Roménia de luto por Nunweiller

Ion Nunweiller, pilar do Dínamo Bucareste e campeão como jogador na Roménia e na Turquia, antes de se tornar treinador de sucesso, faleceu aos 79 anos.

O antigo defesa romeno Ion Nunweiller representou o Dínamo como jogador, treinador e conselheiro
O antigo defesa romeno Ion Nunweiller representou o Dínamo como jogador, treinador e conselheiro ©FRF

O futebol romeno está de luto pela morte de Ion Nunweiller, vencedor do campeonato romeno como jogador e treinador ao serviço do FC Dinamo Bucureşti, clube ao qual também passou a alcunha de "cães vermelhos".

Nunweiller, que faleceu com 79 anos, foi uma das grandes figuras da história do Dínamo Bucareste. Ingressou no clube da capital em 1951, com 15 anos, e ao longo de dois períodos (1956–68 e 1970–72), efectuou um total de 279 jogos no campeonato, com 19 golos marcados. As suas qualidades como defesa internacional pela Roménia, com 40 internacionalizações, ajudaram o Dínamo Bucareste a vencer cinco campeonatos e três Taças da Roménia. Mais tarde, viria a tornar-se um treinador de sucesso no clube, com o qual conquistou três títulos de campeão nacional.

O emblema de Bucareste também deve a sua alcunha de "cães vermelhos" a Nunweiller, que juntamente com o seu irmão Lică, outra figura de proa do Dínamo Bucareste, tinham sido assim apelidados devido ao seu cabelo ruivo e, no calor da luta, à face vermelha.

Veterano de 26 jogos nas competições europeias de clubes com a camisola do Dínamo Bucareste, o defesa teve ainda a distinção de ser o primeiro jogador romeno ilustre a receber autorização do regime comunista para alinhar no estrangeiro, no Fenerbahçe SK (1968–1970). Em Istambul, ganhou um campeonato e uma Taça da Turquia, sendo eleito como o melhor jogador estrangeiro em 1969/70.

Para além das passagens bem sucedidas como treinador no Dínamo Bucareste, levou o FC Ceahlăul Piatra Neamţ à primeira divisão, entre outros compromissos na qualidade de técnico. Entre 1996 e 1998 foi seleccionador da equipa feminina da Roménia, antes de se retirar em 1999. Mais tarde, foi conselheiro do seu adorado Dínamo Bucareste.

Topo