Federação Alemã de Futebol

No que toca a jogadores e a títulos, a Federação Alemã de Futebol é uma das mais fortes organizações que integram a UEFA.

©AFP/Getty Images

Quando a Federação Alemã de Futebol (Deutscher Fussball-Bund ou DFB)  foi fundada, em 1900, em Leipzig, existiam apenas 86 clubes. Em 2016, esse número era de 25.000 e envolvia nove milhões de praticantes. A DFB é a maior federação da União de Desportos Alemã e uma das maiores da UEFA.

Continuidade tem sido sempre uma característica particular da DFB. Nos primeiros 110 anos de existência, houve apenas dez presidentes e dez seleccionadores nacionais. O grande salto qualitativo em termos desportivos aconteceu em 1954, quando a jovem República Federal da Alemanha (RFA) se tornou campeã do mundo, sob a orientação do seleccionador Sepp Herberger. A RFA tornar-se-ia campeã mundial por mais três vezes: em 1974, na condição de equipa anfitriã e com Franz Beckenbauer como capitão e Helmut Schön como treinador, bateu a Holanda na final; em 1990, em Itália, os alemães derrotaram a Argentina no jogo decisivo, desta feita com Beckenbauer como treinador. Por último, a Alemanha venceu o Mundial de 2014, no Brasil, sob o comando de Joachim Löw, ao vencer a Argentina na final, por 1-0.

A Alemanha foi ainda vice-campeã em quatro edições do Campeonato do Mundo: em 1966, em Inglaterra, quando a equipa orientada por Schön perdeu face à equipa da casa; em 1982, em Espanha, frente à Itália (sob o comando de Jupp Derwall); em 1986, no México, frente à Argentina (com Beckenbauer como treinador) e na Coreia/Japão, em 2002, sob o comando de Rudi Völler. Além disso, a formação de Jürgen Klinsmann terminou o Mundial de 2006, realizado em casa, no terceiro posto, tal como a de Löw quatro anos mais tarde, na África do Sul. A estes títulos juntam-se mais três Campeonatos da Europa, conquistados em 1972 sob a batuta de Schön, em 1980 com Derwall no comando e em 1996 com Berti Vogts.

A lista de títulos conquistados pela selecção nacional feminina é igualmente rica, tendo vencido por oito vezes o Campeonato da Europa: em 1989, 1991, 1995, 1997, 2001, 2005, 2009 e 2013 - com Gero Bisanz no comando até 1996, Tina Theune-Meye a partir dessa altura e Silvia Neid desde 2005. Venceu ainda dois campeonatos do Mundo, em 2003 e 2007 - organizou com sucesso a prova em 2011 -, a que se somam uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, e medalhas de bronze em Jogos Olímpicos, em 2000, 2004 e 2008. A equipa masculina arrecadou a medalha de bronze no Brasil.

O futebol jovem da DFB está também a coleccionar triunfos. No Verão de 2009, a Alemanha conquistou, no espaço de 35 dias, os três títulos da UEFA no sector. A Federação alemã foi premiada pelos títulos no Europeu Sub-21, Sub-19 e Sub-17 com o Troféu Maurice Burlaz, o galardão para o futebol jovem da UEFA. As selecções jovens femininas venceram o Mundial de Sub-20 em 2004, 2010 e 2014.

Em termos de clubes, o FC Bayern München é o que tem maior sucesso, com um impressionante pecúlio de 44 troféus nacionais conquistados (26 campeonatos e 18 taças). Por outro lado, a equipa bávara conquistou a Taça dos Clubes Campeões Europeus por três vezes, bem como duas vezes a UEFA Champions League. O Bayern venceu ainda a Taça dos Vencedores das Taças e a Taça UEFA, além do Mundial de Clubes da FIFA.

