O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
A partir de 25 de Janeiro, o UEFA.com já não vai suportar o Internet Explorer.
Para obter a melhor experiência possível, recomendamos que use Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Da utopia à realidade

"Um sonho utópico" é o que está em jogo, para Carlo Ancelotti, na partida de San Siro, enquanto o Manchester United tenta manter viva a possibilidade de vencer três competições esta época.

À medida que o AC Milan se prepara para tentar dar a volta à derrota de 3-2 trazida de Old Trafford, na primeira mão das meias-finais da UEFA Champions League, frente ao Manchester United FC, o treinador dos milaneses, Carlo Ancelotti, descreve a perspectiva de atingir a final de Atenas como “um sonho utópico”.

Sonho utópico
No Outono, o Milan ocupava a metade inferior da classificação da Serie A. Uma penalização pontual e uma pré-temporada reduzida afectaram a forma e a confiança da equipa, pelo que Atenas parecia estar a longa distância, em todos os sentidos. Agora, os “rossoneri” estão no terceiro lugar e a um jogo da sua terceira final da prova em cinco anos. "No começo da época, disse que chegar a Atenas era um sonho utópico", disse Ancelotti. "Mas agora este sonho está perto de tornar-se realidade. Esta equipa mostrou-se muito unida nas alturas mais complicadas. Isso trouxe-a até aqui e neste momento temos confiança porque estamos a jogar bem e próximos do nosso objectivo".

Perigo de Rooney
Contudo, essa demanda pode ter ficado mais difícil após a derrota da primeira mão. O Milan desperdiçou a vantagem de 2-1, apesar de ter estado a perder devido a um golo de Cristiano Ronaldo. O melhor marcador da prova, Kaká, marcou por duas vezes, mas foi imitado por Rooney, tendo o último dos tentos, que deu a vitória aos "red devils", surgido nos derradeiros segundos. "O jogador do ataque mais perigoso é, sem dúvida, o Rooney", acrescentou Ancelotti. "Mas, se voltarmos a sofrer golos, não será um desastre. Sabemos que podemos marcar mais, porque já o fizemos por duas vezes".

"Enorme feito"
Com o provável regresso de Filippo Inzaghi, o ataque do Milan deverá ser mais poderoso, pois o internacional italiano soma 36 golos em 64 partidas da UEFA Champions League, para além de que o moral da equipa está elevado, após cinco vitórias consecutivas na Serie A, a última das quais no sábado, por 1-0, no reduto do Torino FC. Outra boa notícia para os milaneses é o regresso de Gennaro Gattuso (lesão no pé), apesar de o capitão Paolo Maldini não ter conseguido recuperar a tempo de um problema num joelho. "Ter chegado tão longe constitui um enorme feito. Já fizemos o bolo. Agora, só precisamos de colocar-lhe a cereja em cima", afirmou Ancelotti.

"Tripla" em vista
Com a tripla à vista, o treinador do Manchester United, Alex Ferguson, parece ter pensamentos semelhantes. Com uma vantagem de cinco pontos na Premiership e qualificado para a final da Taça de Inglaterra, Ferguson sabe que está a pouca distância de repetir o triunfo de 1998/99. A sua equipa mostrou capacidade de luta para, na terça-feira transacta, passar de uma desvantagem no marcador ao triunfo e repetiu a façanha no sábado, frente ao Everton FC, dando a volta à desvantagem de 2-0 para triunfar por 4-2. "Crescemos bastante esta época. O sucesso e a confiança ajudou a isso e alguns jogadores estiveram excepcionalmente bem na sua primeira época".

"Fazê-lo à nossa maneira"
O técnico de 65 anos destacou Kaká, Gattuso e Maldini, reservando-lhes elogios especiais, mas insistiu que a sua formação não se amedrontará no esgotado San Siro. O possível regresso, após lesões, dos centrais Rio Ferdinand e Nemanja Vidić poderá compensar a ausência do suspenso Patrice Evra. "Esta equipa cresce nos grandes jogos e este será o maior teste até à data. É esperado que o Milan marque em casa, mas a nossa segurança é a importância que damos em marcar. Ficar à entrada da área não nos ajudará em nada e também não será bom para os nossos adeptos. Pelo que, se vamos fazê-lo, que seja à nossa maneira".

Equipas prováveis
Milan: Dida; Massimo Oddo, Alessandro Nesta, Kakha Kaladze, Marek Jankulovski; Gennaro Gattuso, Andrea Pirlo, Massimo Ambrosini; Kaká, Clarence Seedorf; Filippo Inzaghi.

Manchester United: Edwin van der Sar; John O'Shea, Nemanja Vidić/Rio Ferdinand, Wes Brown, Gabriel Heinze; Darren Fletcher, Michael Carrick; Cristiano Ronaldo, Paul Scholes, Ryan Giggs; Wayne Rooney.