Federação de Futebol da Eslovénia

O novo milénio marcou o início de uma época dourada para o futebol esloveno.

©Getty Images

A Federação Eslovena de Futebol (Nogometna zveza Slovenije, ou NZS) nasceu a partir da Federação de Futebol de Liubliana, fundada a 20 de Abril de 1920. Esta precursora da NZS comandou as actividades relacionadas com o futebol no país, incluindo um campeonato e uma taça nacionais, sob a égide da Federação Jugoslava de futebol (Fudbalski Savez Jugoslavije, ou FSJ). A selecção nacional também se estreou nesse período, perdendo por 5-0 com a selecção olímpica de França, liderada por Jules Rimet.

Em 1935 os dois mais reputados clubes da capital do país, Ljubiliana, o FC Ilirija e o FC Primorje, fundiram-se por razões financeiras dando origem ao SC Ljubljana, que atraiu os principais jogadores eslovenos. Este clube participou no primeiro escalão da Liga Federal da Jugoslávia. Juntamente com o NK Maribor e o NK Celje, disputou também encontros com formações estrangeiras, da Áustria, Hungria e Checoslováquia.

Os anos que se seguiram à II Guerra Mundial foram dedicados à reestruturação da modalidade. A NZS foi constituída em Maio de 1948, embora ainda sob o domínio da FSJ, e dando especial atenção a árbitros e treinadores locais, com departamentos específicos para cada. O mais bem sucedido clube esloveno era, então, o NK Olimpija Ljubljana, que em 1970 perdeu a final da Taça da Jugoslávia para o FK Crvena zvezda. O Olimpija, ainda assim, seguiu para a Taça dos Vencedores das Taças, da qual foi afastado pelo Benfica, logo na primeira eliminatória. Outras equipas conceituadas do país eram o Maribor, o NK Rudar Velenje e o NK Mura, para além do ND Slovan e do NK Svoboda, de Liubliana.

Em meados da década de 80 do século passado, uma selecção de jogadores eslovenos disputava regularmente jogos amigáveis com equipas representantes das outras repúblicas que compunham a Jugoslávia. A Eslovénia produziu, ao longo dos anos, grandes talentos para a selecção nacional da Jugoslávia, entre eles Danilo Popivoda, Brane Oblak, Marko Elsner e Srečko Katanec.

O mais histórico capítulo do futebol esloveno acabaria por chegar na década seguinte. Depois da declaração da independência do país, em Junho de 1991, foi lançado o primeiro campeonato nacional, envolvendo os clubes eslovenos que participavam nos primeiro, segundo e terceiro escalões da Liga jugoslava. Outro marco ocorreu a 3 de Junho de 1992, quando a Eslovénia disputou o seu primeiro jogo como nação independente, que terminou com um empate a um golo frente à Estónia, em Tallinn.

Nesse mesmo ano, a NZS foi admitida como membro da UEFA e da FIFA, possibilitando o envolvimento da sua selecção nacional na fase de qualificação para o EURO '96. A Eslovénia estreou-se, então, em jogos competitivos com um excelente empate (1-1) na recepção à então vice-campeã do Mundo Itália. Sašo Udovič apontou o golo dos eslovenos.

Dois anos mais tarde, a NZS mudou-se para a uma sede própria. O escalão principal da Liga eslovena (Prva Liga), foi reestruturado, passando a contar com 12 clubes na temporada de 1998/99, antes de ser reduzido para dez clubes em 2005.

O novo milénio trouxe dias dourados ao futebol esloveno. Com Srečko Katanec como seleccionador, a Eslovénia qualificou-se para o UEFA EURO 2000, após levar a melhor sobre a Ucrânia no play-off de apuramento. Depois, na fase de grupos da prova, alcançou empates frente à Jugoslávia e à Noruega e perdeu pela margem mínima frente à Espanha. O Maribor também deu cartas ao tornar-se no primeiro clube a representar o país na UEFA Champions League, ao participar na primeira fase de grupos da edição de 1999/2000 da prova.

