O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

UEFA toma medidas para travar abusos online

Renard, Jorginho e Lehmann juntam-se à campanha Respect da UEFA.

Um novo programa Respect arrancará no UEFA Women's EURO 2022, em Inglaterra, a 6 de julho, e inclui a campanha "Real Scars", a qual destacará os efeitos devastadores dos abusos online direccionados a jogadores, treinadores e dirigentes de futebol nas plataformas das redes sociais, procurando ensinar a melhor forma de se defenderem face a esses abusos. Os outros pilares do programa incluem uma nova plataforma para monitorizar, denunciar e corrigir activamente casos de abusos online, bem como o lançamento da série documental "Outraged".

O programa Respect visa acções concretas para prevenir comportamentos abusivos online e qualquer tipo de discriminação durante todas as fases finais de competições da UEFA, incluindo competições jovens, femininas e masculinas, nos próximos três anos. Para garantir que o conteúdo nocivo seja removido, a UEFA está a trabalhar directamente com as principais plataformas de redes sociais, como Twitter, Meta [Instagram e Facebook] e TikTok.

A campanha "Real Scars" conta com o apoio de Wendy Renard, jogadora do Olympique Lyonnais e da seleção francesa, Jorginho, médio do Chelsea e da selecção de Itália, e Alisha Lehmann, jogadora do Aston Villa FC e da seleção suíça.

Renard afirmou: "Os abusos online podem deixar cicatrizes reais, principalmente se as pessoas que são alvo desses abusos já estiverem mentalmente frágeis. Quando se diz algo nas redes sociais, não se percebe o quão doloroso é ou as consequências que pode ter. Pode deixar marca, porque somos todos humanos, todos temos emoções."

Lehmann acrescentou: "Penso que os abusos online são muito piores do que na vida real, porque centenas de pessoas o fazem. As pessoas online são muito menos corajosas, porque estão atrás de um telefone ou de um computador. Na vida real, nunca diriam aquilo a ninguém. Provavelmente perguntariam: 'Posso ficar com sua camisola?' ou 'Pode dar-me um autógrafo?'".

Jorginho disse: "Os abusos online são horríveis, porque as pessoas não pensam no que podem causar. Isso tem um efeito sobre nós e sobre as pessoas que nos amam."

Michele Uva, Director para o Futebol e Responsabilidade Social da UEFA: "A UEFA quer combater os abusos online inspirando, ativando e acelerando acções concretas no futebol europeu. Estamos entusiasmados por lançar um programa dedicado a essa causa no UEFA Women's EURO, com o objetivo de consciencializar, educar, monitorizar e denunciar abusos online em todas as futuras fases finais das competições da UEFA."

"Não podemos aceitar qualquer forma de abuso e discriminação no futebol. É hora de tomar acções concretas para impedir os abusos online. Este é um programa de longo prazo, através do qual alavancaremos uma nova tecnologia de moderação em todas as principais plataformas. Em breve, lançaremos também uma série documental, 'Outraged', que se foca na educação para consciencializar a importância do tema e evitar que os abusos aconteçam.", acrescentou.

O vídeo da campanha mostra Jorginho, Wendy Renard e Alisha Lehmann, todos eles já alvo ou testemunha de abusos online. O vídeo será exibido online e no ecrã gigante em todos os jogos do UEFA Women's EURO 2022. A campanha será também apresentada em placares publicitários e nos programas de jogos durante o torneio.

Outros jogadores e dirigentes, incluindo o treinador do Crystal Palace FC, Patrick Vieira, o ex-jogador de futebol e jornalista desportivo Karen Carney, e Jesús Tomillero Benavente, árbitro espanhol que se reformou devido a abusos online, aparecem num pequeno documentário sobre abusos online como parte da campanha de cinco partes "Outraged", que trata de discriminação e abuso. O documentário será lançado a meio do torneio e estará disponível online em UEFA.tv e através de emissoras da UEFA.