Em nome da união

A quinta edição da Taça das Regiões, a principal competição da UEFA para equipas amadoras, chega ao seu clímax no próximo mês de Junho.

A quinta edição da Taça das Regiões, a principal competição da UEFA para equipas amadoras, chega ao seu clímax no próximo mês de Junho.

Destino: Bulgária
A Bulgária vai receber a fase final, com oito equipas a lutarem pela sucessão no quadro de honra da selecção amadora do País Basco, que venceu a fase final da última edição, realizada em 2005 na região de Malopolska, na Polónia. “Aqui temos vários rapazes de diversos países, que se juntam e fazem novos amigos”, indicou o presidente do Comité de Futebol Juvenil e Amador da UEFA, Jim Boyce, reflectindo sobre o ambiente verificado na última fase final. “Nessas circunstâncias, não há realmente perdedores”.

Campeões afastados
Os campeões em título já ficaram pelo caminho na presente temporada, não tendo conseguido passar no mini-torneio de um equilibradíssimo Grupo 1, juntamente com a finalista derrotada de 2005, a selecção amadora da República da Irlanda. A selecção amadora da região francesa da Basse-Normandie venceu essa “poule” e será, agora, uma das favoritas ao triunfo. “Estou orgulhoso por participar na Taça das Regiões”, indicou o treinador, Patrick Gonfalone. “É uma prova atractiva, que valoriza o futebol amador e as Ligas locais e regionais. Nunca esquecemos que defendemos a nossa camisola, as nossas cores, a nossa nação”.

Seis qualificados
Pensamentos semelhantes terão os membros de todas as outras equipas qualificadas para a fase final, sendo que são já cinco as apuradas: Aveiro (Portugal), Tuzla Canton (Bósnia-Herzegovina), Ivan Odessa (Ucrânia), Região Sudeste (Bulgária) e Dolnoslazski (Polónia). A constituição completa da fase final somente será conhecida quando se concluírem os mini-torneios dos Grupos 4 e 6, o que significa que, entre as finalistas, poderão constar equipas da República Checa, Inglaterra, Irlanda do Norte, Eslováquia, Geórgia, Suíça, Azerbaijão e Sérvia.

"É fantástico"
A fase final voltará a provar que a filosofia do futebol amador – jogar por amor e não por dinheiro – ainda está bem viva no futebol europeu. “Representa a maioria dos jogadores e dá-lhes a oportunidade que pensariam provavelmente nunca vir a ter”, disse Boyce. “Creio que é fantástico. Que continue por muito tempo”.

Topo