Com jogadores como Zlatko Zahovic a afirmarem-se como estrelas noutros campeonatos, o progresso da selecção eslovena continuou com o apuramento para o Campeonato do Mundo de 2002, na Coreia do Sul e Japão, mas uma vez depois de ultrapassar um play-off de apuramento, desta feita com um triunfo sobre a Roménia. Contudo, dois anos mais tarde, a Eslovénia acabou por se ver afastada da qualificação para o UEFA EURO 2004 igualmente numa eliminatória de play-off, eliminação essa que marcou a despedida de Zahovic dos palcos internacionais.

A Eslovénia, um país com cerca de dois milhões de habitantes, volta às fases finais de uma grande competição com o apuramento para o Campeonato do Mundo de 2010, na África do Sul. Sob as ordens do seleccionador Matjaž Kek, os eslovenos qualificaram-se para o Mundial ao terminarem no segundo lugar de um grupo de qualificação onde tinham como adversários Eslováquia, República Checa, Irlanda do Norte, Polónia e San Marino. Os pupilos de Kek venceram os seus derradeiros quatro jogos nesse grupo, triunfos que lhe valeram o segundo lugar e a consequente passagem para o "play-off" de apuramento, onde levaram a melhor sobre a Rússia. Os russos venciam por 2-0 em Moscovo, no encontro da primeira mão, até que, aos 88 minutos, Nejc Pečnik reduziu a desvantagem. A Eslovénia venceu a partida da segunda mão, em Maribor, graças a um golo solitário de Zlatko Dedič e seguiu para o Campeonato do Mundo graças ao tento apontado fora.

Em Setembro de 2016, a Eslovénia foi honrada enquanto país, quando Aleksander Čeferin, presidente da NZS, foi eleito como o sétimo presidente da UEFA, no Congresso Extraordinário do organismo, em Atenas. Tinha estado à frente da federação eslovena desde 2011, e automaticamente tornou-se vice-presidente da FIFA quando foi eleito pelas federações-membro da UEFA.

Presidente

Eslovénia mostra ambição

Eslovénia mostra ambição
Eslovénia mostra ambição©UEFA.com

O presidente da Federação Eslovena de Futebol (NZS), Ivan Simič, afirmou ao UEFA.com que pretende aumentar o número de jogadores federados do seu país e explicou os objectivos que tem para a selecção nacional.

UEFA.com: O que é que a sua federação está a fazer para contribuir para a campanha contra o racismo e a intolerância?

Ivan Simič: Em primeiro lugar, gostaria de destacar que o racismo não é um fenómeno comum na Eslovénia. O nosso objectivo é ensinar aos jovens que somos todos iguais. Tentamos reforçar esta ideia através da promoção de diferentes actividades inclusivas no futebol. A última campanha que organizámos chamou-se "mostrar cartão vermelho ao racismo”e considero que estamos a trabalhar bem nesta área. Estamos muito empenhados em educar as crianças nesta matéria.

UEFA.com: Pode-nos falar um pouco sobre as actividades do futebol de formação que estão a ser desenvolvidas no seu país?

Simič:
O programa do futebol de formação foi uma das actividades iniciadas pela UEFA e temos abordado este projecto de forma sistemática. Nomeámos um responsável específico para este programa, que supervisiona tudo, desde as actividades de futebol de formação realizadas pelos clubes a nível local. Organizámos inúmeros torneios para jovens, numa tentativa de ter o máximo possível de escolas a participar no projecto. Também organizámos torneios para crianças deficientes e estamos a tentar levar o máximo de mulheres a participar nas nossas actividades. A nossa ambição é trabalhar com crianças todos os dias; foi com esse objectivo que criámos um projecto chamado "Adoro jogar futebol".

UEFA.com: O programa HatTrick da UEFA pretende apoiar as federações nacionais da Europa. Qual foi a ajuda recebida pela Eslovénia?

