Experiência como jogadora preciosa para Albon

Teodora Albon vai dirigir a final da UEFA Women's Champions League e falou ao UEFA.com sobre os preparativos antes de um jogo, destacando que a sua experiência como atleta é ajuda preciosa.

Teodora Albon em Stamford Bridge antes da final
Teodora Albon em Stamford Bridge antes da final ©Sportsfile

Uma conversa animada no balneário é fundamental para preparar um grande jogo, reconhece Teodora Albon, a árbitra que vai dirigir a final da diz UEFA Women's Champions League.

A antiga internacional romena vai dirigir o encontro entre VfL Wolfsburg e Olympique Lyonnais, em Stamford Bridge, na quinta-feira à noite, isto depois de já ter arbitrado jogos importantes como a final do Campeonato Europeu Feminino de Sub-19. Albon considera que a sua experiência como praticante é uma grande ajuda para dirigir um jogo, mas também confessou ao UEFA.com que beneficia do facto de ser casada com Mirel Albon, um antigo treinador, seleccionador feminino de sub-19 da Roménia e ainda árbitro.

UEFA.com: O que significa a honra de ser escolhida para arbitrar a final?

Teodora Albon: A final é uma grande honra. Estou orgulhosa, é um grande sucesso para mim. Amanhã só quero desfrutar do jogo. É um encontro muito importante para mim e para a minha equipa. Quero pensar que é apenas o início.

UEFA.com: Num dia de jogo, são 18h30 ou 19h00, está no balneário, o ambiente é tranquilo com as suas assistentes? Falam muito? Ouvem música? Qual é normalmente o ambiente?

Albon: Vocês sabem como são as mulheres, o silêncio não é a nossa especialidade. Antes de um desafio é normal falar sobre o jogo, sobre o que pode acontecer, e meia-hora antes do início, ou um pouco mais cedo, tentámos ficar concentradas, ficamos mais sérias e só falamos sobre o encontro. Tento motivá-las, ficar perto delas. Também tentamos manter as nossas emoções sob controlo, isto é o mais importante para amanhã, porque é um jogo muito importante para nós. Considero que a única preocupação é controlar as nossas emoções.

UEFA.com: Num grande jogo como este, gostaria de ter uma decisão difícil para tomar nos primeiros minutos, para afirmar a sua autoridade no encontro?

Albon: Não sei, espero tudo de um jogo deste tipo, podemos ter de tomar uma decisão importante nos primeiros segundos. Estamos prontas, temos de estar preparadas do início até ao fim, mesmo que o jogo tenha prolongamento ou desempate. Estamos lá para fazer o nosso trabalho, dar o nosso melhor, por isso estamos prontas para tudo amanhã.

UEFA.com: Não é normal a este nível que um árbitro tenha sido jogador de alta competição, como no seu caso. Considera que isso a ajuda como árbitra?

Albon: Sim, claro, essa é a minha grande vantagem. Sempre disse que por ter jogado futebol, é mais fácil pensar como um jogador, antecipar o que quer fazer em campo. Considero que isso é uma grande vantagem.

UEFA.com: O seu marido foi árbitro e treinador, isso é mais uma ajuda para si?

Albon: Sim, com certeza. Ele foi meu treinador há muitos anos e também foi árbitro-assistente da primeira categoria na Roménia, pelo que ajudamo-nos mutuamente. Continua a ser o meu mentor, ele é muito rigoroso e, sempre que cometo um erro, é a primeira pessoas a apontá-lo. Como estamos os dois nesta vida, é muito bom poder falar sobre os nossos problemas, os nossos erros, e podermo-nos corrigir um ao outro.