Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

Xavi respira confiança

Apesar de desejar, frente ao Chelsea, a repetição do resultado da primeira mão dos quartos-de-final, diante do Bayern, o médio Xavi Hernández acredita que eliminatória vai ser decidida em Londres.

Xavi respira confiança
Xavi respira confiança ©Getty Images

No que a Xavi Hernández diz respeito, a receita para o FC Barcelona ultrapassar o Chelsea FC e chegar à final da UEFA Champions League é repetir a primeira parte alucinante frente ao FC Bayern München, na ronda anterior, que resultou numa vitória concludente.

Demonstração de força
Nesse dia, Lionel Messi, Samuel Eto'o e Thierry Henry foram os autores de um massacre ofensivo dos catalães, que produziram quatro golos sem resposta nos primeiros 43 minutos do jogo da primeira mão e que, efectivamente, foi suficiente para assegurar a presença do Barça nas meias-finais. Mas mesmo que esse seja o caminho a seguir em Camp Nou frente à equipa treinada por Guus Hiddink, Xavi acredita que o Chelsea é um adversário muito mais complicado e que a decisão da eliminatória vai acontecer em Londres. "Seria uma vantagem enorme. Aliás, seria mesmo um sonho se conseguíssemos marcar quatro golos ao Chelsea, tal como fizemos nessa noite", disse o médio de 29 anos.

Abordagem cuidadosa
"No entanto, o que podemos repetir é o nível de jogo e a intensidade com que atacámos o Bayern. Continuo a defender que é pouco provável que a eliminatória fique decidida no jogo da primeira mão - o desafio em Stamford Bridge vai ser decisivo. Vejam o que se passou quando o Chelsea venceu em Anfield. Apesar desse triunfo, teve de lutar bastante na segunda mão para seguir em frente na prova, mas o que sei é que agora temos a experiência necessária para jogar de forma inteligente nas duas mãos".

Derrota recorde
Xavi é um dos jogadores que tem a experiência acumulada dos oito jogos disputados entre as duas equipas na UEFA Champions League. De facto ele, Carles Puyol e o treinador Josep Guardiola, todos desempenharam um papel na vitória do Barça por 6-4 (resultado total), nos quartos-de-final da edição 1999/00, que incluiu um triunfo por 5-1 na segunda mão - que representa a derrota mais pesada do Chelsea nas competições europeias. A imagem que tem, nove anos depois de ter enfrentado os "blues", é de um imenso respeito.

"Jogadores de classe mundial"
"O Chelsea tem um tremendo poderio físico e espírito combativo que toda a gente elogia, mas agora também é dirigido por um treinador holandês de qualidade, e penso que é importante realçar que possui jogadores de classe mundial", disse Xavi. "[Frank] Lampard e [Didier] Drogba incluem-se nesse lote, mas também há que contar com a experiência de John Terry - ele e o [Michael] Essien estão entre os melhores do Mundo nas respectivas posições. Admiro o Terry e respeito-o bastante. De facto, recordo-me bem de como a sua aptidão no jogo aéreo foi decisiva para nos eliminar da competição, há quatro anos".

Tecnicamente superiores
Dito isto, o centrocampista do Barça mostra-se incomodado com a ideia de que o poderio da equipa da Premier League inglesa é, de facto, demais, inclusive para as equipas de topo de Espanha. "Não concordo com a opinião de que a Premier League é o melhor campeonato do Mundo. Aliás, diria mesmo que a nível técnico e táctico, a nossa Liga é superior. Sei que o Liverpool fez um excelente trabalho ao eliminar o Real Madrid, mas um só jogo não prova nada de forma conclusiva. O Barça não está nas meias-finais por acaso, e também derrotámos boas equipas, como por exemplo o Bayern e o Olympique Lyonnais, para chegarmos até aqui. Estamos prontos para este teste".

Topo