Riise tem fé no Liverpool

O defesa norueguês do Liverpool, John Arne Riise, acredita que a equipa de 2007 é ainda mais forte do que aquela que bateu o Milan na final de há dois anos, em Istambul.

Uma das poucas certezas sobre a equipa que Rafael Benítez vai fazer entrar de início na final da UEFA Champions League, frente ao AC Milan, é que vai contar com a presença de John Arne Riise. O internacional norueguês é parte integral da estratégia do Liverpool FC e avisa que a equipa de 2007 é ainda mais forte do que aquela que triunfou há dois anos.

Golos cruciais
Riise pode ter sido o único jogador do Liverpool a falhar a tentativa de conversão nesse desempate por grandes penalidades, mas ele mais do que contribuiu para o sucesso da sua equipa nessa final, nomeadamente ao cruzar para o tento que deu início à recuperação, da autoria do capitão Steven Gerrard. O seu poderoso pé esquerdo tem sido uma arma decisiva também nesta época, com Riise a marcar, na fase de grupos, frente ao FC Barcelona e ao PSV Eindhoven. O tento em Camp Nou foi particularmente importante. “Vencer em Barcelona foi um passo importante, embora soubéssemos que teríamos de realizar muitos mais jogos para chegarmos à final. Acreditamos sempre que podemos vencer qualquer jogo e provámos isso em Barcelona com uma grande exibição. Deu-nos mais fé, mas sabíamos que tínhamos de fazer mais para chegarmos à final”.

A missão de Kaká
Parte da missão de Riise na quarta-feira passará por ajudar a tentar anular o homem mais perigoso do Milan, Kaká. “Ele é o melhor marcador da UEFA Champions League e um dos melhores jogadores do Mundo. Eles têm vários grandes jogadores, capazes de decidir o jogo em qualquer altura, mas temos de preocupar-nos connosco”. Mas o Milan também deverá estar preocupado com Riise. Os seus dois golos rumo a Atenas e o facto de ter marcado na SuperTaça Europeia e na final da Taça da Liga inglesa mostram que é um jogador que também tende a aparecer nas grandes ocasiões. “Tenho tido a sorte de marcar golos em grandes jogos, mas qualquer encontro para o Liverpool é um grande jogo. Eu apenas tento fazer as mesmas coisas em todos os encontros: trabalhar arduamente, jogar bem e, se tiver a oportunidade para rematar, fazê-lo. Gosto de marcar golos, como qualquer jogador gosta, mas vencer é mais importante”.

Elogios de Benítez
Seja como membro de uma defesa robusta ou na qualidade de marcador de golos decisivos, Riise é importante para os planos de Benítez. Foi pedido ao técnico que elogiasse o seu lateral ruivo na mesma conferência de imprensa e mesmo se a sua resposta foi pouco compenetrada, não escondeu a sua admiração pelo norueguês, tendo dito: “Ele é muito consistente, exibe-se a um bom nível. É sempre preciso jogadores que sejam capazes de jogar sempre a um nível elevado. Ele pode actuar tanto a lateral-esquerdo como a médio-esquerdo. Mas ele ainda pode melhorar”. Questionado em quê, Benítez brincou: “Em tudo!”.

Vingança do Milan
Riise está bem ciente de que o Milan se apresentará em Atenas disposto a vingar o desaire de 2005: “Eles querem vingar-se do que sucedeu há dois anos. Temos todo o respeito pelo Milan e tenho a certeza que eles também o têm por nós. Eles podem sentir que têm de ganhar pelo que sucedeu em Istambul. Fizemos tudo bem, preparámo-nos em Espanha para a humidade e o calor e, após o último treino de hoje, estamos prontos. Sabemos o que esperar e sabemos que eles querem vingar-se. É importante que joguemos o futebol no sistema que nos trouxe até cá”. E, para Riise, a experiência de Istambul beneficiará o Liverpool quando voltar, agora em Atenas, a defrontar o Milan. “Esta equipa é mais forte, mais experiente do que a de há dois anos. Na altura, não sabíamos bem pelo que passámos, pois nunca ninguém o havia feito. Agora, trazemos essa experiência para esta final. Temos uma equipa maior, mais forte e melhores jogadores, como o provámos ao atingir a final”.