Federação Espanhola de Futebol

A notável história da Espanha no futebol tem sido progressivamente coroada com sucesso, nomeadamente nos tempos mais recentes, com a vitória no Mundial 2010 entre dois triunfos continentais.

Federação Espanhola de Futebol
Federação Espanhola de Futebol ©Getty Images

A Espanha pode olhar com orgulho para a sua notável história futebolística, que tem sido progressivamente coroada com sucesso, nomeadamente nos tempos mais recentes, com a vitória no Campeonato do Mundo de 2010 entre as conquistas do UEFA EURO 2008 e UEFA EURO 2012. A supremacia deste membro fundador da UEFA tem sido tanta que o o futebol espanhol é agora considerado potência a nível europeu e mundial.

O primeiro marco importante da Espanha enquanto nação futebolística surgiu com a criação da Federação Espanhola de Futebol (Real Federación Española de Fútbol ou RFEF) em 1909. Depois de receber o selo real, a 23 de Setembro de 1913, o organismo foi admitido na FIFA a 27 de Julho de 1914. Apesar de terem sido necessários seis anos até à estreia de uma selecção totalmente espanhola, numa derrota por 1-0 na Dinamarca, em Agosto de 1920, a modalidade já tinha estabelecido raízes firmes no território ibérico.

O primeiro indicador da chegada do futebol ao país foi a criação do RC Recreativo de Huelva, em 1889. A Taça de Espanha – que continua a ser a principal taça nacional – foi criada em 1903 e rapidamente ficou dominada por FC Barcelona, Athletic Club Bilbao e Real Madrid CF. Uma década depois, já existiam 25 clubes registados na RFEF. Ainda assim, a existência de um campeonato nacional a sério, envolvendo dez equipas, só começou emFevereiro de 1929, depois de várias tentativas para reunir os clubes. A primeira divisão atingiu um máximo de participantes na época 1995/96, com 22 equipas, antes de ser reduzida para 20.

Ainda que tenha começado tarde, o historial da RFEF regista picos de êxito antes do muito sucesso continuado. A federação tem sido bem representada em todas as competições de clubes e selecções. A Espanha venceu o Campeonato da Europa em 1964, ao derrotar a União Soviética, por 2-1, na final realizada em Madrid, com golos de Jesús María Pereda e Marcelino Martínez. A equipa de futebol conquistou a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992, já para não falar das medalhas de prata em Antuérpia (1920) e Sydney (2000). Do palmarés fazem ainda parte vários títulos conquistados nos escalões jovens: campeã mundial de Sub-20 em 1999; campeã europeia de Sub-21 em 1986, 1998, 2011 e 2013; de Sub-19 (antigos Sub-18) em 1995, 2002, 2004, 2006, 2007, 2011, 2012 e 2015; e de Sub-17 (antigos Sub-16) em 1986, 1988, 1991, 1997, 1999, 2001, 2007 e 2008.

O mesmo se aplica ao futebol feminino, que venceu o Campeonato da Europa de Sub-17 em 2010, 2011 e 2015, além do Europeu de Sub-19 em 2004.

E foi com base nestes antecedentes de êxito que emergiu a geração de 2008, orientada por Luis Aragonés, e de 2012, sob o comando de Vicente del Bosque. Jogadores como David Villa, Iker Casillas, Xavi Hernández, Andrés Iniesta e Fernando Torres ajudaram a "roja" a conquistar o triplete, mas também a escrever recordes na selecção.

A Espanha também tem emergido como potência do futsal. Campeã mundial em 2000 e 2004, conquistou igualmente o Campeonato da Europa de Futsal em 1996, 2001, 2005, 2007, 2010, 2012 e 2016. Os clubes espanhóis têm também dominado na Taça UEFA Futsal, prova em que o Playas de Castellón FS, por duas vezes, o Interviú Madrid, em três ocasiões, e o Barcelona (duas vezes) se sagraram campeões europeus.

