Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

O'Shea dá vantagem ao United

Manchester United FC 1-0 Arsenal FC
O defesa irlandês marcou durante a primeira parte o golo que dá ligeira vantagem à equipa de Cristiano Ronaldo para a viagem a Londres.

John O'Shea é elogiado pelo golo apontado na primeira parte
John O'Shea é elogiado pelo golo apontado na primeira parte ©Getty Images

O Manchester United FC venceu o Arsenal FC pela margem mínima, em Old Trafford, num jogo onde os homens da casa ficarão, certamente, a lamentar as várias oportunidades desperdiçadas e a excelente exibição do guarda-redes contrário.

Vantagem escassa
Um golo de John O'Shea, no seguimento de um pontapé de canto, aos 17 minutos, deu vantagem ao United, e os "red devils" dispuseram de várias oportunidades para dilatar o marcador de forma a partirem com maior conforto para o encontro da segunda mão, em Londres. Porém, um inspirado Manuel Almunia e a trave da baliza do Arsenal evitaram que os "gunners" deixassem Manchester com uma derrota mais pesada.

O'Shea abre o activo
O encontro começou com o United a procurar marcar cedo e, logo aos dois minutos, Wayne Rooney correspondeu de cabeça a um centro de Darren Fletcher, obrigando Almunia a uma excelente intervenção. Os homens da casa imprimiram muita velocidade ao seu jogo nos minutos iniciais e continuaram a ameaçar a baliza do Arsenal. Aos 11 minutos foi Cristiano Ronaldo a tentar a sua sorte de longe, com a bola a passar ao lado e, aos 16, Carlos Tévez rematou para defesa espectacular de Almunia. Contudo, no pontapé de canto que se seguiu, o United chegou mesmo ao golo. Anderson cobrou o canto, a bola chegou a Michael Carrick que cruzou na direcção de O'shea. Livre de marcação, o defesa irlandês inaugurou o marcador. 

Almunia evita o segundo
O Arsenal tentava explanar o seu futebol, baseado nas trocas de bola e nos passes curtos, mas a velocidade e criatividade de homens como Anderson, Ronaldo, Tévez e Rooney criavam sempre muitas dores de cabeça à defesa londrina. À passagem do minuto 29, o United esteve perto do segundo golo, quando Tévez centrou da direita e Ronaldo apareceu a cabecear bem, de cima para baixo, mas Almunia, com nova intervenção extraordinária, negou o golo ao internacional português. Até ao final da primeira parte o ritmo do encontro abrandou e o Arsenal conseguiu, finalmente, trocar a bola no meio campo adversário sem, contudo, criar verdadeiro perigo para a baliza contrária. 

Ronaldo à trave
O segundo tempo começou como o primeiro tinha terminado, sem grandes lances de perigo e com os visitantes a aventurarem-se agora mais vezes no seu meio-campo ofensivo, mas apenas aos 61 minutos conseguiram ameaçar Edwin van der Sar, através um remate de primeira de Emmanuel Adebayor, ainda de fora da área, que passou ligeiramente por cima. Este lance despertou o United que, de imediato, se voltou a instalar no meio-campo adversário. Aos 69 minutos, Ronaldo libertou-se de um adversário, ganhou espaço no meio-campo adversário e, de muito longe, disparou à trave da baliza à guarda de Almunia. Pouco depois foi Carrick, também de fora da área, a rematar forte e a fazer a bola passar centímetros ao lado do alvo.

Golo anulado
À passagem do minuto 78, Ryan Giggs, recém-entrado para o lugar de Anderson, chegou mesmo a fazer a bola voltar a entrar na baliza do Arsenal, mas o árbitro da partida, por indicação do seu auxiliar, invalidou o lance por fora-de-jogo. Até ao final a partida o jogo continuou a decorrer na mesma toada, sem grandes lances de perigo de parte a parte, e o resultado não sofreu mais alterações.

Topo