Daniel Simões vive momento de ouro

Daniel Simões diz que nunca irá "esquecer estes sete dias", após Braga ter vencido a Taça das Regiões da UEFA, enquanto o herói José Fortunato confessa que parece que está "a flutuar".

O capitão de Braga, Daniel Simões, com o troféu da Taça das Regiões da UEFA
©Sportsfile

O capitão Daniel Simões disse ao UEFA.com que ele e os seus colegas de equipa de Braga nunca irão "esquecer estes sete dias", isto após o conjunto anfitrião ter batido Leinster & Munster por 2-1 e conquistado a 7ª edição da Taça das Regiões da UEFA.

A voz de comando na pressionada defesa bracarense que se revelou preponderante para o sucesso na final disputada no Estádio Cidade de Barcelos, Daniel Simões mostrou-se encantado por ter atingido o ponto alto da sua carreira de futebolista. "É uma página de ouro no historial de cada um destes 20 jogadores," começou por dizer o central ao UEFA.com. "É possível que ainda venha a ter muitos anos de carreira pela frente, mas uma coisa é certa: nunca irei esquecer esta experiência, especialmente o momento em que erguemos o troféu."

Os golos de Pedro Nobre e de José Fortunato acabaram por tornar infrutífero o tento irlandês apontado por David O'Sullivan, garantindo para Portugal a primeira conquista da mais importante prova amadora do Mundo. "Tenho 27 anos de idade e talvez as pessoas já me considerem um veterano, uma vez que sou o capitão da equipa, mas ainda me sinto um jovem," prosseguiu Daniel Simões. "Não consigo descrever a felicidade que sinto neste momento. Tudo o que posso dizer é que esta experiência vai permanecer connosco até ao fim das nossas vidas."

A talentosa formação orientada por Dito defrontou um musculado e voluntarioso adversário na final, com Daniel Simões a admitir que o triunfo foi tudo menos fácil. "Tivemos de lutar arduamente por cada lance até ao apito final", explicou. "Eles foram uns dignos vencidos, o que apenas torna a nossa vitória ainda mais memorável. Agora, cada jogador vai regressar ao respectivo clube e prosseguir a sua carreira, mas nunca iremos esquecer estes sete dias."

Entretanto, o defesa-direito José Fortunato revelou que o seu golo aos 84 minutos, por sinal o momento decisivo do encontro, se ficou a dever a um pouco de sorte. "Mal podia acreditar quando vi a bola entrar na baliza, mas para dizer a verdade eu queria cruzar e não rematar," confessou ao UEFA.com. "Foi uma surpresa para mim, mas graças a Deus aconteceu dessa forma e isso permitiu-me ajudar a equipa a atingir o seu objectivo."

"O nosso plano passava por vencer o jogo nos 90 minutos e evitar o prolongamento," defendeu José Fortunato. "Jogámos bem e penso que merecemos por inteiro conquistar o troféu. Ainda não estou bem ciente da importância deste feito para a região e para o próprio país, mas estou certo que no futuro vamos olhar para trás e relembrar estes momentos como algo de único. Sinto-me como se estivesse a flutuar."

 

Topo