Compromisso da UEFA para um EURO 2020 amigo do ambiente

A UEFA reforçou o seu compromisso de combater as alterações climáticas, procurando compensar as mais de 400.000 toneladas de carbono que serão produzidas no torneio do próximo Verão.

A UEFA está empenhada em garantir que o EURO 2020 seja sustentável e compatível com o ambiente
A UEFA está empenhada em garantir que o EURO 2020 seja sustentável e compatível com o ambiente ©UEFA.com

Organizar um UEFA EURO em 12 países diferentes, abrangendo quatro fusos horários e várias línguas, é um grande desafio, sobretudo no que diz respeito ao impacto sobre o ambiente.

No entanto, a UEFA está empenhada em garantir que a competição do próximo Verāo seja a mais sustentável e compatível com o ambiente de sempre, compensando as emissões de carbono de todos os espectadores que vão viajar para os jogos, para além de abordar outras questões ambientais.

Compensar as emissões de carbono

O organismo responsável pelo futebol europeu irá, por este motivo, investir em projectos certificados de redução de emissões Gold Standard em parceria com a South Pole, uma organização que luta por um mundo em que empresas, governos e comunidades encaram a acção climática como algo natural.

A UEFA tem o objectivo de compensar as estimadas 405.000 toneladas de carbono geradas por adeptos e funcionários da UEFA que vão viajar para os jogos no próximo Verão. Este valor será recalculado no início de Dezembro, quando forem conhecidas quase todas as equipas qualificadas para o UEFA EURO 2020.

"O UEFA EURO 2020 é uma festa do futebol europeu que irá decorrer em todo o continente. A natureza desta prova leva a que tenha muitos benefícios em relação a uma organização tradicional. Além de poder levar os jogos a comunidades mais variadas por toda a Europa, não será necessário construir uma série de novos estádios e as redes de transportes que eles necessitam, que causam um enorme impacto ambiental, devido aos materiais e outros recursos utilizados para a construção dessas infra-estruturas", afirmou o Presidente da UEFA, Aleksander Čeferin. 

"Mas também tem um custo, com os adeptos a terem de fazer deslocações maiores para apoiarem as suas selecções. A UEFA leva as suas responsabilidades a sério e iremos compensar as emissões de carbono resultantes dessas viagens. Em colaboração com a South Pole, estamos a apoiar as actividades de projectos Gold Standard de redução de carbono, que apoiarão as comunidades locais e terão um efeito duradouro positivo para o planeta.”

Existe um enorme consenso científico que a actividade humana é a principal causa do aquecimento global, que afecta milhões de pessoas e que, todos os anos, causa prejuízos económicos de milhares de milhões de euros. Se não forem tomadas medidas para reduzir significativamente as emissões nocivas de gases que provocam efeito de estufa, os impactos das alterações climáticas irão continuar a colocar em risco as gerações futuras. 

As consequências do aquecimento global também estão a afectar comunidades de todo o mundo que jogam futebol. O calor extremo, a seca e as tempestades severas colocam em risco a participação e a assistência a jogos, ao nível amador e profissional.

Projectos Gold Standard

A fim de compensar as centenas de milhares de toneladas de carbono que serão geradas durante o UEFA EURO 2020, a UEFA, em parceria com a South Pole, vai apoiar vários projectos Gold Standard, incluindo um que fornece fogões de cozinha eficientes para zonas rurais do Ruanda.

Este projecto beneficia o meio ambiente devido a uma redução significativa do consumo de combustível, que geralmente resulta da queima de madeira ou de carvão vegetal, as principais fontes de energia da população do Ruanda, diminuindo assim a emissão de metano e dióxido de carbono, gases que contribuem fortemente para o efeito de estufa.

Não há fronteiras na atmosfera e os níveis crescentes de dióxido de carbono são um problema mundial que exige uma solução internacional.

Para reduzir a velocidade e escala das emissões globais, é fundamental que a UEFA invista em soluções que tenham impactos reais e quantificáveis, como os projectos certificados que foram selecionados. A UEFA também apoia iniciativas em países menos desenvolvidos economicamente, onde o impacto criado é maior, não apenas para as comunidades locais, mas também para o meio ambiente.

"O papel desempenhado pela indústria do desporto e pelas federações desportivas no combate às alterações climáticas é mais urgente do que nunca", destacou Natalia Gorina, directora comercial da South Pole. "Medir as emissões de gases com efeito estufa, tornar mais eficientes as actividades, mudar para fontes de energia limpa e compensar as emissões inevitáveis são medidas que todas os organismos devem adoptar para ajudar a combater as alterações climáticas."

"Estamos muito satisfeitos pelo forte compromisso demonstrado pela UEFA no combate às alterações climáticas, ao mesmo tempo que leva a sério o seu contributo para compensar o carbono que será gerado no UEFA EURO 2020."

Desde 2008, a UEFA tem vindo a compensar as viagens realizadas pelos seus funcionários e dirigentes. No ano fiscal de 2019/20, o organismo responsável pelo futebol europeu está a investir em créditos de carbono Gold Standard para os projetos de parques eólicos Prony e Kafeate, que levaram, e continuam a levar, energia renovável a vilas remotas na Nova Caledónia.

A UEFA também assinou o Quadro de Acção Desporto pelo Clima. O objectIvo desta agenda é unir organizações desportivas, equipas, atletas e adeptos a fim de gerar um esforço conjunto para aumentar a consciencialização da necessidade de cumprir as metas estabelecidas no Acordo de Paris para a protecção do clima.

Para além da compensação das emissões de carbono, o UEFA EURO 2020 tem várias iniciativas relacionadas com a acção climática, incluindo a organização com as cidades-anfitriãs do UEFA EURO 2020 de transporte público gratuito para os portadores de bilhetes nos dias de jogos. No âmbito da comemoração dos 60 anos do Campeonato da Europa, a UEFA vai plantar 600.000 árvores nos 12 países e nas cidades-anfitriões. Estas florestas do UEFA EURO 2020 serão um legado local da prova, mas também irão reter um número estimado de 280.000 toneladas de CO2 ao longo da sua vida.

Embora o UEFA EURO 2020 prometa ser um evento complexo do ponto de vista organizativo, é o torneio mais consciente da UEFA em termos ambientais até ao momento, seguindo este compromisso de compensar as emissões poluentes e desempenhar um papel activo no combate às alterações climáticas.

Topo