Solskjær quer repetir festa de 99

Dez anos depois de se ter sagrado o herói do Manchester United no triunfo na final da Champions League de 1999, o norueguês Ole Gunnar Solskjær fala ao uefa.com sobre a sua noite de glória em Barcelona.

Ole Gunnar Solskjær com a Taça em 1999
Ole Gunnar Solskjær com a Taça em 1999 ©Getty Images

Ole Gunnar Solskjær recorda-se da breve instrução dada por Alex Ferguson enquanto esperava para entrar no relvado do Camp Nou, para jogar os derradeiros momentos da final da UEFA Champions League de 1999.

Última cartada
O Manchester United FC ainda estava em desvantagem devido a um golo Mario Basler, aos seis minutos, para o FC Bayern München, e a entrada de Solskjær aos 81 era a última cartada. "Tínhamos ganho o hábito de marcar golos perto do fim dos jogos nessa temporada, portanto não era preciso dizer nada. Ele afirmou apenas 'entra e faz o que puderes'", recorda Solskjær.

Desfecho emocionante
O que aconteceu de seguida foi o desfecho mais emocionante da história das finais da Taça dos Clubes Campeões Europeus. As faixas do Bayern já estavam a ser colocadas no troféu quando, aos 90 minutos, Teddy Sheringham marcou para o United após um canto de David Beckham. Com o prolongamento à vista, Beckham marcou outro canto, Sheringham fez o desvio, e Solskjær foi mais rápido do que toda a gente e colocou a bola no fundo das redes.

Feito inédito
Dez anos depois, as memórias desse momento, da celebração de joelhos, e da festa dos seus companheiros parecem distantes. "Não me lembro exactamente de tudo após a marcação do golo. Lembro-me dos jogadores que tinham sido substituídos entrarem em campo para comemorar, celebrámos uma noite fantástica", afirmou. Com o seu golo, o United tinha-se tornado no primeiro clube inglês a conquistar o campeonato, Taça de Inglaterra e Taça dos Campeões no mesmo ano. "O melhor de tudo foi a festa que se seguiu, uma enorme comemoração".

Suplente de luxo
"Claro que serei sempre recordado por ter marcado esse golo", acrescentou. "Não fez de mim um jogador melhor, que era a minha prioridade na altura. Agora, dez anos mais tarde, tenho a noção de que foi um grande momento para o clube". Para Solskjær, agora treinador da equipa de reservas do emblema de Old Trafford após o abandono da competição, em 2007, esse golo valeu-lhe a reputação de suplente de luxo. Na época 1998/99 marcou oito dos seus 18 tentos depois de sair do banco - quatro deles em apenas 19 minutos em campo contra o Nottingham Forest FC, e ainda o golo da vitória na Taça de Inglaterra sobre o Liverpool FC, no último minuto de jogo. Será que o antigo internacional norueguês, agora com 36 anos, alguma vez se arrependeu deste estatuto? "Talvez na altura em que era mais jovem quisesse jogar mais, mas tomei a decisão de colocar a minha carreira nas mãos do treinador e acatar as suas decisões. Olhando para trás, não me posso queixar dos frutos dessa decisão".

"Treinador fantástico"
Uma década mais tarde, Alex Ferguson está a tirar o melhor partido de uma nova geração de jogadores do United. A admiração de Solskjær por este "treinador fantástico" é óbvia, e não tem dificuldade em enumerar os atributos do escocês. "Os conhecimentos de futebol, a experiência, mas também a ambição - ele quer sempre ganhar, ser o melhor. E ainda a forma como trata os jogadores, como gere a equipa". E como é que o actual plantel se compara com o de 1999? "Eu tive a sorte de fazer parte dessa equipa de 1999, foi a melhor em que joguei, mas neste momento temos um plantel fantástico que luta por todos os troféus". O terceiro título consecutivo da Premier League está garantido, e Solskjær está optimista de que o clube conseguirá renovar o de campeão europeu frente ao FC Barcelona. "Claro que acredito no Manchester United. Temos uma equipa fantástica que pratica um excelente futebol, e nesta fase decisiva a nossa experiência é valiosa".

Premonitório
A final da UEFA Champions League disputa-se dez anos e um dia após o triunfo do United no Camp Nou, o que muitos dos seus adeptos encaram como premonitório. Solskjær afirmou: "Espero bem que sim. A final de 1999 foi no dia do aniversário de Matt Busby. Ele teria feito 90 anos. O clube desenvolveu a tradição de fazer história nas datas certas". E os momentos certos não têm segredos para Solskjær.