Combata a COVID-19 seguindo as indicações da Organização Mundial de Saúde e os cinco passos da FIFA para travar a propagação da doença.

1. Lavar as mãos 2. Tossir para o antebraço 3. Não tocar no rosto 4. Manter a distância física 5. Ficar em casa.
Mais informação >
 

A saga de Budziński

Tendo sido apelidado de Lance Armstrong polaco após ter vencido uma batalha contra o cancro, o médio do Arka Gdynia, Marcin Budziński, disse ao uefa.com que agora se quer transformar num novo Steven Gerrard.

Marcin Budziński conseguiu superar um cancro
Marcin Budziński conseguiu superar um cancro ©Arka Gdynia SSA

Tendo sido apelidado de Lance Armstrong polaco após ter vencido uma batalha contra o cancro, o médio do Arka Gdynia, Marcin Budziński, disse ao uefa.com que o seu objectivo passa agora por se transformar num novo Steven Gerrard.

Interesse nacional
A saga de Budziński encheu as primeiras páginas na Polónia desde o dia em que recebeu as piores notícias da sua vida. "Há um ano um médico disse-me que tinha cancro e que devia esquecer o futebol, porque a minha vida estava em sério risco", afirmou o jogador ao uefa.com. "Fiquei em estado de choque. Não podia acreditar que tinha uma doença tão grave aos 17 anos de idade. Foi um sentimento terrível, mas disse para mim mesmo: Vamos lá, tu podes vencer este batalha. E foi isso que fiz".

Dores de estômago
Considerado pelo treinador do Arka, Czesław Michniewicz, como um dos jogadores mais talentosos da sua geração, Budziński esteve quase a ver a sua carreira terminar ainda antes desta arrancar a sério. "Estava a jogar no campeonato polaco de juniores quando, de repente, comecei a sentir uma dor horrível no meu estômago", relembra. "Levaram-me para o hospital e fui operado, tendo sido detectado numa análise que tinha cancro. Não havia tempo a perder, pelo que iniciei imediatamente o tratamento. Nunca vou esquecer que a minha primeira sessão de quimioterapia aconteceu no dia do meu 17º aniversário", revelou.

Seguir Gerrard
Os médicos eram mais pessimistas do que Budziński, dizendo-lhe constantemente para deixar de pensar no futebol, mas o paciente tinha outras ideias. "O futebol é o amor da minha vida e eu estava determinado a regressar aos relvados", disse. "Após meses de intenso tratamento, recebi a notícia que estava à espera: tinha vencido o meu jogo mais difícil e os médicos permitiram que voltasse a jogar. Uma coisa é certa: nesse dia não havia ninguém no Mundo mais feliz que eu". Agora, Budziński quer seguir as pisadas do seu herói no futebol. "Tenho talento e vou fazer tudo para me afirmar. O meu herói é o Steven Gerrard. Como ele, tenho lutado e marcado grandes golos. Gostaria de escutar um dia que jogo tão bem como ele. Esse é mesmo o meu maior sonho".

Topo