Abordagem única sobre estádios e segurança

A Conferência UEFA-UE sobre Estádios e Segurança, em Varsóvia, tornou-se num importante canal de diálogo neste sector, pois abordagem única e determinada é fundamental para o êxito e o progresso.

Jo Vanhecke (Conselho da Europa) no discurso na conferência sobre segurança
Jo Vanhecke (Conselho da Europa) no discurso na conferência sobre segurança ©UEFA

Os benefícios de uma abordagem internacional única, coordenada e determinada em relação à segurança nos jogos de futebol estiveram em destaque na Conferência UEFA-UE sobre Estádios e Segurança, em Varsóvia

O presidente do comité permanente sobre a violência dos espectadores do Conselho da Europa, Jo Vanhecke, conversou com os especialistas em segurança presentes na conferência e explicou que o único caminho é as principais partes interessadas trabalharem em conjunto de forma a garantir que os adeptos podem desfrutar dos jogos num ambiente seguro.

Vanhecke recordou que, até há poucos anos, uma abordagem integrada a nível internacional parecia ser um objectivo inatingível, com governos, autoridades policiais e do futebol a culparem-se mutuamente por não assumirem as suas responsabilidades.

"O grupo de reflexão da UE, a UEFA e o comité permanente do Conselho da Europa têm desenvolvido ao longo dos últimos anos uma abordagem multi-institucional conjunta e integrada sobre serviços e segurança nos jogos de futebol", recordou. "Já não nos culpamos uns aos outros, porque temos a noção que só podemos avançar em conjunto.”

"Juntos, a UEFA, o grupo de reflexão e o Conselho da Europa determinaram os princípios fundamentais de uma estratégia integrada, baseada nas boas práticas europeias. Ao nível nacional, as autoridades devem assumir as suas responsabilidades e adoptar um enquadramento jurídico adequado. O vandalismo é um crime e deve ser tratado como tal, por uma estratégia de exclusão eficiente e liderada pelos governos. Isto irá permitir que clubes, federações nacionais e a UEFA se concentrem na sua principal responsabilidade, assegurar que os jogos são seguros e acolhedores para a esmagadora maioria dos adeptos."

Vanhecke apelou à vigilância de todos as partes ligadas à segurança no futebol, alertando que ninguém deve repousar sobre os louros conquistados. "Porquê que tanta gente acredita, em silêncio, mas de forma sincera, que é impossível acontecer um desastre no seu estádio?", perguntou. "Porquê que tantas saídas de emergência continuam a estar trancadas? Porquê que continuamos a ver tantas bancadas sobrelotadas? Temos de pensar que incidentes podem e vão acontecer, mas não conseguimos assumir que não estamos preparados para eles. 'Esperar o inesperado' devia ser um dos nossos principais lemas."

"Não sejamos ingénuos," continuou Vanhecke. "Todos sabemos que um reduzido número de adeptos podem estragar a festa à grande maioria dos adeptos. Não nos esqueçamos que a maioria dos adeptos já é principal vítima desta minoria de pessoas que está entre eles. O futebol é um desporto bonito, o mais popular no mundo. O futebol deve unir e trazer alegria. Não deve dividir ou provocar sofrimento. Este é um desafio para todos nós. Nunca é um bom sinal quando alguns vândalos estão no centro das atenções, quando as acções policiais estão nas primeiras páginas. Só teremos criado as circunstâncias ideais para o futebol ser a prioridade quando os adeptos se sentirem bem-vindos e não recearem pela sua própria segurança ou dos seus entes queridos."

Para além de “workshops” e debates, foram organizados vários painéis na conferência que contaram com a participação de especialistas em diversas áreas, que abordaram uma ampla gama de questões e geraram temas de reflexão e ideias para os delegados levarem para os organismos que representam. Entre os temas abordados estiveram as redes sociais, como um meio fundamental de comunicação entre os adeptos, mas também como uma forma das autoridades policiais e dos clubes comunicarem com eles. A utilização da sofisticada tecnologia de CCTV como ferramenta de vigilância e recolha de provas, o desenvolvimento de estratégias de exclusão de indivíduos que causaram problemas ou distúrbios em jogos e planos de contingência de segurança nos estádios eficazes.

A cimeira UEFA-UE foi saudada como um meio cada vez mais decisivo para a troca de opiniões, busca de soluções e desenvolvimento de estratégias. "A UEFA é, desde há vários anos, um parceiro empenhado na organização desta conferência anual, que é única neste sector", destacou Michael van Praag, membro do Comité Executivo da UEFA. "Permite reunir clubes, polícias e federações nacionais de toda a Europa para discutir questões actuais que afectam os estádios e a segurança nas competições europeias."

"Quantas conferências conseguem reunir 300 pessoas que trabalham diariamente na segurança de jogos futebol", questionou Vanhecke. "Estamos a partilhar informações e boas práticas. Estamos aqui para aumentar a exigência e aprender com as boas e más experiências. Se trabalharmos em conjunto tenho a certeza que o futebol voltará a ser o centro das atenções."

Topo