O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Nations League mantém dinamismo

A Espanha venceu a última edição da UEFA Nations League masculina, que continua a dinamizar o calendário internacional com jogos mais emocionantes e competitivos – e a UEFA está preparada para aproveitar as suas competições femininas para seguir o exemplo.

Jordi Alba levanta o troféu da UEFA Nations League em 2022/23
Jordi Alba levanta o troféu da UEFA Nations League em 2022/23 UEFA via Getty Images

Houve um novo nome no quadro de honra da UEFA Nations League em 2023, quando a Espanha se tornou na terceira vencedora da competição. A fase final nos Países Baixos contou com a participação dos anfitriões, juntamente com Croácia, Itália e Espanha – e terminou com a selecção espanhola a celebrar o triunfo no desempate das grandes penalidades sobre a Croácia, após um empate sem golos no Estádio De Kuip.

Além da vitória da Espanha, existe uma história de sucesso mais ampla: desde a sua criação, a Nations League forneceu uma plataforma para jogos mais competitivos e significativos – sem adicionar novas datas ao calendário – e durante 2022/23 continuou a dar às seleções nacionais de todos os níveis novas oportunidades.

Golos fantásticos em fases finais da Nations League

Histórias de sucesso em toda a Europa

Trinta e três seleções conquistaram pelo menos uma promoção, o que destaca como conseguem gerar evoluir através da competição. Além de subirem na Nations League, aumentam as suas hipóteses de um sorteio mais favorável na Qualificação Europeia, criando assim um círculo virtuoso.

A Escócia oferece um bom exemplo. Tal como a Hungria, Israel e a Sérvia, fez parte da Liga C em 2018/19, mas vai começar a próxima edição na Liga A. Na verdade, têm a maior percentagem de vitórias na Nations League (62,5%) do que qualquer equipa e, em 2021, proporcionou um exemplo perfeito do efeito cascata em acção, com a sua primeira participação masculina no EURO desde 1996. No geral, oito países conseguiram duas promoções desde 2018, incluindo a Geórgia, cuja percentagem de vitórias (61,1%) reflecte os seus esforços na subida da Liga D para a Liga B de uma competição cuja estrutura garanta um maior grau de equilíbrio competitivo.

Isto, por sua vez, traz mais interesse por parte dos adeptos, meios de comunicação social e parceiros comerciais – uma consideração importante para a UEFA, uma vez que consideramos a importância das competições de selecções nacionais como vitais para aumentar os recursos das nossas federações-membro, à medida que continuam a recuperar do impacto financeiro causado pela pandemia de COVID-19. O interesse dos adeptos manifestou-se durante a fase final de 2023, com os quatro jogos em Roterdão e Enschede a atraírem uma assistência total de 126.200 espectadores – 95% da capacidade combinada dos estádios. Esse interesse também se reflectiu fora dos estádios, com a Nations League 2022/23 como um todo a atrair uma audiência global acumulada em directo projectada de 557,8 milhões, além de 2,7 mil milhões de interações nas redes sociais e no UEFA.com.

Formato melhorado

Ansu Fati em duelo com Josip Stanišić durante a final da UEFA Nations League de 2022/23
Ansu Fati em duelo com Josip Stanišić durante a final da UEFA Nations League de 2022/23UEFA via Getty Images

A próxima Nations League, que terá início em Setembro de 2024, aproveitará o sucesso desportivo e comercial da competição, com uma nova fase a eliminar a ligar a fase de grupos, que termina em Novembro, com a fase final disputada em Junho de 2025. Esta alteração seguiu um extenso processo de consulta com as federações-membro e obteve a aprovação do Comité Executivo da UEFA em Janeiro de 2023.

Aleksander Čeferin, Presidente da UEFA

"A introdução da Nations League foi uma história de sucesso. Ao introduzir a fase a eliminar, as equipas terão ainda mais oportunidades de progredir, mantendo ao mesmo tempo o mesmo número de jogos no calendário internacional."

O formato revisto implicará quartos-de-final envolvendo os vencedores e segundos classificados do grupo da Liga A, que se defrontarão em casa e fora, com os vencedores a qualificarem-se para a fase final. Da mesma forma, os terceiros classificados da Liga A e os segundos classificados da Liga B, bem como os terceiros classificados da Liga B e os segundos classificados da Liga C, jogarão play-offs de promoção/despromoção em casa e fora. Isto significa jogos ainda mais competitivos e confrontos emocionantes, com valor adicional para jogadores e adeptos.

Revolução no futebol feminino de selecções

Heather Payne (E) comemora o segundo golo da República da Irlanda durante a partida da UEFA Women's Nations League contra a Irlanda do Norte
Heather Payne (E) comemora o segundo golo da República da Irlanda durante a partida da UEFA Women's Nations League contra a Irlanda do NorteGetty Images

A UEFA também procura replicar o sucesso do formato masculino da Nations League no futebol feminino, como parte de um novo sistema de competição de selecções nacionais em duas fases que, em última análise, conduz à qualificação para o EURO Feminino ou para o Campeonato do Mundo Feminino da FIFA.

O primeiro ciclo do novo sistema arrancou em Setembro de 2023, com as primeiras campeãs a serem decididas no final de Fevereiro, com a classificação final a decidir também – após promoções e despromoções – as posições iniciais das equipas na segunda parte do novo sistema, uma fase de Qualificação Europeia, que determina a qualificação para o Women's EURO 2025, na Suíça. As meias-finais da Nations League também determinarão quais as duas equipas que se juntarão à anfitriã França como representantes europeias no torneio olímpico de futebol feminino de 2024. Se a França estiver entre os finalistas, o terceiro classificado da Nations League preencherá a vaga restante nos Jogos Olímpicos.