Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

Real bate Lyon rumo aos "quartos"

Real Madrid CF 3-0 Olympique Lyonnais (total: 4-1)
A equipa de Mourinho chegou, pela primeira vez desde 2004, aos quartos-de-final, após vitória sobre o Lyon.

Karim Benzema voltou a marcar ao "seu" Lyon
Karim Benzema voltou a marcar ao "seu" Lyon ©Getty Images

O Real Madrid CF apurou-se para os quartos-de-final da UEFA Champions League pela primeira vez desde 2004, ano em que, curiosamente, José Mourinho conquistou a sua primeira Taça dos Clubes Campeões Europeus, então ao serviço do FC Porto. Desta vez, a vítima foi o Olympique Lyonnais, que, na época passada, afastara os "merengues" nos oitavos-de-final.

Os madrilenos entraram fortíssimos no encontro, para o qual Cristiano Ronaldo ainda se encontrava em dúvida, desde que se lesionara durante a partida com o Málaga CF. Marcelo começou a partida particularmente activo. Nos primeiros cinco minutos, o lateral brasileiro viu Dejan Lovren salvar um cabeceamento seu e, no lance seguinte, obrigou Hugo Lloris a uma defesa para canto.

O Lyon conseguiu estabilizar o encontro após os agitados momentos iniciais e, depois de um cabeceamento de Cristiano Ronaldo na sequência de um livre que saiu à figura de Lloris, também levou o perigo à baliza de Iker Casillas, com o capitão "merengue" a ter de mergulhar para desviar para canto um remate rasteiro de César Delgado, quando estavam decorridos 20 minutos. Seis minutos depois, eis que surge um dos melhores momentos do encontro, quando, após ter recolhido um passe longo de Mesut Özil, Cristiano Ronaldo rematou descaído para o lado esquerdo para uma superior defesa de Lloris junto ao poste mais próximo.

Adivinhava-se o golo do Real Madrid, que acabou por surgir aos 37 minutos, através de Marcelo. O brasileiro recolheu a bola do lado esquerdo, partiu para o meio, combinou com Cristiano Ronaldo, tirou Cris do caminho e depois deixou Lovren no chão, trocando a bola do pé direito para o seu melhor, o esquerdo, com o qual bateu Lloris, já na área. Ainda antes do intervalo, Karim Benzema obrigou Lloris a nova excelente defesa, no lance que antecedeu o golo anulado ao ex-dianteiro do Lyon por encontrar-se fora de jogo.

A segunda parte começou como terminou a primeira: com o Real Madrid mais ofensivo e, após jogada de envolvimento com Benzema, Özil finalizou mal. Tentaria emendar na transformação de um livre directo, mas Lloris defendeu com grande segurança.

Aos 65 minutos, Lloris nada pôde fazer para evitar que Benzema ampliasse a diferença, após Marcelo ter efectuado um passe longo para o francês, depois de o brasileiro ter interceptado um passe de Anthony Réveillère. No lance seguinte, Benzema voltou a dispor de soberana ocasião para marcar, mas, desta vez, Lloris fez uma soberba defesa, sacudindo a bola sobre a barra.

Só então o Lyon voltou a importunar Casillas, com Bafétimbi Gomis, que rendera Jimmy Briand ao intervalo, a rematar forte, para uma defesa do capitão da selecção espanhola, num dos poucos lances em que a dupla de centrais lusitana, composta por Ricardo Carvalho e Pepe, foi surpreendida.

Acossado - e já sem Cristiano Ronaldo em campo, entretanto rendido por Emmanuel Adebayor –, o Real Madrid voltou a carregar no acelerador e chegou mesmo ao 3-0, desta feita obtido por Ángel Di María, que se isolou perante Lloris, após passe de cabeça de Özil, e desviou a bola do guarda-redes francês.

Topo