"Vou lembrar sempre esta época"

Enquanto José Mourinho falou do orgulho em conduzir o Inter à conquista do troféu, o treinador do Bayern, Louis van Gaal, admitiu que "o Inter venceu de forma justa".

"Vou lembrar sempre esta época"
"Vou lembrar sempre esta época" ©UEFA.com

José Mourinho falou do seu orgulho, isto depois de dois golos de Diego Milito terem oferecido ao FC Internazionale Milano a sua terceira Taça dos Clubes Campeões Europeus - e a primeira em 45 anos - , contra o FC Bayern München no Santiago Bernabéu. O treinador do Bayern, Louis van Gaal, sentiu que a diferença entre as duas equipas foi mínima, ao mesmo tempo que lamentou a excelente oportunidade desperdiçada por Thomas Müller no arranque da segunda parte.

José Mourinho, treinador do Inter
Foi uma provocação futebolística quando [Van Gaal] disse ante do jogo que o Inter é uma equipa defensiva. Mas eu sabia o que ele queria e eu queria o mesmo: vencer. Não perdemos a nossa personalidade, somos uma equipa muito compacta e conseguimos jogar e vencer através de contra-ataques. Após o segundo golo o jogo ficou decidido. Com o Bayern a atacar com tantos jogadores foi fácil para nós controlar o centro do terreno e lançar os nossos ataques. É importante ter controlo emocional. Jogámos bem e merecemos vencer, não apenas este jogo mas também a prova.

O Inter é uma equipa italiana que só teve jogadores italianos no banco, mas somos um clube com cultura italiana e estamos orgulhosos por representar o futebol italiano. É uma vitória importante. A Itália é campeã do Mundo e agora também campeã da Europa em clubes. É fantástico e estou orgulhoso por dar esta pequena contribuição. Gosto da pressão que se vive em Itália. Têm uma incrível paixão por futebol e pelos seus clubes. Essa pressão é, talvez, a causa dos meus cabelos grisalhos, mas sinto-me mais forte pelo tempo passado em Itália.

Toda a gente quer vencer esta competição, mas poucos têm o privilégio de a conquistar e penso que é um privilégio ainda maior vencê-la por duas vezes. Alguns perguntaram se me sinto diferente após ter vencido com o FC Porto [em 2004] , mas não há uma grande diferença. Talvez possa vencer outra vez, mas não penso que o sentimento vá ser diferente. Sou a mesma pessoa com os mesmos sentimentos: grande alegria e felicidade, com uma ocasional lágrima se tiver de sair.

Vou relembrar sempre esta temporada com o Inter. Mais do que as palavras, foi um casamento incrível entre nós. [O presidente do Inter Massimo Moratti] queria-me contratar há alguns anos, quando eu estava no Chelsea. Quando eu vim talvez ele sentisse que seria eu a dar-lhe o seu sonho. Durante tantos anos ele sonhou com isto, em ter a mesma foto que o seu pai teve com a Taça dos Campeões Europeus. Estou muito, muito feliz por lhe ter dado isso.

Estou muito, muito orgulhoso por ser o treinador do Inter. Se queremos vencer é preciso ser capaz de construir uma equipa. A equipa tem de ter espírito e trabalhar em conjunto, sendo que é por isso mesmo que sinto orgulho do Inter. Eles trabalharam sem descanso para atingir isso e todos, desde o tratador de relva até aos jogadores no relvado e mesmo aqueles que não disputaram um único minuto, são uma família maravilhosa. Em todos os meus clubes críamos um sentimento de família e isso é a coisa mais importante.

Louis van Gaal, treinador do Bayern
Não foi surpresa para mim a forma como o jogo decorreu. A surpresa foi termos perdido. Sabíamos que eles iam jogar daquela forma. Sabíamos que se iam apresentar muito organizados do ponto de vista defensivo. Sabíamos que Diego Milito e Wesley Sneijder podiam ser decisivos e foi isso mesmo que aconteceu. Não criámos tantas oportunidades como normalmente acontece. Tivemos as nossas oportunidades, mas quando não se marca perde-se. A ocasião do Müller na segunda parte teria tornado o jogo totalmente diferente.

Apertei a mão de todos e para mim isso é suficiente, pois significa que estou orgulhoso da minha equipa. Há que estar na melhor forma para ter sucesso frente a uma equipa como o Inter e hoje não conseguimos isso. Atacar é muito mais complicado que defender e nós tivemos que atacar num espaço reduzido. Muitas equipas alemãs fazem isso, mas o Inter é melhor a jogar nesse estilo e tem jogadores que podem fazer a diferença. É uma escolha de estilo de jogo e nós escolhemos uma forma de jogar muito difícil.

Mourinho deu-me os parabéns e talvez ele esteja certo, mas o meu sentimento é diferente. Acredito que o Inter mereceu vencer, mas talvez seja mais fácil para ele vencer através deste estilo de jogo.

É sempre muito fáci dizer depois de uma derrota que o Franck Ribéry não jogou. Defrontámos o Lyon, a Juventus e disputámos metade da época sem ele. Quando se pratica este estilo é preciso ter um jogador criativo e o Franck Ribéry é deveras criativo.

Mourinho disse à televisão alemã que nós vencemos o campeonato e a taça e que isso é, por si só, um enorme feito. Vencer a Champions League é um bónus. Também é preciso um pouco de sorte. A diferença entre as equipas não é grande.