Real Madrid 2-3 Barcelona: reacções e análise

"Não ficámos afectados nem nos estamos a afundar," garantiu Zinédine Zidane após a derrota por 3-2 ante o Barcelona que tirou o Real Madrid do topo da Liga espanhola: olhamos para o que siginificou.

Keylor Navas batido por Lionel Messi no golo da vitória do Barcelona, à beira do apito final
Keylor Navas batido por Lionel Messi no golo da vitória do Barcelona, à beira do apito final ©Getty Images

Lionel Messi bisou no Santiago Bernabéu e o Barcelona conseguiu uma épica vitória, por 3-2, em casa do Real Madrid, este domingo, de forma a manter-se bem na luta pelo título de campeão na Liga espanhola. O UEFA.com analisa o jogo, traz-lhe todas as reacções a avalia as consequências do resultado.

Messi volta a deixar marca
O astro argentino, melhor marcador de sempre do "Clásico", não festejava um golo ao Real Madrid desde 2014, mas escolheu o momento perfeito para voltar a vergar os madrilenos. Começou por furar por entre a defesa "merengue" para restabelecer a igualdade na partida, após Casemiro ter inaugurado o marcador e, depois, na última jogada do encontro, rematou de forma irrepreensível após passe atrasado de Jordi Alba, garantindo o triunfo com o seu mágico golo 500 pelo Barcelona, o 23º contra o Real Madrid.

"Messi consegue fazer a diferença mesmo quando está em casa a jantar," exultou Luis Enrique. Gerard Piqué acrescentou: "Uma vez mais, o melhor jogador do mundo de todos os tempos chegou aqui e ofereceu-nos uma grande exibição, um grande espectáculo."

O Barcelona levou a melhor com um golo de Messi ao cair do pano
O Barcelona levou a melhor com um golo de Messi ao cair do pano©AFP/Getty Images

A vez do Barça marcar no fim
Sergio Ramos tinha estragado a festa ao Barcelona no último "Clásico", em Dezembro, ao garantir ao Real Madrid um empate 1-1 em Camp Nou com um golo ao minuto 90. E muitos terão pensado que a história parecia destinada a não ser muito diferente desta feita, com James Rodríguez a marcar aos 86 minutos para o Real, para colocar o resultado em 2-2.

Porém, seis minutos mais tarde, o Real viu o feitiço virar-se contra o feiticeiro e, ao mesmo tempo, a sua vantagem de três pontos no topo da Liga espanhola desvanecer-se, fruto do brilhante remate saído do pé esquerdo de Messi. "De certa forma, fizemo-los provar um pouco do seu próprio veneno," destacou Luis Enrique. "E assim tem um sabor especial para nós."

Veja os 100 primeiros golos de Ronaldo nas provas europeias
Veja os 100 primeiros golos de Ronaldo nas provas europeias

Corrida ao título ao rubro até ao fim
Barcelona e Real seguem agora empatados com 75 pontos no topo da tabela, mas com vantagem para os "blaugrana" no confronto directo entre as duas equipas.

O Real Madrid, contudo, tem um jogo em atraso – um encontro com o Celta Vigo, reagendado para Maio – e depende só de si para conquistar o título de campeão que lhe foge desde 2012, podendo dar-se ao luxo de empatar um dos jogos que lhe falta disputar até ao final da época na Liga espanhola se vencer todos os outros. Porém, o calendário dos "merengues" não parece nada fácil: quatro deslocações e jogos em casa contra Valência e Sevilha, as outras duas equipas que, para além do Barça, derrotaram o Real Madrid na prova esta temporada.

A formação de Zinédine Zidane tem ainda de dividir atenções com o embate das meias-finais da UEFA Champions League com o Atlético, o que significa que até ao final da presente edição da Liga espanhola vai ter de disputar mais nove jogos, contra apenas seis do Barcelona. A equipa de Luis Enrique, ainda assim, também terá alguns encontros complicados pela frente: uma longa viagem até ao terreno do Las Palmas e um derby catalão em casa do Espanhol, para além de sempre complicadas recepções a Villarreal e Eibar.

Veja o hat-trick de Ronaldo e os outros melhores momentos do Real Madrid-Bayern
Veja o hat-trick de Ronaldo e os outros melhores momentos do Real Madrid-Bayern

Real Madrid abatido, mas longe de estar derrubado
O Real Madrid não se sagra campeão espanhola há cinco anos, mas teria ficado com a meta à vista em caso de vitória sobre o Barcelona neste domingo. A derrota sofrida constitui um duro golpe, mas certamente não um golpe devastador.

"É um resultado duro, pois podíamos ter deixado a questão praticamente arrumada," reconheceu Ramos, que foi expulso à passagem do minuto 77. "Não conseguimos o resultado que pretendíamos, mas a vantagem continua a estar do nosso lado. Continuamos a depender só de nós e estou certo de que vamos acabar por vencer a Liga."

Zidane também reconheceu que os "merengues" terão agora uma dura batalha pela frente na luta pelo título, mas garantiu que continua a acreditar que será a sua equipa a sorrir no fim. "Não ficámos afectados nem nos estamos a afundar," assegurou. "A luta pelo título vai ser muito apertada até ao fim e vamos ter de dar tudo até ao fim, mas acredito nos meus jogadores e vamos conseguir atingir os nossos objectivos."

Topo