O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Espectáculo em perspectiva

Arsène Wenger espera um jogo aberto diante do Sevilha, equipa que regressa à principal competição europeia de clubes ao cabo de 50 anos.

Tomáš Rosický num treino antes do encontro com o Sevilha
Tomáš Rosický num treino antes do encontro com o Sevilha ©Getty Images

Teste difícil
No entanto, Wenger espera um teste difícil, no regresso do adversário à principal competição europeia de clubes, após ausência de 50 anos e duas vitórias na Taça UEFA, nas últimas duas épocas. "É uma vantagem psicológica estar em primeiro lugar [na Premier League]", afirmou o técnico, de 57 anos, que está perto de se tornar no treinador que permaneceu mais anos no clube, depois de ter renovado contrato até 2011. "Estamos a jogar bem e confiantes, mas o Sevilha também atravessa um bom momento. As duas equipas vão procurar atacar quando tiverem a bola, por isso, deverá ser um bom jogo. O Sevilha é bom tecnicamente, equilibrado e não receia jogar fora de casa".

Sevilha candidato
Wenger descartou a ideia de que a falta de experiência do Sevilha na prova pode prejudicá-los, descrevendo a equipa de Juande Ramos como "um dos principais candidatos a vencer a competição". O francês acrescentou: "O Sevilha juntou-se ao Real Madrid [CF], [FC] Barcelona e Valencia [CF] entre os principais clubes espanhóis. Quando se está em crescimento, é importante caminhar passo a passo e vencer a Taça UEFA é uma boa preparação para a Champions League".

Ausência de Henry
O Arsenal possui bastante mais experiência nesta prova, mas os finalistas de 2006 podem sentir algumas reservas por iniciarem esta campanha sem Thierry Henry, pela primeira vez desde 1998/99. Ainda assim, Wenger, que também não conta com os lesionados Jens Lehmann, William Gallas e Emmanuel Eboué, continua confiante: "Quando um jogador de classe mundial como Thierry não joga, os outros jogadores ficam com maior responsabilidade e isso faz com possam surgir outros valores individuais, obrigando-os a ter iniciativa. A dinâmica da equipa é muito boa".

Espiral positiva
O Sevilha tem estado numa espiral positiva ao longo dos dois últimos anos, tendo preparado a estreia na fase de grupos em grande, com uma vitória clara, por 4-1, frente ao RC Recreativo de Huelva, no domingo. Ramos, que venceu cinco troféus desde que assumiu os destinos da equipa, em 2005, está feliz com a oportunidade de demonstrar as suas capacidades ao mais alto nível: "Após dois anos grandiosos na Taça UEFA, estamos prontos para avançar. As provas são muito diferentes e o Arsenal representa um começo difícil, mas, se encararmos os jogos da mesma forma, vamos sair-nos bem".

Puerta lembrado
Ramos não conta com Javi Navarro e Adriano, mas não vai adoptar uma estratégia defensiva: "Arsenal e Sevilha costumam marcar muito e espero um jogo interessante. Um empate não seria mau, porque o Arsenal é uma grande equipa, mas uma vitória seria fantástica". Caso o Sevilha ganhe, os jogadores vão dedicar a vitória a Antonio Puerta, jogador falecido no mês passado. "A melhor forma de recordar Puerta é ganhar jogos", disse Ramos. "Vamos trabalhar muito para conseguir o maior número de vitórias possível nesta competição, porque o Puerta teria adorado jogar nela".