Inter vence Palermo na final da Taça de Itália

Samuel Eto'o apontou dois golos antes de Diego Milito marcar nos últimos minutos do triunfo do Inter sobre o Palermo na final da Taça de Itália, por 3-1, em Roma.

O Inter venceu a Taça de Itália pela quarta vez em sete anos
O Inter venceu a Taça de Itália pela quarta vez em sete anos ©Getty Images

O FC Internazionale Milano bateu o US Città di Palermo, por 3-1, e venceu a final da Taça de Itália disputada em Roma, com Leonardo a conquistar o primeiro troféu como treinador.

Samuel Eto'o marcou dois golos muito semelhantes, um em cada parte do encontro disputado no Stadio Olimpico. Ezequiel Muñoz reduziu a desvantagem dos sicilianos nos últimos minutos, mas foi expulso, antes de Diego Milito estabelecer o resultado final. O sétimo triunfo do Inter na Taça de Itália surge com um prémio de consolação para uma época em que o clube perdeu os títulos da Serie A e da UEFA Champions League.

O Palermo começou o jogo ao ataque, com a Abel Hernández a rematar com muito perigo às malhas laterais. Júlio César foi obrigado a sair da baliza aos 20 minutos para negar o golo a Javier Pastore, que surgiu isolado após uma boa tabela com Josip Iličič.

O clube siciliano continuou a dominar, mas foi o Inter que inaugurou o marcador, aos 26 minutos, quando Wesley Sneijder fez um passe pelo meio da defesa e desmarcou Eto'o, que bateu Salvatore Sirigu com um remate rasteiro bem colocado.

O golo não alterou a tendência do jogo, com o Palermo a continuar a pressionar. Júlio César fez uma defesa sensacional para desviar um remate de Hernández, que sofreu um desvio em Cristian Chivu, e voltou a negar o golo ao uruguaio a dois minutos do intervalo.

Júlio César fez mais uma boa defesa para evitar um cabeceamento à queima-roupa de Fabrizio Miccoli, à passagem da hora de jogo, e Chivu realizou um corte oportuno para evitar um remate de Hernández de entrar na baliza, após mais uma assistência brilhante de Pastore. Tal como tinha acontecido na primeira parte, o Inter marcou contra a corrente do jogo, com Sneijder a voltar a servir Eto'o, para o camaronês rematar rasteiro e fazer a bola entrar junto ao poste mais distante.

Num final frenético, Muñoz reduziu a desvantagem com um cabeceamento, após um pontapé de canto marcado por Miccoli, mas foi expulso no minuto seguinte, devido a uma falta sobre Goran Pandev, que seria o autor do cruzamento da esquerda que permitiu a Milito fazer o 3-1.

"Estou contente porque jogo futebol para conquistar títulos e a época de 2010/11 teria sido menos positiva se não tivéssemos conquistado qualquer troféu. Foi um jogo fantástico e estamos felizes por os adeptos das duas equipas terem gostado do espetáculo. Eles vêm aqui para assistir a bons jogos e foi isso que lhes proporcionámos", afirmou Eto'o.

Topo