O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Boral saúda salvador Volkan

Uğur Boral elogiou Volkan Demirel, depois de o guardião do Fenerbahçe ter emendado nos penalties os erros anteriores frente ao Sevilha.

Volkan Demirel foi o grande responsável pelo apuramento do Fenerbahçe
Volkan Demirel foi o grande responsável pelo apuramento do Fenerbahçe ©Getty Images

O extremo Uğur Boral, do Fenerbahçe SK, elogiou o guarda-redes Volkan Demirel após este ter recuperado da melhor forma dos dois erros iniciais ante o Sevilla FC, acabando por ser o herói da equipa de Istambul no desempate por grandes penalidades, que permitiu aos turcos seguirem para os quartos-de-final da UEFA Champions League.

Dramático desempate
Os visitantes defendiam uma vantagem de 3-2 trazida da primeira mão, mas cedo ficaram numa posição complicada, visto que Volkan não segurou um remate de longa distância de Daniel Alves e outro de Seydou Keita, tudo dentro dos primeiros nove minutos. O internacional turco ainda estava para se revelar decisivo, em especial depois de o avançado Deivid (antigo jogador do Sporting) ter bisado, respondendo ao terceiro golo dos espanhóis, da autoria de Frédéric Kanouté. À porta estava o prolongamento, mas nenhum golo surgiu. Assim, no desempate das grandes penalidades, coube a Volkan Demirel defender três remates e colocar a sua equipa na eliminatória seguinte.

"Todos erram"
"O Volkan é um guarda-redes muito bom e em quem acredito", afirmou Uğur Boral ao uefa.com, após os jogadores terem tipo tempo para se acalmarem da emocionante jornada europeia. "O primeiro e o segundo golos surgiram devido a erros seus, mas são coisas que acontecem nos jogos. Todos erram. Tenho total fé no Volkan e ele mostrou toda a sua capacidade nos penalties. Venceu o jogo para nós e todos na Turquia estão muito contentes".

Fé constante
A intensa natureza do jogo trouxe às memórias do espectador Michel Platini, Presidente da UEFA, um célebre França-Alemanha na meia-final do Mundial naquele mesmo estádio, em 1982. "Claro que continuámos a acreditar", acrescentou Uğur Boral, de 25 anos, ainda pouco refeito da sua terceira partida europeia. "Se perdêssemos a fé estávamos acabados. Sinto-me honrado por fazer parte desta equipa e espero estar no próximo jogo".

Conquista histórica
O que não preocupa é o nome do próximo adversário, conhecido no dia 14. Ali Bilgin deixa a sua opinião: "Não me importa, pois são todas grandes equipas quando chegamos aos quartos-de-final. Queremos ver apenas até onde vamos. Já estamos a quebrar barreiras históricas e queremos seguir em frente. É interessante fazer parte da história. Vamos fazer uma enorme festa quando voltarmos à Turquia".