Futebol português de luto por Ângelo Martins

O futebol português está de luto este mês pelo falecimento de Ângelo Martins, de 90 anos, membro da grande equipa do Benfica que se sagrou campeã europeia de clubes em 1961 e 1962.

 
  Cátia Luís e João Paulo Trindade / SL Benfica

O futebol português está de luto este mês pelo falecimento de Ângelo Martins, de 90 anos, membro da grande equipa do Benfica que se sagrou campeã europeia de clubes em 1961 e 1962.

“É com grande pesar que a nossa família benfiquista vive este momento de dor e luto pelo falecimento de Ângelo Martins”, disse o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira. “Foi um jogador altruísta que construiu a imagem e a mística do que ficou conhecido como o 'jogador à Benfica'."

"Ângelo Martins foi um dos jogadores que contribuiu de forma decisiva para a afirmação do futebol português a nível internacional tendo representado o seu único clube, o Benfica, e a selecção nacional ", garantiu Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). "Quero sublinhar o meu reconhecimento e gratidão por toda a contribuição que deu ao futebol português."

Natural do Porto, o lateral-esquerdo Ângelo chegou ao Benfica com 21 anos e permaneceu no clube lisboeta durante 13 temporadas (1952/53 a 1964/65), tendo disputado 385 jogos e marcado quatro golos. Para além das duas Taças dos Clubes Campeões Europeus (disputou oito dos nove jogos do Benfica na competição em 1960/61 e seis dos sete na temporada seguinte - todas como titular), Ângelo conquistou também sete títulos da Liga portuguesa e cinco Taças de Portugal.

Internacional 20 vezes pela selecção de Portugal, Ângelo pendurou as chuteiras em 1965, aos 35 anos, e cedo se tornou treinador das camadas jovens do Benfica, onde conquistou vários títulos de Sub-15, Sub-17 e Sub-19 e formou algumas das maiores lendas do clube como Humberto Coelho, Nené, João Alves , Rui Jordão ou Fernando Chalana.