Inter justifica estatuto de campeão

FC Bayern München 2-3 FC Internazionale Milano (total: 3-3, Inter apurado devido aos golos marcados fora)
O Inter terminou o encontro como o começou, a marcar mas, pelo meio, esteve em desvantagem num encontro electrizante.

Os jogadores do Inter fazem a festa no final do embate em Munique
Os jogadores do Inter fazem a festa no final do embate em Munique ©Getty Images

Wesley Sneijder avisara, durante a conferência de imprensa de segunda-feira, que a eliminatória somente se encontrava no intervalo e que o FC Internazionale Milano se deslocara a Munique para vencer, após a derrota caseira no encontro da primeira mão frente ao FC Bayern München. E foi isso que acabou por acontecer, a dois minutos do final.

Goran Pandev tornou-se no mais recente herói dos campeões italianos, que, assim, continuarão a defesa do título conquistado na época passada, em Madrid, sob as ordens de José Mourinho, perante precisamente os bávaros.

O Inter apresentou-se em Munique em desvantagem, em virtude do tento ao cair do pano de Mario Gomez em San Siro. Recuperar desse revés antevia-se como uma tarefa bastante complicada para os campeões europeus em título, mas a verdade é que bastaram quatro minutos para que os milaneses empatassem a eliminatória.

Goran Pandev recebeu a bola na zona intermediária e viu Samuel Eto'o desmarcar-se entre os centrais do Bayern. Entretanto isolado perante o guardião Thomas Kraft, rematou rasteiro, fazendo a bola passar entre as pernas do jovem guardião.

O Inter passou, então, a fazer circular a bola, com o Bayern a correr atrás dela. No entanto, a tenacidade dos germânicos foi recompensada aos 21 minutos, com o tento da igualdade. Arjen Robben partiu do lado direito para o centro, rematando à entrada da área à figura de Júlio César. Contudo, ao tentar encaixar, o brasileiro deixou a bola bater-lhe no peito e ficar à disposição de Gomez, que rematou de primeira, de costas para a baliza, para o fundo das redes. O mesmo Gomez teve, cinco minutos depois, outra boa ocasião para marcar, após rodar perante Andrea Ranocchia, mas o remate, de ângulo apertado, foi bem defendido por Júlio César.

Todavia, nada pôde fazer aos 30 minutos para evitar a reviravolta no marcador. Robben, agora na esquerda, tentou servir Gomez no centro, mas o passe foi interceptado por Thiago Motta. A bola, por seu turno, foi parar à área, onde surgiu Thomas Müller completamente sozinho, a desviá-la com um toque subtil sobre o guarda-redes brasileiro. Júlio César voltaria a brilhar aos 35 minutos, negando o golo a Franck Ribéry, que entretanto lhe surgira isolado. Cinco minutos depois, Müller voltou a ficar perto do golo, mas viria a acertar no poste.

Na segunda parte, o ritmo da partida abrandou substancialmente, mas, ainda assim, houve situações de perigo junto de ambas as balizas. Aos 62 minutos, Gomez teve um remate à meia-volta superiormente defendido por Júlio César e, na resposta, o Inter empatou a partida, voltando a discutir a eliminatória. Sneijder recolheu a bola à entrada da área e rematou rasteiro, sem possibilidade de defesa para Kraft.

Até final, o Inter não desistiu de procurar o golo que lhe daria o apuramento para os quartos-de-final e viria a consegui-lo a dois minutos dos 90, com Pandev a colocar a bola no ângulo superior direito da baliza de Kraft, após trabalho individual de Eto'o (que entretanto levara a melhor sobre Breno) e assistência a preceito do camaronês. Estava operada a segunda reviravolta no encontro e, de uma forma decisiva, na eliminatória.