Bremen presa fácil para os "spurs"

Harry Redknapp ficou surpreendido ao ver o Tottenham jogar a uma "intensidade de 60/70 por cento" e levar de vencida o Bremen (3-0), enquanto Thomas Schaaf focou-se nas poucas "coisas positivas".

Luka Modrić duplicou a vantagem em cima do intervalo
Luka Modrić duplicou a vantagem em cima do intervalo ©Getty Images

Harry Redknapp parecia algo surpreendido com a facilidade com que o Tottenham Hotspur FC levou de vencida o SV Werder Bremen por expressivos 3-0, triunfo que projectou a sua equipa, estreante na UEFA Champions League, para os oitavos-de-final. O treinador visitante, Thomas Schaa, frisou que o Bremen "é capaz de jogar melhor futebol".

Harry Redknapp, treinador do Tottenham
Quando saiu o sorteio, achei que este era um grupo difícil, mas admito que não tivemos grande réplica por parte deste adversário. Parecia que tinha perdido capacidade de luta, mas no geral nós estivemos muito bem ao qualificarmo-nos e jogarmos tão bem. Na primeira parte jogámos a uma intensidade de quase 60/70 por cento. Fizemos dois golos sem realmente termos de aumentar a velocidade. Foi muito confortável e, ainda assim, falhámos uma grande penalidade na segunda parte e poderíamos ter feito mais quatro ou cinco golos sem dificuldade. Estou muito satisfeito com os meus rapazes; foram fantásticos.

Queremos chegar ao primeiro lugar, se possível. Parece que a maior parte das grandes equipas vão terminar na liderança dos respectivos grupos − Real Madrid, Barcelona, Chelsea, Manchester United, etc. − e por isso é importante acabar no topo. Temos de ir ao terreno do Twente tentar vencer. Será difícil porque o Twente é uma boa equipa em casa. É agradável ir lá tendo feito o que já fizemos e sem demasiada pressão.

Thomas Schaaf, treinador do Bremen
Claro que este resultado não é bom, porque queríamos algo diferente, mas há coisas boas, como a exibição do Dominik Schmidt a lateral-esquerdo. Além do mais, tivemos uma fase na primeira parte em que fomos bastante sólidos na defesa. Defendemos razoavelmente bem, mas sentimos enorme dificuldade a sair para o ataque porque não fomos capazes de pressionar.

Temos de continuar a trabalhar, mas de momento não podemos fazer grandes melhorias, apenas algumas pequenas. Há algumas coisas positivas a retirar, mas ainda cometemos demasiados erros na defesa. Não é justo escolher casos individuais porque há demasiados erros colectivos. Porém, tenho a certeza de que esta equipa é capaz de jogar melhor futebol.