O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Cheque de solidariedade da UEFA para a NSPCC

A Unidade de Protecção de Crianças no Desporto (CPSU) da Sociedade Nacional de Prevenção de Maus Tratos a Crianças do Reino Unido (NSPCC) recebeu o Prémio de Solidariedade UEFA.

Cheque de solidariedade da UEFA para a NSPCC
Cheque de solidariedade da UEFA para a NSPCC ©UEFA.com

O Prémio de Solidariedade UEFA Mónaco 2014 vai apoiar um importante trabalho de protecção das crianças no desporto. O Presidente da UEFA, Michel Platini, entregou o cheque de um milhão de euros a Anne Tiivas, directora da Unidade de Protecção de Crianças no Desporto ( CPSU ) da Sociedade Nacional de Prevenção de Maus Tratos a Crianças do Reino Unido ( NSPCC ), esta quinta-feira, no Mónaco. Presente este o Príncipe Alberto II do Mónaco.

O CPSU da NSPCC trabalha para assegurar que as crianças conhecem os seus direitos no desporto. Os assuntos com que o desporto tem que lidar vão desde casos graves de abuso sexual a maus tratos diários de crianças que acontecem numa cultura que não as escuta ou entende as suas prioridades. O trabalho que esta organização realiza com 200 organizações desportivas nacionais e em diversas parcerias desportivas está ao serviço das dez milhões de crianças que praticam desporto no Reino Unido.

O Presidente da UEFA, Michel Platini, afirmou: "Todos os anos o Prémio do Mónaco doa um milhão de euros a uma organização desportiva ou de solidariedade como forma de as ajudar a cumprir a sua missão. A UEFA considera que todas as crianças, independentemente da sua condição social ou do local onde vivem, devem ter a possibilidade de jogar futebol. O importante trabalho realizado pela NSPCC garante um requisito básico para isso, um ambiente seguro que permita às crianças desfrutarem do desporto. A NSPCC tem trabalhado de forma incansável para terminar com a crueldade sobre as crianças e espero que esta contribuição venham ajudar a sua causa de forma significativa. Parabéns, temos certeza que este trabalho vai continuar a fazer a diferença na vida de muitas crianças."

O Prémio de Solidariedade UEFA Mónaco vai ser usado para aumentar a oferta e o divulgação dos serviços prestados pela CPSU da NSPCC às crianças e aos pais no desporto. Também irá divulgar a campanha da NSPCC com organizações desportivas europeias e internacionais, para além de aconselhar boas práticas e abordagens eficazes para manter as crianças seguras no desporto.

"Estamos muitos satisfeitos por receber este prémio", explicou Anne Tiivas. "O Prémio de Solidariedade UEFA Mónaco vai permitir dar sequência ao trabalho que temos vindo a realizar com crianças, pais e todos os que estão envolvidos no futebol de forma a criar o melhor ambiente possível para as nossas crianças."

"O tipo de problemas que o futebol vive são basicamente os mesmos dos outros desportos, mas há algumas coisas que acontecem no futebol, ou que são mais frequentes no futebol, que temos vindo a tentar combater da melhor forma. Um dos problemas que é prioritário resolver no futebol é o comportamento dos pais quando assistem aos jogos."

"Sabemos que todos queremos ver os nossos filhos a ter sucesso no desporto, mas pode ser um pouco excessivo querer que uma criança de cinco anos seja o próximo Lionel Messi ou Cristiano Ronaldo. Uma das coisas que fazemos é trabalhar com as entidades do futebol para tentar melhorar o comportamento dos pais e fazer que entendam o impacto que o seu comportamento tem sobre os filhos."

Graeme Le Saux, antigo internacional e membro do conselho consultivo de inclusão da Federação Inglesa de Futebol (FA), afirmou: "É um direito fundamental de qualquer criança poder jogar futebol num ambiente seguro. Todos nós no futebol temos uma responsabilidade para com as crianças, do futebol de 'raízes' às competições de topo."

"A UEFA e FA têm vindo a fazer um trabalho fantástico com as campanhas Respeito para derrubar barreiras entre as atitudes de certas pessoas e aquilo que esperamos delas no contexto do futebol. Considero que educar as pessoas é um processo longo. Se essa educação transmitir uma mensagem consistente ao longo de um certo período de tempo e abordar questões específicas nessa mensagem, todos temos oportunidade de evoluir e continuar a melhorar a igualdade no desporto que todos amamos."

O CPSU da NSPCC trabalha com 200 organizações desportivas nacionais e em parcerias desportivas nos diversos condados de Inglaterra, País de Gales e Irlanda do Norte. Este trabalho motivou uma mudança cultural, com políticas e procedimentos que visam garantir que as crianças são protegidas e que as suas vozes são ouvidas na organização. A FA trabalha com o NSPCC há 15 anos. Esta cooperação resultou num curso de protecção específico, aprovada pela NSPCC e CPSU, e obrigatória para todas as pessoas que trabalham com a FA no futebol. Desde 1999, 450 mil pessoas tiveram formação no programas de protecção de crianças da FA.