíamos ter finalizado melhor os nossos ataques em Espanha. A nossa maior desvantagem foi faltar-nos Lionel Messi. Caso ele jogasse por nós, teríamos certamente derrotado o Barcelona. Dito isto, a equipa de Guardiola não tem falhas. Eles podem fazer tudo e sabem perfeitamente como obrigar os adversários a cometerem erros.

Josep Guardiola, técnico do Barcelona
Demorámos um pouco a entrar no jogo, mas assim que o fizemos, passámos a dominar os acontecimentos. Sabíamos que ia ser difícil, que teríamos de repeli-los no início da partida. Eles começaram a perder um pouco do entusiasmo quando viram que as coisas estavam a tornar-se impossíveis.

Os jogadores à minha disposição são fantásticos e é um privilégio dirigi-los nas meias-finais da Champions League pela terceira época consecutiva. Estes jogadores já ganharam títulos com o Barcelona e com as suas selecções, mas não querem ficar por aí.

No sábado, queremos vencer [frente ao Real Madrid CF] porque isso significaria um enorme passo para nós, mas não sei se isso irá acontecer, pois defrontaremos um adversário muito forte. Sinto que fizemos o trabalho de casa esta época e tudo o que conseguirmos a partir daqui consideraremos como uma dádiva.