O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Jogos da UEFA Champions League e UEFA Europa League com forte mensagem contra o racismo

Os jogos desta semana da UEFA Champions League e da UEFA Europa League vão destacar a luta contra todas as formas de discriminação nos estádios de futebol.

Galhardete da campanha Não ao Racismo
Galhardete da campanha Não ao Racismo ©Getty Images

050 - Jogadores apoiam campanha da UEFA contra o racismo nos próximos jogos

A mensagem na terceira jornada da UEFA Champions League e da UEFA Europa League é sonante e clara: não há lugar para o racismo, discriminação e intolerância no futebol. A UEFA Champions League e a UEFA Europa League vão destacar esta semana a luta contra todas as formas de discriminação nos estádios de futebol em toda a Europa, com a UEFA a apoiar totalmente a maior campanha anti-discriminação do continente, nas Semanas de Acção da FARE (Futebol Contra o Racismo na Europa).

Pela primeira vez, a campanha foi lançada em jogos de equipas nacionais, e a segunda e terceira jornadas das eliminatórias europeias também foram dedicadas à luta contra o racismo. Em 40 partidas em todas as prestigiadas competições de clubes da UEFA e em 54 eliminatórias europeias, o compromisso da UEFA para assegurar que o futebol europeu está livre do racismo e da intolerância será enfatizada através de actividades que serão testemunhadas por milhares de adeptos nos estádios e milhões na televisão. Muitos clubes também irão implementar actividades adicionais durante a semana, mostrando o seu forte apoio a esta causa.

O "spot" de TV da UEFA "Não ao Racismo" será exibido em estádios, anúncios especiais serão transmitidos por altifalantes dos recintos com mensagens impressas em programas de jogos, incentivando os adeptos para se juntarem à luta contra o racismo no futebol. As equipas também serão acompanhadas em campo por crianças vestindo t-shirts alusivas e os capitães serão convidados a usar uma braçadeira com a marca "Não ao Racismo". O "spot" de TV será exibido pelas estações detentoras dos direitos de transmissão na Europa, insistindo na mensagem de anti-discriminação perante milhões de telespectadores.

O presidente da UEFA, Michel Platini, afirmou: "A UEFA, as federações-membro e o seu parceiro de longa data, Fare, partilham um desejo inabalável de enfrentar todas as formas de discriminação no nosso desporto e querem ajudar a acabar com esse tipo de comportamento em toda a Europa. Impulsionados por essa determinação, aprovámos uma resolução sobre esta questão no Congresso da UEFA em Maio de 2013 com o objectivo de enviar uma mensagem forte como parte da nossa luta contra o racismo. Vamos também continuar a usar a campanha 'Não ao Racismo' para mostrar o nosso compromisso em garantir que o futebol é tolerante e inclusivo para pessoas de todas as raças, origens e crenças."

O director-executivo da Fare, Piara Powar, disse: "Estamos orgulhosos de que as Semanas de Acção sejam hoje a actividade com a maior mensagem social do desporto, com o envolvimento de pequenos grupos de base para alguns dos maiores clubes da Europa, através da UEFA Champions League e da UEFA Europa League, bem como as eliminatórias europeias. O tema 'Futebol Popular’ reflecte a mensagem de unidade e de inclusão que é fundamental para nós daqui para frente. O apoio da UEFA tem sido vital para transmitir a nossa mensagem a uma audiência global do futebol."

O futebol europeu está unido em torno da mensagem anti-discriminação: a campanha da UEFA Não ao Racismo destaca a resolução anti-racismo adoptada no Congresso da UEFA, em Maio de 2013, quando todas as federações filiadas na UEFA se comprometeram a intensificar os seus esforços para eliminar o racismo do futebol e imporem sanções mais rigorosas às manifestações racistas. A resolução inclui incentivar árbitros para interromper, suspender ou até mesmo dar por terminado um jogo na sequência de incidentes racistas; a imposição de dez jogos de suspensão a qualquer jogador ou dirigente de equipa considerada culpada de conduta racista; e encerramento dos estádios se os adeptos se envolverem em comportamentos racistas. Regulamentos disciplinares da UEFA também foram revistos para incluir sanções mais duras contra o racismo.

Para saber mais sobre as actividades das Semanas da Acção da FARE, visite farenet.org.

Para mais informações sobre a campanha da UEFA Não ao Racismo, consulte UEFA.org.