Simič:
A ajuda do Hattrick impulsionou o desenvolvimento das nossas infra-estruturas. O auxílio do primeiro programa HatTrick permitiu-nos construir dez campos relvados grandes e outros dez mais pequenos, enquanto a segunda contribuição do Hattrick ajudou-nos na construção de oito campos grandes e mais 30 pequenos. Sem a ajuda destes dois programas teria sido impossível proceder à remodelação tão radical das infra-estruturas, pois somos um país que tem apenas dois milhões de habitantes, 31 mil jogadores federados e 257 clubes. Por isso, consideramos que este programa é muito importante e queria felicitar a UEFA pela implementação deste projecto.

UEFA.com: Como estão a promover a ideia de Respeito na vossa federação?

Simič:
O Respeito é um slogan muito positivo, especialmente porque o futebol pode desempenhar um papel importante na união das pessoas, através da promoção da igualdade entre os jogadores, assim como de todas as outras pessoas envolvidas. Temos de educar e ensinar as crianças a mostrar respeito desde os primeiros passos no futebol. Organizamos anualmente uma actividade especial dedicada ao “fair play”, mas temos o cuidado, ao longo de todo o ano, de combater a discriminação, incentivando as pessoas a mostrar respeito pelos outros, quer sejam adversários, árbitros e ou qualquer uma das pessoas que estão envolvidas no futebol. Também damos atenção especial à relação entre jogadores e adeptos.

UEFA.com: Quais são os planos e os objectivos da vossa federação para o futuro?

Simič:
Um dos nossos maiores projectos é aumentar o número de jogadores federados. No ano passado aumentamos o número de 25 mil para 31 mil e o nosso objectivo é ter 40 mil jogadores federados em 2012. Este pode ser um número pequeno em comparação com outros países, mas a Eslovénia tem apenas dois milhões de habitantes. Também gostávamos de reorganizar a federação de acordo com as directrizes mais modernas e aprofundar as relações, já de si bastante sólidas, com a UEFA, a FIFA e as federações de futebol da Europa e de todo o mundo.

UEFA.com: Foi eleito em Fevereiro de 2009. Como está a viver esta experiência?

Simič:
Tenho de confessar que está a ser uma experiência fantástica. Sucedi no cargo a Rudolf Zavrl, que foi presidente durante 20 anos, e tive oportunidade de aprender muito com ele. Zavrl causou enorme impacto, pois foi na sua época que a selecção eslovena conseguiu os seus maiores êxitos, com destaque para a qualificação para o EURO 2000 e para o Campeonato do Mundo de 2002. Vai ser difícil superar estas proezas, mas confio na minha equipa e em todos os meus colegas. Acredito que com a ajuda dos nossos adeptos será possível igualar, e mesmo ultrapassar, este resultados extraordinários. Considero também que será possível deixar a federação em boas condições para o meu sucessor.

Secretário-Geral

Marko Vavpetić

Marko Vavpetić
Marko Vavpetić©NZS

Nacionalidade: Eslovena
Data de nascimento: 30 de Novembro de 1971
Secretário-geral da federação desde: 2017

• Depois de Aleš Zavrl ter colocado ponto final na sua longa passagem pela Federação Eslovena de Futebol (NZS), a qual incluiu oito anos no cargo de secretário-geral, antes de começar a trabalhar na UEFA, a NZS encontrou o seu sucessor em Marko Vavpetić, que passou a parte mais recente da sua carreira profissional a trabalhar como consultor financeiro e gestor de empresas e de projectos imobiliários.

• Vavpetič é formado em economia. Mostra-se determinado a utilizar o seu vasto conhecimento dentro do futebol, dado que o desenvolvimento global da modalidade ofereceu novas perspectivas  no que toca à gestão financeira e estratégica das federações.

• O secretário-geral da NZS, que jogou nos dois principais escalões do futebol esloveno, acredita que a federação deu já grandes passos nos últimos anos com vista a fortalecer o crescimento e o desenvolvimento da popularidade do futebol no país. Encontra-se especialmente focado no desenvolvimento de infraestruturas, da segurança em eventos futebolísticos, do futebol feminino e da selecção nacional da Eslovénia. A NZS encontra-se também nos derradeiros preparativos para albergar a fase final do UEFA Futsal EURO 2018.

Topo