O futebol é, igualmente, um desporto para a juventude e os jovens têm como meta chegar à selecção nacional. O futebol profissional foi introduzido na Alemanha em 1963, na mesma altura da fundação da Bundesliga, a mais importante divisão a nível de clubes. Desde então, a Bundesliga tornou-se numa marca de topo. Em 2000, foi fundada uma Liga de Federações Alemãs (Deutsche Fussball-Liga ou DFL). Pela primeira vez em mais de 100 anos de existência da federação, o futebol profissional tem a sua própria estrutura organizacional independente, sob a alçada da DFB. Desta forma, a unidade do futebol germânico foi preservada, uma vez que as decisões relativas a qualquer assunto, quer em termos nacionais quer internacionais, são tomadas em conjunto. A ligação entre o futebol profissional e amador foi também garantida.

Um dos acontecimentos marcantes na história da DFB foi a fusão com a Federação Alemã de Futebol (DFV) da antiga República Democrática da Alemanha (RDA). Do ponto de vista da situação política, a DFV era um membro da UEFA totalmente independente, desde 1954. O ponto alto da sua história foi a medalha de ouro conquistada em 1976 durante os Jogos Olímpicos de Montreal, sob o comando do treinador Georg Buschner. Em 1990, a reunificação dos futebolistas ocidentais e de Leste teve lugar em Leipzig, onde a primeira federação foi fundada. O número de espectadores nos estádios e as audiências televisivas provam que a Alemanha reunificada - anfitriã do Mundial de 2006 - é um completo país do futebol.

Presidente

Entrevista com Theo Zwanziger

Entrevista com Theo Zwanziger
Entrevista com Theo Zwanziger©UEFA.com

Na primeira de uma série de entrevistas com os presidentes das federações membros da UEFA, o UEFA.com conversou com o presidente da Federação Alemã de Futebol (DFB), Theo Zwanziger, que falou sobre o desenvolvimento do futebol na Alemanha e o futuro da modalidade.

UEFA.com: O que a sua federação está a fazer para combater o racismo e a intolerância?

Theo Zwanziger: Em primeiro lugar, há muito tempo que somos obrigados pelos nossos estatutos a lutar contra qualquer forma de discriminação. Fazemo-lo com o trabalho de sensibilização que realizámos junto das associações regionais e chegamos a mais de seis milhões de membros da DFB, através de nossos programas na Internet. Também possuímos centros móveis de educação e destacamos a enorme importância da nossa atitude e cooperação responsável com grupos minoritários. Também somos muito claros ao nível da comunicação, o que é bem exemplificado pelos jogadores da nossa selecção. Outro elemento fundamental é que, se houver problemas num estádio, o árbitro tem sempre autoridade total para suspender o encontro. Tudo isto é importante para nos ajudar a lidar com este problema.

UEFA.com: Fale-nos um pouco sobre as actividades da DFB nos escalões jovens.

Zwanziger: O grande números de praticantes nos clubes leva a que os projectos nas "raízes"do futebol sejam muito importantes. Temos 2,5 milhões de jogadores jovens que praticam futebol federado na Alemanha e é por isso que temos a obrigação de trabalhar em conjunto com as associações regionais para dinamizar projectos nesta área. Fazemos isso através de promoção de talentos nas bases regionais espalhadas por todo o país. Construímos mini-relvados, realizámos actividades nas escolas, sobretudo nas escolas primárias, fomentámos os treinos nos clubes e organizámos muitos torneios, tanto em pavilhões, como ao ar livre. As "raízes" são a base para nosso sucesso ao mais alto nível e estes projectos contam com um grande apoio das nossas associações regionais e locais.

UEFA.com: Um dos objectivos do programa HatTrick da UEFA é apoiar as federações nacionais. De que forma é que este programa tem ajudado a DFB?

Zwanziger: Uma das maiores vitórias foi a construção de mil mini-relvados, que existem por toda a Alemanha. O futebol no país está dividido em cerca de 330 zonas e cada uma tem entre dois e quatro mini-relvados, o que só foi possível graças ao grande apoio da UEFA. Nestes locais o futebol é jogado nas ruas, como acontecia antigamente, e estas instalações são frequentadas por jovens das escolas e dos clubes. Os campos estão todo o dia ocupados por jovens de ambos os sexos. Considero que a UEFA criou um excelente projecto, que também nos beneficia.

