Tiago inspira Lyon

Olympique Lyonnais 4-0 PSV Eindhoven (total: 5-0)
Dois golos de Tiago ajudaram o Lyon a avançar para os quartos-de-final pela terceira vez consecutiva.

O Olympique Lyonnais qualificou-se para os quartos-de-final da UEFA Champions League pela terceira época consecutiva, graças a uma excelente vitória por 4-0 sobre o PSV Eindhoven, equipa que terminou a partida reduzida a dez jogadores. Já com uma vantagem de um golo trazida da primeira mão, o 5-0 conseguido no conjunto das duas partidas teve um gosto especial para o campeão francês, já que na época passada tinha sido exactamente o PSV a afastá-lo da prova.

Vitória convincente
Dois golos na primeira parte do português Tiago acabaram desde logo com as esperanças do PSV, sendo que a expulsão de Phillip Cocu, aos 43 minutos, proporcionou aos anfitriões um autêntico passeio na segunda parte, período em que alargaram a vantagem com tentos de Sylvain Wiltord e Fred. O único contratempo para a equipa orientada por Gérard Houllier foi o cartão amarelo visto pelo médio internacional brasileiro, Juninho Pernambucano, que o afasta da primeira mão dos quartos-de-final.

Carew de início
O Lyon fez apenas uma alteração em relação ao “onze” apresentado na primeira mão, com Wiltord a substituir o castigado Sidney Govou enquanto John Carew, que esteve em dúvida, voltou a apresentar-se no centro do ataque. Apesar de um problema numa mão, Michael Reiziger actuou como defesa-esquerdo pelos visitantes, que tentaram resolver os seus problemas defensivos com as entradas de Eric Addo e Theo Lucius na equipa. Addo teve dificuldade em lidar com o poder físico de Carew desde o início do jogo e o Lyon entrou bem na partida, ensaiando vários remates de longa distância à baliza do PSV, dois deles saídos dos pés de Juninho Pernambucano, que no entanto não foi feliz.

Juninho castigado
O PSV procurou não dar espaço ao adversário no meio-campo e para grande frustração dos da casa, o jogo tornou-se fragmentado. Juninho viu o cartão amarelo por falta cometida sobre Ibrahim Afellay. A estratégia do PSV ia funcionando no aspecto defensivo, mas deixava muito sozinhos os avançados Arouna Koné, que substituiu o lesionado Jan Vennegoor of Hesselink, e Jefferson Farfán. Foi sem surpresa que os franceses criaram a primeira oportunidade clara de golo do encontro, num remate de Florent Malouda que saiu ligeiramente ao lado da baliza adversária.

Grande exibição de Tiago
A jogada despoletou um período de grande pressão por parte dos anfitriões, que acabou por resultar no primeiro golo oito minutos mais tarde. Malouda escapou-se a Lucius no flanco esquerdo e centrou atrasado para Tiago, que não perdoou. Com dois golos de vantagem na eliminatória, a equipa de Houllier passou a controlar completamente os acontecimentos, ainda que Grégory Coupet tenha sido obrigado a sair da baliza para se antecipar a Farfán. O Lyon era de longe a equipa mais ameaçadora sobre o relvado e Juninho podia ter alargado a vantagem, se não fosse uma defesa brilhante de Heurelho Gomes, que afastou a bola rematada pelo seu compatriota para o poste.

Período decisivo
Carew ainda desperdiçou mais uma boa oportunidade, antes da tarefa do PSV se ter tornado ainda mais hercúlea com a expulsão do capitão Cocu, por acumulação de amarelos. Quaisquer dúvidas que subsistissem evaporaram-se quando o Lyon aumentou a vantagem ainda na primeira parte. Alex afastou de forma deficiente um livre apontado por Juninho e Tiago, mais rápido que toda a gente, colocou a bola no fundo da baliza, marcando assim o seu segundo golo da noite.

Domínio total do Lyon
O segundo tempo começou numa toada mais lenta, com o Lyon a proteger a sua vantagem e o PSV a tentar evitar a goleada. Cris teve de se mostrar atento para cortar um remate instintivo de Koné e Farfán rematou ao lado, mas apesar disso os holandeses atacavam com pouca convicção. O Lyon dominava as operações e poderia ter chegado ao terceiro golo aos 56 minutos, mas Wiltord, com a baliza à sua disposição, não conseguiu dar a melhor sequência a um passe de Malouda.

Golos sobre o final
Wiltord redimiu-se desse falhanço aos 71 minutos, marcando após uma defesa incompleta de Gomes a remate de Fred, que tinha entretanto entrado na partida. O PSV ainda teve oportunidade de marcar o seu golo de honra, mas Koné rematou ao lado quando tinha apenas Coupet pela frente. Assim, coube a Fred fechar uma noite terrível para a equipa de Hiddink no último minuto, batendo Gomes após uma vistosa jogada individual, coroando uma excelente exibição do Lyon.