Guardiola combate a euforia

Depois da goleada na Suíça, frente ao Basileia, muitos acreditam que o Barça vai repetir a dose em Camp Nou, mas Josep Guardiola quer evitar o excesso de confiança dos seus jogadores.

Josep Guardiola quer evitar a euforia da sua equipa
Josep Guardiola quer evitar a euforia da sua equipa ©Getty Images

Há duas semanas, o FC Barcelona foi à Suíça bater o FC Basel 1893 por 5-0 e muitos acreditam que os catalães vão repetir a goleada no encontro da quarta jornada, em Camp Nou, num grupo onde também figura o Sporting. No entanto, Josep Guardiola está empenhado em evitar o excesso de confiança dos seus jogadores.

Evitar euforias
O Barça teve um início de jogo arrasador no St. Jakob-Park e, aos 22 minutos, já vencia por 3-0, deixando a equipa onde alinha o português Carlitos sem qualquer hipótese de reacção. Guardiola considera que a inspiração dos espanhóis nos minutos iniciais provocou uma imagem errada sobre o real valor do Basileia e, por outro lado, pensa que os elogios que têm sido feitos às exibições da sua equipa podem revelar-se prejudiciais. "O perigo é que muita gente já considera que o jogo está ganho", alertou o antigo capitão do Barcelona que, no sábado, viu a sua equipa bater o Málaga CF por 4-1 e somar a 11ª vitória consecutiva. "Também sou obrigado a elogiar os meus jogadores, pois estou contente com a sua atitude, o seu trabalho e as suas exibições, mas devem evitar entrar em euforias".

Em grande forma
"Não seria a primeira vez, ao longo da minha carreira no Barça, em que todos consideram que a vitória está garantida e depois ficam muito surpreendidos com um desaire. Tivemos de trabalhar muito para atingir este nível, mas tudo pode desaparecer rapidamente". As cautelas de Guardiola contrastam com as exibições da sua equipa, que não perde desde Agosto e marcou 22 golos nos últimos seis triunfos, sofrendo apenas dois. O seu lema é que quando uma equipa como o Barça tem esta qualidade, trabalha com entusiasmo e mantém uma atitude positiva, é praticamente imbatível.

Concentração total
Depois de impor ao Basileia a sua derrota mais pesada de sempre nas competições europeias, Guardiola sabe que um novo triunfo colocará o Barça nos oitavos-de-final, desde que o FC Shakhtar Donetsk não consiga derrotar o Sporting. "Estou contente porque estamos a jogar bem, mas em Novembro ninguém consegue conquistar o título espanhol ou a UEFA Champions League", explicou o treinador de 37 anos, que na segunda-feira esteve em Pamplona, na companhia de todo o plantel, para assistir ao funeral do pai do treinador de guarda-redes do Barça, Juan Carlos Unzué. "Exijo concentração total e a mesma atitude em todos os jogos".

"Pressão enorme"
Com Eric Abidal impedido de alinhar devido a uma lesão no joelho, Guardiola deve colocar Martin Cáceres no lado esquerdo da defesa, enquanto o seu homólogo do Basileia, Christian Gross, também só tem um problema na equipa, pois o defesa David Abraham debate-se com uma indisposição gástrica. De resto, os suíços vão poder apresentar a equipa na máxima força, o que não deixa de ser positivo para um desafio em que toda a ajuda será pouca. "Sei como se sentem os jogadores do Barcelona, pois estamos na mesma posição no campeonato suíço", ironizou Gross. "Tal como nós, também estão sob pressão para vencer todos os jogos, marcar muitos golos e conquistar títulos. É uma pressão enorme".

Estratégia de Gross
O Basileia beneficiou de um precioso descanso de quatro dias, desde que, na quinta-feira, bateu o FC Sion por 3-0, embora Gross considere que o descanso não será suficiente para a sua equipa pontuar em Espanha. "Sabíamos antes do primeiro jogo que o Barcelona se transformou numa equipa fortíssima", explicou. "Funcionam mais em bloco do que na época passada e é visível que sentem enorme prazer a jogar futebol. Se não sofrermos golos nos primeiros minutos e formos inteligentes a conservar a posse de bola, podemos conseguir algo magnífico em Camp Nou".

Topo