O UEFA.com funciona melhor noutros browsers
Para a melhor experiência possível recomendamos a utilização do Chrome, Firefox ou Microsoft Edge.

Longe da pressão dos relvados

A UEFA•Technician recorda os dois eventos recentes dedicados à classe: o Fórum de Treinadores de Elite da UEFA e a Conferência de Treinadores de Selecções da UEFA.

Foto de grupo da Conferência de Treinadores de Selecções da UEFA, em Varsóvia
Foto de grupo da Conferência de Treinadores de Selecções da UEFA, em Varsóvia ©UEFA

A UEFA realizou dois importantes eventos para treinadores de topo recentemente – ambos são analisados ao pormenor na mais recente edição da UEFA•Technician, publicação da UEFA dedicada aos treinadores. A atenção centra-se no Fórum e Treinadores de Elite da UEFA, em Nyon, e na 10ª Conferência de Treinadores de Selecções da UEFA, que se realizaram no início e final de Setembro.

Ao longo dos anos, os dois eventos revelaram-se cruciais, não só para identificar tendências tácticas e técnicas nas competições europeias, mas também para reunir os treinadores, longe da pressão dos bancos, para que possam trocar ideias sobre a modalidade. "É fácil falar sobre a comunidade de treinadores", diz o UEFA•Technician sobre o Fórum de Treinadores de Elite. "Mas numa profissão que é essencialmente um exercício solitário, precisam de ser construídas sinergias fraternais – e uma das principais missões do fórum anual é conseguir precisamente isso."

"Depois do UEFA EURO 2012, a atitude dos treinadores tem sido largamente elogiada e, à medida que as competições de clubes começam, o fórum destacou o facto de a familiaridade ajudar, sem sombra de dúvida, a fomentar respeito entre os técnicos."

A presença do Presidente da UEFA, Michel Platini, e de outros dirigentes da UEFA, "deu uma indicação clara de que o organismo gestor do futebol europeu estava preparado para ouvir treinadores de referência e utilizar as suas reacções nos processos de decisões."

Passando para a análise que foi feita em Varsóvia sobre o UEFA EURO 2012, o UEFA•Technician pega nos pensamentos de muitos dos treinadores de selecções que estiveram em acção na Polónia e na Ucrânia, sobre elementos técnicos e tácticos que tornaram o torneio num sucesso estrondoso. O seleccionador da Inglaterra, Roy Hodgson, elogiou a reunião de treinadores pós-EURO. "Penso que estas conferências são sempre importantes. É uma oportunidade para nos encontrarmos com colegas de profissão, para ouvi-los falar não só sobre o mais recente torneio, mas também sobre as tendências futuras do futebol."

A mais recente edição do UEFA•Technician inclui o último editorial do antigo director-técnico da UEFA, Andy Roxburgh, que fala sobre algumas ideias-chave antes de rumar a novas paragens. "Nunca nos devemos esquecer que os adeptos são a essência do futebol", diz. "E que vão querer continuar a ter mais conforto, qualidade, informação, emoção, escolha e sucesso. Os resultados continuarão a ser, como é óbvio, a prioridade, mas a forma como as equipas se exibem terá cada vez mais importância. Os quatro melhores classificados no UEFA EURO 2012 provaram que um estilo positivo também pode ser bem-sucedido. É preciso um esforço consciente e um certo grau de coragem para correr tamanho risco."

"No futuro, a formação de treinadores vai ser cada vez mais levada a cabo utilizando o modelo da aprendizagem baseada na competência, e a acção dos tutores será conduzida em situações reais nos clubes",continua Roxburgh. "Os programas de 'raízes' do futebol vão continuar a expandir-se e o conceito de que sem 'raízes' do futebol não há futuro terá cada vez mais aceitação. O futebol feminino vai continuar a atrair mais atenção, enquanto o futsal, especialmente como modalidade em desenvolvimento, vai garantir mais apoio no seio das federações. Árbitros, com auxiliares nos quatro lados do campo, vão registar mais progressos na sua condição física e capacidade para lerem o jogo – algo que os vai ajudar na sua busca para minimizarem erros."

O enfoque terá que ser claramente no futuro. "O futebol europeu, tal como é visto nas suas competições de referência - o Campeonato da Europa e a UEFA Champions League -, atingiu padrões de qualidade impressionantes, e está bem colocado para mais desenvolvimentos", diz Roxburgh. "Ninguém pode comprar a rica história do futebol. Ela não tem preço. Mas não podemos basear-nos na sua herança durante muito tempo, pois o futuro caminha na nossa direcção. Se ficarmos parados, seremos ultrapassados."