UEFA permite regresso de adeptos com máximo de 30% da capacidade sob aprovação das autoridades locais

Os adeptos das equipas visitantes não poderão assistir aos jogos até nova decisão.

©UEFA.com

O Comité Executivo da UEFA decidiu hoje, após um teste que foi realizado com sucesso na Supertaça Europeia, em Budapeste, a 24 de Setembro, permitir o regresso parcial dos espectadores aos jogos das provas da UEFA onde as leis locais permitirem, a começar nos jogos da selecções nacionais agendados para a próxima semana.

O número de espectadores será limitado ao máximo 30 por cento da capacidade do estádio e os adeptos das equipas visitantes não poderão assistir aos jogos até nova decisão.

O acesso dos adeptos e a lotação dos estádios estão sujeitos à decisão das autoridades locais. Os jogos da UEFA não poderão ter espectadores onde as autoridades locais não o permitirem e o máximo de 30 por cento só pode ser atingido quando o limite estabelecido pelas autoridades locais não for inferior, caso em que tal limite seria aplicável.

O distanciamento social será obrigatório para os espectadores e devem ser implementadas medidas de precaução suplementares, como o uso de máscaras, de acordo com as regras locais.

Estas medidas fazem parte dos "Requisitos Mínimos de Saúde e Higiene da UEFA para o Regresso dos Espectadores", que foram aprovados pelo Comité Executivo da UEFA e que os organizadores dos jogos terão de respeitar. Contudo, as medidas de saúde e segurança a adoptar devem ser baseadas na situação local e nas leis e regulamentos específicos impostos pelas autoridades locais competentes.

A Supertaça Europeia provou que é possível ter adeptos a assistir aos jogos de futebol após estarem reunidas as condições adequadas, colocando a saúde e a segurança em primeiro lugar, com a aplicação das medidas atenuantes em vigor. Este jogo mostrou também a aceitação e o cumprimento por parte dos adeptos das medidas de precaução sanitárias, assim como a vontade de se comportarem da melhor forma.

O Presidente da UEFA, Aleksander Čeferin, comentou esta decisão:

“A decisão tomada hoje é um primeiro passo sensato, que coloca a saúde dos adeptos em primeiro lugar e respeita as leis de cada país. Todos estamos a enfrentar um inimigo comum, a COVID, mas os diferentes países têm diferentes abordagens e diferentes desafios a cada momento. Esta decisão permite uma maior flexibilidade local para lidar com o acesso dos adeptos do que acontecia antes, respeitando sempre a avaliação das autoridades locais."

“Vinte e sete países europeus, de alguma forma, já permitem a presença de adeptos nos estádios. Esta decisão vai permitir uma abordagem coerente país a país e não em função da competição, o que por vezes era difícil de compreender por parte dos adeptos.”

“Nestes tempos difíceis, é importante trazer mais esperança e paixão para a vida dos adeptos do futebol e pedimos que todos se comportem de maneira adequada e respeitem as medidas sanitárias em vigor para a sua própria saúde e para a saúde dos outros adeptos do seu clube ou da sua selecção."