Mourinho louva "heróis"

José Mourinho ficou eufórico e acredita que o Inter vai conquistar o terceiro título europeu da sua história, enquanto Josep Guardiola mostrou-se triste, mas orgulhoso do Barça.

A festa de José Mourinho após o final do jogo em Camp Nou
A festa de José Mourinho após o final do jogo em Camp Nou ©Getty Images

José Mourinho estava totalmente eufórico depois de ver o FC Internazionale Milano sobreviver mais de uma hora a jogar com dez elementos para conseguir o apuramento para a final da UEFA Champions League. Um esforço que vale, na opinião do treinador português, uma festa no regresso a Itália e que significa que o Inter tem, agora, "verdadeira dimensão europeia". O título é uma questão de tempo. As emoções de Josep Guardiola estavam no outro extremo: tristeza, desilusão, mas também muito orgulho.

José Mourinho, treinador do Inter
Tenho uma equipa de heróis. Os jogadores deixaram o sangue no relvado esta noite. Quero dar os parabéns a todos: aos que jogaram e aos que não jogaram, aos adeptos que estiveram aqui connosco e aos que viram o jogo de casa. Neste dia fantástico quero pedir uma coisa aos adeptos, porque já é altura de termos uma festa: quero que estejam no aeroporto para nos receberem. Sei que é difícil porque muitos vão trabalhar amanhã, mas peço-lhes que façam isso e recebam em grande estes rapazes.

Não é complicado imaginar o quão difícil é atingir este ponto. Eliminar o Barcelona com 11 jogadores já é difícil e quando se consegue isso com dez é histórico. O Júlio César foi fantástico e, com ele, até parecia que tínhamos 11 atletas em campo. Esta é a melhor derrota da minha vida e só é pena não ter podido jogar. Claro que seria horrível dentro do campo, mas deixaria lá o meu sangue como fizeram os meus jogadores.

Já ganhei a UEFA Champions League, mas esta noite foi ainda melhor porque o apuramento esteve em dúvida até ao último minuto. Chegar à final depois de defrontar o Barcelona quatro vezes e o Chelsea duas é algo incrível. E se o Inter não ganhar este ano, ganha a prova para o ano – agora, temos dimensão europeia. Pensei que era impossível repetir a empatia que tinha com os adeptos do Chelsea, mas, provavelmente tenho uma ainda melhor com os do Inter.

Josep Guardiola, treinador do Barcelona
A desilusão é enorme. As meias-finais são decididas nos mais pequenos detalhes e, se no ano passado, as coisas correram bem, este ano correram mal. Demos o nosso melhor, mas, infelizmente, não vamos a Madrid. Temos de dar os parabéns ao Inter por chegar lá. Não sei [quem vai ganhar a final], por essa altura já estarei de férias.

É verdade que somos o Barca, mas quando nove jogadores defendem dentro da área adversária não é fácil. Às vezes, atacar parece muito mais difícil do que defender. Nos atacámos, eles defenderam bem e não vamos procurar desculpas. Cada jogador, cada treinador e cada equipa jogam como querem e não me cabe a mim fazer julgamentos de valor.

No global, tivemos uma boa prestação na Champions League. Foi um sucesso, mas vou recordar este dia com uma certa tristeza. Sinto-me mal por não termos conseguido chegar à final. Julgo que, com 11 jogadores em campo, o Inter jogaria de forma ligeiramente diferente. Tentámos abrir a defesa durante toda a segunda parte, mas eles foram muito fortes. Pensei que íamos conseguir mesmo em cima da hora, mas não foi possível. Estamos tristes, mas temos de levantar a cabeça.