De líder à desilusão: Como perder um título quase anunciado

"É um pesadelo", disse Frank de Boer, depois de o Ajax ter oferecido o título holandês ao PSV no domingo - o UEFA.com recorda derradeiros dias que não correram como esperado.

O capitão do Ajax, Davy Klaassen, após o empate do De Graafschap
O capitão do Ajax, Davy Klaassen, após o empate do De Graafschap ©AFP

O UEFA.com relembra com perplexidade algumas equipas que desperdiçaram vantagens pontuais confortáveis no topo dos respectivos campeonatos e acabaram por perdê-los.

Ajax (Holanda 2015/16)
Empatado em pontos com o PSV mas à frente na diferença de golos, o líder Ajax disputou o último jogo do campeonato na casa do antepenúltimo classificado, o De Graafschap, a precisar de um triunfo para garantir o quinto título sob o comando de Frank de Boer. No entanto, apesar de ter feito o 1-0 aos 16 minutos, por Amin Younes, o gigante de Amesterdão empatou 1-1 e entregou o troféu ao seu rival, que ganhou 3-1 na casa do Zwolle. "É um pesadelo. Não conseguimos conquistar o título", disse o treinador dos "lanceiros".

FC Zenit (Rússia, 2013/14)
Líder no final da primeira volta, o Zenit perdeu a liderança por duas vezes na Primavera. Uma série de sete jogos sem ganhar permitiu ao FC Lokomotiv Moskva ascender ao primeiro lugar, mas – após a saída de Luciano Spalletti – o Zenit encetou uma recuperação sob as ordens de André Villas-Boas, regressando ao topo já na recta final, mas perderia o título na penúltima jornada, com uma derrota caseira por 3-0 com o FC Dinamo Moskva. "Casos assim são raros, mas este foi um deles", concluiu Villas-Boas.

Real Madrid CF (Espanha, 2003/04)
"Não podemos permitir-nos outro ano como este", disse o presidente Florentino Pérez, que demitiu o treinador Carlos Queiroz após um final da época 2003/04 verdadeiramente terrível. "A nossa ética de trabalho, esforços e sonhos têm de ser maiores do que as nossas desilusões." Queiroz rendera Vicente del Bosque e a sua equipa tinha oito pontos de avanço decorridas 26 jornadas. Contudo, a derrota na Taça de Espanha provocou enorme colapso: o Real Madrid perdeu sete dos últimos dez jogos da Liga espanhola – incluindo os últimos cinco – e acabou a prova no quarto lugar a sete pontos do campeão Valencia CF.

FC Internazionale Milano (Itália, 2001/02)
O Inter de Héctor Cúper tinha seis pontos de vantagem sobre a Juventus com cinco jornadas por disputar na Serie A na época de 2001/02. No entanto, soçobrou na recta final. A precisar de vencer a SS Lazio na última jornada para reconquistar o título, os "nerazzurri" perderam por 4-2 e o triunfo da Juventus por 2-0 sobre a Udinese Calcio valeu o "scudetto" ao conjunto de Turim. As imagens de Ronaldo, do Inter, banhado em lágrimas em Roma acabariam por definir a situação. "Numa questão de segundos, os nossos sonhos caíram por terra", disse o brasileiro, "ultrapassados pela realidade, que parece ainda mais difícil de acreditar."

Newcastle United FC (Inglaterra, 1995/96)
A sugestão de Alex Ferguson de que as outras equipas da Premier League se haviam esforçado mais frente ao Manchester United do que o tinham feito perante o líder Newcastle marcou o declínio dos "magpies" de Kevin Keegan. "Adorarei se os batermos. Absolutamente, adorarei", confessou, numa conhecida "flash interview" após um jogo. Contudo, as esperanças do Newcastle no primeiro título inglês desde 1927 já começavam a esmorecer; com 12 pontos de avanço sobre o United em Janeiro, acabaria no segundo lugar a quatro pontos de distância do rival.

Stade de Reims (França, 1955/56)
O tricampeão Reims – então denominado "Le Grand Reims" (O Grande Reims) – parecia rumar ao quarto título gaulês consecutivo em 1955/56 e chegou a meio caminho empatado com o OGC Nice. Contudo, enquanto a equipa da Riviera continuou a mostrar consistência, o Reims bloqueou e perdeu dez dos restantes 17 jogos, acabando no 10º lugar da classificação. O motivo? Os directores do clube apontaram baterias para a edição inaugural da Taça dos Clubes Campeões Europeus: o Stade Reims perdeu na final, por 4-3, com o Real Madrid CF.

*Maiores sequências de jogos sem sofrer golos nas principais divisões da Europa nos últimos 20 anos
19: Rakovski Ruse (Bulgária, 1996/97)
16: Laçi (Albânia, 2004/05)
15: Khazar (Azerbaijão, 2015/16)
15: Interas Visaginas (Lituânia, 2007)
12: Djerzelez (Bósnia e Herzegovina, 2000/01)
12: Tom Tomsk (Rússia, 2011/12)
11: Kom (Montenegro, 2009/10)
11: Principat (Andorra (2013/14)
11: Apolonia (Albânia 2014/15)
10: Sokół Tychy (Polónia 1996/97)
10: Köln (Alemanha, 2001/02)
10: Zlín (República Checa, 1995/96)
10: CSKA Sofia (Bulgária, 2014/15)

Topo