Braga bate Württemberg e está na final

Württembergischer FV 1-3 Braga José Ferreira bisou e Pedro Nobre também marcou, com os anfitriões a seguirem em frente como vencedores do Grupo A.

José Ferreira festeja um dos seus dois golos frente ao Württemberg
José Ferreira festeja um dos seus dois golos frente ao Württemberg ©FPF

Braga apurou-se este domingo para a final da 7ª edição da Taça das Regiões da UEFA, onde vai defrontar os irlandeses de Leinster & Munster, após ter batido o Württemberg FV, por 3-1, na última jornada do Grupo A.

A partida disputada no Estádio Cruz do Reguengo, em Vila Verde, era decisiva para a equipa comandada por Dito, que precisava apenas de um ponto para seguir em frente para a final de terça-feira, em Barcelos. Os anfitriões não vacilaram e conseguiram mesmo manter o seu registo perfeito na competição (somam seis triunfos em outros tantos jogos desde a Fase intermédia), com Pedró a bisar aos 37 e 87 minutos, com Pedrinho a assinar o outro golo bracarense, tendo Martin Kleinschrodt apontado o tento de honra do conjunto alemão.

Num encontro marcado pelo intenso calor – que obrigou mesmo a três paragens para os jogadores e os árbitros ingerirem liquídos -, a primeira grande oportunidade de golo pertenceu ao Württemberg, que estava obrigado a ganhar para se apurar, com Manuel Grampes a rematar com estrondo à trave aos 18 minutos. As duas equipas tiveram de proceder a uma substituição durante a primeira meia-hora de jogo, sendo que Braga foi bem mais feliz nesse particular. Com efeito, Pedró estava em campo há apenas oito minutos quando bateu o guarda-redes Julian Hauser com um remate rasteiro e colocado, após uma excelente assistência de Pedrinho.

A missão alemã complicou-se ainda mais aos 41 minutos, quando Patrick Krätschmer viu o cartão vermelho directo devido a uma entrada sobre Renato, mas o cenário negro só ficou completo já em tempo de compensação. Pedrinho, um verdadeiro perigo à solta no encontro desta tarde, surgiu nas costas da defesa germânica e não perdoou na hora da verdade, assinando o 2-0 e dando ainda maior tranquilidade à sua equipa.

O Württemberg sentiu dificuldades para reagir no arranque da etapa complementar, com o cansaço e o facto de contar com menos um elemento em campo a permitirem a Braga assumir por completo o domínio da partida. Pedrinho esteve muito perto de bisar aos 57 minutos, quando rematou ligeiramente ao lado, mas os minhotos voltaram a sofrer um golo quando em vantagem numérica, algo que já tinha acontecido na ronda anterior, frente ao Yednyst Plysky. Decorria o minuto 67 quando um livre do lado direito do ataque alemão não foi cortado com eficácia pelos anfitriões, acabando a bola por sobrar para o desmarcado Kleinschrodt, que não teve dificuldades para facturar de cabeça.

Braga não abanou com o lance e continuou a ter as melhores oportunidades para “matar” o jogo, algo que veio finalmente a suceder aos 87 minutos, por sinal numa jogada muito similar à que tinha rendido o tento inaugural. Pedrinho conduziu um veloz contra-ataque pelo lado direito e serviu, na altura certa, Pedró, que voltou a revelar pontaria acertada. Estava garantida a presença na final, sendo que o objectivo passa agora por fazer melhor do que em 2001, quando esta mesma equipa de Braga perdeu no desempate por grandes penalidades.

Topo