UEFA.com: Como é que o tema do Respeito é tratado na vossa federação?

Zwanziger: O respeito está intimamente relacionado com matérias como o "Fair Play". O "Fair Play", o respeito e a luta contra a discriminação estão interligados. Há mais de dez ou 15 anos que organizamos projectos de "Fair Play", especialmente nas associações regionais, onde o bom comportamento é recompensado e distinguido numa grande competição de "Fair Play" organizada pela DFB. Temos embaixadores do sector da arbitragem, tanto mais que o mentor do programa de "Fair Play" é o antigo árbitro internacional Herbert Fandel. É uma oportunidade de chamar atenção para as actividades que estamos a desenvolver. Há grandes projectos que estão a ser implementados, dos pequenos relvados até aos grandes estádios da Bundesliga, onde o "Fair Play" é levado muito a sério. Este evento tem uma grande tradição e regista sempre um elevado número de inscrições e notámos que, globalmente, existem sinais positivos de respeito e de "Fair Play" nos nossos relvados.

UEFA.com: Quais são os planos e os objectivos para os próximos anos?

Zwanziger: Em primeiro lugar, o nosso desporto profissional está perante novos desafios. A nossa selecção pretende alcançar um bom resultado no Campeonato do Mundo, na África do Sul, e a selecção feminina está a preparar o Mundial do próximo ano, que vai ser organizado pela Alemanha. A Federação Alemã de Futebol pretende continuar a apostar nos escalões de formação, criar novas bases, completar as academias de elite, reforçar as equipas jovens da Bundesliga. Tudo isto tem uma influência positiva na sociedade, porque o futebol é mais do que um desporto.

UEFA.com: A Alemanha é a actual campeão da Europa de futebol feminino e tem tido muito sucesso nos escalões de formação, para além de ter triunfado no Campeonato do Mundo de Sub-21. Qual é o segredo de tanto sucesso?

Zwanziger: Este é o resultado da aposta que foi feita nos últimos anos no desenvolvimento do futebol jovem. O meu antecessor, Gerhard Mayer-Vorfelder, começou a reestruturação de todo o sector em 2000. Agora estamos a beneficiar desse trabalho: os centros de formação da Bundesliga e as academias regionais, o conceito de "promoção de talentos" em cada província, os jogadores de Sub-18 e Sub-16 na Bundesliga e muito mais. Só assim é que uma federação como a nossa, que tem mais de dois milhões e meio de jovens jogadores, tem capacidade para constituir fortes equipas profissionais. Não vamos ganhar sempre, também iremos perder, o que é normal, mas queremos garantir a presença nas fases finais e fazer bons resultados. É óbvio que também queremos ganhar alguns títulos. Este é o nosso objectivo e, ao mesmo tempo, a base do nosso trabalho.

Secretário-Geral

Friedrich Curtius

Friedrich Curtius
Friedrich Curtius©Getty Images

Nacionalidade: Alemã
Data de nascimento: 9 de Setembro de 1976
Secretário-geral da federação desde: 2016

• Friedrich Curtius estudou Direito em Heidelberg e ingressou na DFB em 2006. Iniciou o seu percurso como consultor para o gabinete do secretário-geral, antes de tornar-se chefe de gabinete do secretário-geral da DFB.

• De 2012 a 2016, foi chefe de gabinete do presidente da DFB. Após dez anos a adquirir experiência e conhecimento das estruturas federativas, assim como a lidar com assuntos relacionados com as ligações da Alemanha à FIFA e UEFA, foi nomeado secretário-geral.

• Após ter assumido funções, Curtius disse: "Estou muito feliz pela confiança que a administração depositou em mim e estou ansioso por desempenhar esta função tão honrosa. Temos uma equipa forte na nossa sede e abordaremos em conjunto grandes desafios como o projecto 'A DFB e a sua academia'".

Topo