Candidatos a treinadores com sessão formativa em Nyon

Estudantes da licença Pro oriundos das federações azeri, estónia, russa e galesa visitaram a UEFA, no mais recente seminário do programa de intercâmbio de estudantes candidatos a treinadores.

Participantes no mais recente curso do programa de intercâmbio de estudantes candidatos a treinadores
Participantes no mais recente curso do programa de intercâmbio de estudantes candidatos a treinadores ©UEFA

Os potenciais treinadores de elite do futuro de quatro federações europeias reuniram-se na Casa do Futebol Europeu, em Nyon, esta semana, como os mais recentes participantes no inovador programa de intercâmbio de estudantes candidatos à licença UEFA Pro.

Os candidatos a treinadores – alguns acabados de encerrar uma carreira notável ao mais alto nível como jogador – vieram das federações azeri, estónia, russa e galesa. O intercâmbio entra agora na parte final da sua primeira época oficial.

Os participantes em cada curso são provenientes de três ou quatro federações europeias e liderados pelo respectivo responsável pela formação de treinadores. A UEFA também nomeia tutores/formadores de treinadores experientes para trabalharem com o director-técnico da UEFA e os serviços educativos da UEFA em cada evento, com membros do Painel Jira da UEFA também activamente envolvidos, juntamente com oradores convidados.

Desta feita, o curso foi dirigido pelo director-técnico da UEFA, Andy Roxburgh, juntamente com treinadores experientes e os formadores de treinadores Howard Wilkinson (Inglaterra), Dany Ryser (Suíça) e Nico Romeijn (Holanda). Este trio faz parte do Painel Jira, que aconselha a UEFA, as 53 federações-membro da UEFA, clubes e terceiros em assuntos relacionados com a formação de treinadores.

Discussões, trocas de pontos-de-vista e sessões educativas fizeram parte da agenda do curso – com tópicos específicos, como a forma como um treinador gere situações de crise, a força mental necessária para lidar com a pressão, e capacidades humanas - honestidade, boa comunicação, paixão e atitude positiva - que devem manifestar-se.

Uma sessão media também permitiu aos delegados testarem as suas capacidades numa situação de "flash interview", tal como acontece depois de um jogo da UEFA Champions League, bem como elucidá-los sobre como interagir e reagir com a imprensa escrita, rádio e televisão. Em sessões no Estádio Colovray, situado em frente à sede da UEFA, os treinadores participaram numa aula prática e também puderam analisar as tendências actuais da UEFA Champions League, bem como examinar ao pormenor os desenvolvimentos tácticos e técnicos que marcaram a emocionante meia-final de terça-feira, entre FC Barcelona e Chelsea FC.

Um dos convidados de honra foi o altamente experiente treinador da Bélgica, Georges Leekens, que proporcionou uma entretida hora sobre como é a vida de um treinador de clubes e de selecções. "Trabalho, trabalho, trabalho – e mantenham-se atentos a coisas novas", disse. "Continuem a actualizar as vossas ideias - transmitam mensagens claras, façam uso da vossa experiência. Dêem responsabilidade aos jogadores – e mantenham-se fiéis aos vossos ideais".

Andy Roxburgh fez um comentário revelador aos candidatos a treinadores, sobre o facto de, apesar de uma carreira como jogador ao mais alto nível ser certamente uma vantagem, também é preciso desenvolver outras facetas como treinador. "O facto de terem praticado futebol não garante que estão capacitados para treinar", explicou. "Treinar tem a ver com outros aspectos, como comunicação, organização, capacidade de ensinar.

"Sintam-se bem no terreno, adquiram a formação necessária, acumulem experiência laboral onde puderem, utilizem mentores para vos ajudar durante essa caminhada, continuem sempre a aprender – e as experiências de vida vão ajudar-vos a relacionarem-se com os jogadores e a orientá-los", acrescentou.

Howard Wilkinson destacou conhecimento de si próprio e facilidade de expressão como factores-chave na caminhada de um treinador ao longo da sua carreira. E disse: "Se os jogadores não acreditam no mensageiro, não vão acreditar na mensagem, portanto têm que saber o que defendem, para onde caminham, a forma como vão lá chegar – e é um compromisso para a vida". Nico Romeijn enfatizou a natureza filosófica que um treinador tem que encontrar para sobreviver aos altos e baixos do futebol. "Têm de aprender a lidar com a derrota bem como com a vitória", destacou.

A próxima sessão, de 7 a 10 de Maio, vai contar com delegações da Bélgica ARJ da Macedónia, República da Irlanda e Suíça na sede da UEFA.

Topo