O que Jorge Jesus tem para oferecer ao Sporting

Jorge Jesus trocou o Benfica pelo Sporting, onde terá a difícil missão de levar o clube de volta aos dias de glória: o UEFA.com analisa o que poderá trazer de novo aos "leões".

Jorge Jesus acena aos adeptos durante a apresentação oficial como treinador do Sporting
Jorge Jesus acena aos adeptos durante a apresentação oficial como treinador do Sporting ©AFP/Getty Images

Era um cenário que poucos podiam imaginar quando, a 31 de Maio, o Sporting Clube de Portugal festejou a conquista da Taça de Portugal, o seu primeiro troféu de relevo desde 2008. A verdade é que, poucos dias depois, o presidente Bruno de Carvalho anunciou a saída do treinador Marco Silva - ainda com mais três anos de contrato - e a chegada para o seu lugar de Jorge Jesus, em final de contrato com o rival SL Benfica, que tinha acabado de guiar ao bicampeonato.

O técnico foi esta quarta-feira formalmente apresentado como novo treinador principal dos "leões" e o UEFA.com olha para o que este pode trazer de novo a um clube apostado em voltar a conquistar o título de campeão nacional, que lhe escapa há já 13 anos.

Experiência e conhecimento
Com uma carreira como treinador já com mais de 30 anos, Jesus é um dos mais respeitados técnicos do futebol português. Quando chegou ao comando do Benfica, no início da temporada de 2009/10, muitos levantaram dúvidas, questionando a sua inexperiência à frente de equipas que lutassem pelo título. Porém, agora que assume o leme do Sporting – clube que ele e o seu pai representaram como jogadores – tal questão já não se coloca, depois de todos os troféus que conquistou como treinador das "águias".

Esse conhecimento pode revelar-se fundamental num Sporting que, apesar de alguns momentos de bom futebol, acusou inexperiência em momentos decisivos da última época, bem patente, por exemplo, nos vários golos sofridos ao cair do pano que custaram caro aos "leões", tanto a nível interno como na UEFA Champions League.

Jorge Jesus e a sua energia contagiante
Jorge Jesus e a sua energia contagiante©AFP/Getty Images

Hábito de vitória
Em seis épocas no Benfica, Jesus conquistou três títulos de campeão, uma Taça de Portugal e cinco Taças da Liga. Para um Sporting que, nos últimos tempos, parece ter perdido o hábito de vitória - com apenas dois títulos de campeão conquistados desde o virar do milénio, o último dos quais em 2002 - a chegada de um treinador ganhador como Jesus pode significar um ponto de viragem. "Está na hora de caminharmos todos juntos e perceber que o mais importante é o Sporting. Está na hora de nos assumirmos como candidatos a ganhar todos os títulos em Portugal", afirmou na apresentação aos adeptos. " Temos de acordar o 'leão' adormecido."

Potenciar os recursos
"Há qualidade para trabalhar", foram as primeiras palavras que Jorge Jesus proferiu depois de regressar de férias e visitar pela primeira vez a Academia do Sporting. Ao longo do período que passou no comando do Benfica, o treinador ganhou a fama de conseguir desenvolver ao máximo o potencial dos jogadores, sobretudo de jovens vindos do estrangeiro. Pela sua mão passaram jogadores como Angel Dí Maria, Ramires, Nemaija Matić, Jan Oblak, André Gomes ou Lazar Marković que, sob as suas ordens, mostraram uma qualidade de jogo de tal forma elevada que valeram ao Benfica vendas por valores astronómicos.

Num Sporting conhecido pela qualidade da sua formação, Jesus talvez se veja obrigado a olhar mais para os produtos da Academia, mas serão muitos os jovens talentos à sua disposição - efectivamente, da selecção de Sub-21 de Portugal que recentemente ficou no segundo posto do Europeu na República Checa, sete jogadores fazem parte dos quadros da turma "verde-e-branca", que colocou ainda mais quatro atletas na selecção de Sub-20 que atingiu os quartos-de-final do recém-disputado Mundial da Nova Zelândia. Se o técnico conseguir fazer com estes jogadores o que fez com os do Benfica, o Sporting irá certamente dar um passo em frente.

Jesus precisa de fazer do Sporting uma equipa mais consistente a jogar em casa
Jesus precisa de fazer do Sporting uma equipa mais consistente a jogar em casa©Getty Images

Ímpeto competitivo
Ver Jorge Jesus no banco de suplentes durante um jogo é um espectáculo dentro do espectáculo. A adrenalina que o técnico  sente pela competição ao longo dos 90 minutos é contagiante e ajudará certamente a conferir ímpeto competitivo a uma equipa do Sporting que tem tido como um dos principais problemas ao longo dos últimos anos o facto de parecer adormecer misteriosamente durante largos momentos em alguns encontros. A forma de estar de Jesus durante os jogos poderá ser decisiva para dar aos jogadores do Sporting o impulso de que estes necessitam para irem mais além.

Tácticas, consistência e Alvalade como uma fortaleza
O Sporting está, há largos anos, habituado a jogar em 4-3-3, mas Jesus é um adepto do 4-4-2. Foi com esse sistema que conduziu o Benfica a tantos sucessos ao longo das últimas temporadas, tendo sempre por base uma solidez defensiva assinalável que lhe garantia uma consistência notável nos jogos em casa, temporada após temporada. Conseguir fazê-lo agora no Sporting significará uma melhoria imediata para um clube que na última época deixou escapar pontos importantes no Estádio José Alvalade. Um primeiro indicador sobre como tudo se poderá desenrolar chegará já em Agosto, mês em que o Sporting mede forças com o Benfica na SuperTaça, antes de embarcar para o importante "play-off" da UEFA Champions League.

Topo