Ángel Villar reeleito na presidência da federação

O longo trajecto de Ángel Villar como presidente da Federação espanhola, iniciado em 1988, vai estender-se até 2016, na sequência da sua reeleição para o sétimo mandato no cargo.

Ángel Villar vai continuar o seu já longo trajecto como presidente da RFEF
Ángel Villar vai continuar o seu já longo trajecto como presidente da RFEF ©UEFA.com

O presidente da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), Ángel Maria Villar Llona, vai continuar à frente dos destinos do futebol espanhol durante mais quatro anos, no seguimento da sua reeleição após a realização da assembleia-geral extraordinária da federação, em Madrid.

Eleito para o cargo pela primeira vez em 1988, Ángel Villar vai, desta forma, dar início ao seu sétimo mandato consecutivo como presidente da RFEF, exercício que tem início em 2012 e termina em 2016. O dirigente espanhol é ainda vice-presidente da UEFA, bem como do organismo que tutela o futebol mundial, a FIFA. Michel Platini, Presidente da UEFA, esteve presente na referida assembleia e teve oportunidade de felicitar Ángel Villar, que gere o futebol espanhol no seu período de maior sucesso.

Durante os 24 anos à frente da RFEF, Ángel Villar testemunhou a obtenção de nada menos que 41 títulos para a Espanha, incluindo o Mundial de 2010, o UEFA EURO 2008, o Campeonato da Europa de Sub-21 em 2011 e o Europeu Feminino de Sub-17, no mesmo ano. Depois de agradecer o apoio aos membros da assembleia, o antigo internacional espanhol, de 62 anos, sublinhou os muitos desafios que se avizinham para a organização a que preside.

"A confiança que depositaram em mim leva-me a atingir um nível de empenhamento pessoal cada vez mais intenso", disse. "De 1988 até hoje obtivemos resultados desportivos extraordinários. Será difícil superar tudo o que alcançámos durante estes anos, mas só lá chegámos graças às gentes do futebol, aqueles que estão na base da pirâmide, os cidadãos anónimos. A todos vós o meu obrigado. Sem o vosso apoio nada disto teria sido possível", prosseguiu.

"Não é fácil sagrarmo-nos campeões do mundo, mas conseguimos", acrescentou."Agora, temos à nossa frente novos desafios, como o Campeonato da Europa, que terá lugar em dois grandes países, a Polónia e a Ucrânia. O nosso mais importante objectivo é o de revalidar o título de campeões – e lá estaremos com esperança, dando tudo de nós, mesmo sabendo que não será fácil. Temos ainda os Jogos Olímpicos, em Londres; o Mundial de Futsal, na Tailândia; e os torneios europeus dos escalões de formação, pelos quais ansiamos", concluiu.