Sneijder destaca poder da confiança

Wesley Sneijder afirmou ao UEFA.com que o Inter "nunca deixou de acreditar" que seria capaz de virar a eliminatória ante o Bayern, mesmo após ter chegado ao intervalo a perder.

Wesley Sneijder assinou o 2-2 em Munique
Wesley Sneijder assinou o 2-2 em Munique ©Getty Images

Wesley Sneijder afirmou ao UEFA.com que foi a confiança do FC Internazionale Milano no seu próprio valor a responsável por resgatar a equipa à beira da eliminação e conduzi-la aos quartos-de-final da UEFA Champions League às custas do FC Bayern München.

Os actuais campeões europeus viam a defesa do título presa por um fio à saída para o intervalo do encontro da segunda mão, em Munique, depois de o Bayern não ter acusado o golo madrugador de Eto'o e ter chegado ao final da primeira parte com uma vantagem de 3-1 no conjunto das duas mãos. O Inter, porém, não baixou os braços, reagiu e viu Sneijder fazer o 2-2 no encontro, antes de Goran Pandev garantir, aos 88 minutos, o triunfo da turma de Milão na Alemanha, que assim seguiu em frente graças aos golos fora.

"Sabíamos que iria ser um encontro muito complicado, ainda para mais depois de termos perdido 1-0 em casa na partida da primeira mão, mas acabámos por realizar um jogo fantástico", destacou o médio holandês, que contribuiu assim decisivamente para que o Inter se tornasse apenas na segunda equipa na história da UEFA Champions League a dar a volta a uma eliminatória após perder o primeiro jogo em casa. "Acreditámos sempre que poderíamos vencer e creio que, no fim, acabámos por merecer seguir em frente."

"Entrámos muito bem, mas claro que ficámos abatidos com os dois golos que sofremos depois", admitiu Sneijder. "Ainda assim, não baixámos os braços e acreditámos que era possível recuperar, mesmo com a desvantagem que levámos para o intervalo. Começámos muito bem a segunda parte e criámos de imediato uma série de oportunidades de golo. Num lance muito bem conseguido, chegámos ao 2-2 e partimos, então, em busca do triunfo. Perto do fim, marcámos; foi um grande jogo."

Foi, porém, um jogo que pareceu estar a escapar em definitivo do alcance dos "nerazzurri", apesar do golo madrugador de Eto'o, o seu 36º em 44 jogos nesta temporada (entre clube e selecção), que restabeleceu a igualdade na eliminatória logo aos quatro minutos. O Bayern havia vencido todos os 20 embates em que tinha entrado em campo com uma vantagem trazida da partida da primeira mão e tudo indicava que iria dar seguimento a esse registo perfeito quando Mario Gomez e Thomas Müller deram a volta ao marcador em Munique e colocaram os pupilos de Louis van Gaal em excelente posição para seguirem em frente.

"Quando o Bayern fez o 1-1 e, logo a seguir, o 2-1, estava a dominar o jogo e sentia, certamente, que poderia vencer e seguir tranquilamente para a ronda seguinte", admitiu o médio criativo holandês do Inter. "Mas nós partimos em busca dos golos na segunda parte e continuámos a jogar bastante bem."

Para que o Inter tenha conseguido repetir o êxito da final da UEFA Champions League da última época sobre o Bayern foi determinante a actuação do guarda-redes Júlio César. Um erro do guardião brasileiro ao tentar segurar um remate tinha permitido a Gomez marcar o único golo da partida da primeira mão e a história repetiu-se em Munique, novamente com o avançado internacional alemão a não desperdiçar a oferta e a apontar o seu oitavo golo na presente edição da prova.

Contudo, o nº1 do Inter acabaria por se redimir, defendendo ainda na primeira parte de forma brilhante um remate de Franck Ribéry e parando um ameaçador remate de primeira de Gomez no arranque do segundo tempo. Intervenções que permitiram à formação italiana partir para a reviravolta na eliminatória. "Ele fez um excelente trabalho, estamos muito satisfeitos com ele", salientou Sneijder. "A vida nem sempre é fácil para os guarda-redes. Quando cometem um erro, esse erro resulta, geralmente, num golo do adversário. Mas na segunda parte esteve muito bem. Manteve-nos na discussão do jogo."