Talvez o legado histórico mais rico do futebol espanhol seja a Taça dos Clubes Campeões Europeus ou a UEFA Champions League. Neste momento, os 11 troféus conquistados pelo Real Madrid constituem um feito sem precedentes. O Barcelona também venceu a prestigiada competição em cinco ocasiões, quatro delas em anos recentes. O Real Madrid, tal como o Sevilla FC e o Valencia CF, também levaram a Taça UEFA para solo espanhol. Barcelona, Club Atlético de Madrid, Valencia CF e Real Zaragoza venceram a já extinta Taça dos Vencedores das Taças e o Atlético ganhou duas das primeiras três edições da UEFA Europa League, com o Sevilha a repetir a façanha em 2014, 2015 e 2016.

Estes feitos continuaram a engrandecer os clubes da Liga, um dos campeonatos mais reputados da Europa. Desde o futebol de formação até ao topo, o futebol espanhol apresenta uma vitalidade invejável.

Presidente

Entrevista: Ángel María Villar Llona (Espanha)

Entrevista: Ángel María Villar Llona (Espanha)
Entrevista: Ángel María Villar Llona (Espanha)©UEFA.com

Com a final da UEFA Champions League a realizar-se no Santiago Bernabéu, em Madrid, este sábado, Ángel María Villar Llona, presidente da Federação Espanhola de Futebol (RFEF) fala ao UEFA.com sobre o seu orgulho em receber o jogo decisivo da principal competição europeia de clubes no seu país-natal, na mais recente entrevista com os presidentes de federações europeia.

UEFA.com: O que representa para o futebol espanhol receber a final da UEFA Champions League esta época?

Ángel María Villar Llona: Bem, primeiro que tudo, gostaria de expressar a minha gratidão à UEFA por ter depositado confiança em nós para organizar a final da Champions League em Madrid, incluindo um agradecimento especial ao seu Presidente, Michel Platini. Em segundo lugar, o que significa para o futebol espanhol? É algo maravilhoso, porque se trata de uma final, e uma final significa festa. Representa cor, que muitas pessoas, de diferentes locais na Europa, vão viajar até Madrid, até Espanha. Significa paixão e bom futebol. Aparte isso, significa que organizamos a final da melhor competição europeia de clubes no Mundo – a Champions League. Por isso, estamos muito agradecidos à UEFA, especialmente ao seu presidente, Michel Platini, por ter confiado em nós.

UEFA.com: O que podemos esperar da final em Madrid, para todos os adeptos que se vão deslocar à cidade?

Villar Llona: Madrid é uma cidade grande e bonita, com uma história ímpar, por isso os visitantes vão passar um bom bocado, passeando pelas suas ruas e observando inúmeros monumentos que marcam a história de Espanha e da Europa. Vão encontrar boa comida e divertir-se. É muito amistosa e por isso convido todos os adeptos, não apenas os dos dois finalistas, mas também aqueles de toda a Europa. Se quiserem presenciar um grande evento – como vai ser o caso desta final – então também devem vir, porque Madrid tem muitas qualidades distintas e variadas.

UEFA.com: O que faz de Madrid uma cidade única para o futebol?

Villar Llona: Em Madrid as pessoas 'vivem' o futebol; respiram, sentem e admiram este desporto. Para além disso, é casa de clubes importantes, não só no panorama espanhol como também mundial – como Real Madrid, nove vezes campeão europeu, e Atlético Madrid, outro clube histórico do futebol espanhol. Fazem dela um local especial.

UEFA.com: E o que torna o Bernabéu um estádio tão emblemático?

Villar Llona: É especial porque se trata de um grande estádio, não apenas pela sua capacidade, mas também por todos os eventos que já recebeu. É a casa do Real Madrid, clube que foi eleito o melhor do século passado e que é admirado por todos os outros. Celebrou conquistas muito importantes neste estádio e, acima de tudo, disputou finais europeias.

UEFA.com: O que espera deste jogo?

Villar Llona: Espero que seja uma grande final: um excelente jogo, pleno de emoção e incerteza até ao fim – cor, paixão, bom futebol. Infelizmente, também vai ter a única coisa má de uma final: só uma equipa pode vencer e festejar – mas a vida é assim no futebol.

Secretário-Geral