Braga vence Taça das Regiões

Braga 2-1 Leinster & MunsterUm golo de José Fortunato ofereceu a Portugal o primeiro sucesso na mais importante prova amadora do Mundo.

A equipa de Braga festeja a conquista da Taça das Regiões da UEFA
©Sportsfile

Braga conquistou a 7ª edição da Taça das Regiões da UEFA, com um triunfo por 2-1 na final frente ao Leinster & Munster, disputada no Estádio Cidade de Barcelos, a valer a Portugal o primeiro sucesso na mais importante prova amadora do Mundo.

Tal como já havia sucedido no seu jogo anterior, Braga sofreu um susto madrugador, com Laurence Dunne a tentar a sua sorte de fora da área aos três minutos e a ver a bola embater na trave, isto depois de ainda ter sido desviada por Daniel Simões. Esse lance foi, contudo, uma excepção numa primeira meia-hora muito disputada, mas onde imperaram os passes errados e algum nervosismo de parte a parte.

Os anfitriões demoravam a entrar no seu ritmo e precisaram mesmo de esperar até aos 33 minutos para terem a primeira oportunidade para alvejar a baliza contrária. O lateral João Silva integrou-se bem no ataque e apareceu em zona privilegiada para fazer o 1-0, mas o seu remate de pé direito foi bem defendido pelo guarda-redes Brendan O'Connell.

A formação minhota ganhou confiança e assumiu o controlo da partida até ao intervalo, com Luís Ribeiro a ficar muito perto de desfazer o nulo aos 43 minutos. O extremo recebeu a bola no flanco direito e, depois de flectir para o meio, disparou colocado de pé esquerdo, valendo a Leinster & Munster a excelente defesa para canto de O'Connell. E quando o guarda-redes irlandês nada pôde fazer estava lá a barra para o proteger, com o impressionante trabalho individual de Pedro Nobre já nos descontos a deixar antever uma emocionante etapa complementar.

Gerry Smith não terá ficado satisfeito com o ascendente de Braga na recta final do primeiro tempo e mexeu na sua equipa ao intervalo, tendo Daniel Loughran acrescentado maior poder de choque ao meio-campo irlandês. Leinster & Munster voltava a equilibrar as operações e teve mesmo uma boa ocasião para se adiantar no marcador, decorria o minuto 53. David O'Sullivan cruzou bem da esquerda e proporcionou ao desmarcado David Lacey um perigoso cabeceamento que foi devidamente parado por Rui Vieira.

Braga parecia vacilar, mas, já com Renato Reis em campo, a qualidade individual dos seus jogadores voltou a fazer a diferença aos 62 minutos. Pedro Nobre captou a bola à entrada da área irlandesa e até parecia ter perdido o melhor ângulo para acertar com a baliza, mas o seu remate colocado de pé direito não deu hipóteses de defesa a O'Connell. A vantagem bracarense só durou, porém, seis minutos, já que Rui Vieira defendeu para a frente um livre de Ray Whelehan e David O'Sullivan não perdoou na recarga.

O encontro entrou na sua recta final, mas isso não fez abrandar o ritmo das duas equipas, com ambas à procura do golo que valia a conquista do troféu. E a felicidade acabou por bater à porta de Braga quando o cronómetro assinalava 84 minutos. José Fortunato cruzou da direita, mas a bola levou a direcção da baliza e só parou no fundo da baliza, perante a incredulidade da formação irlandesa. Garantido o mais díficil, Braga soube gerir a vantagem até ao apito final e fez a festa que tinha escapado por muito pouco em 2001.

Topo