Convenção de Treinadores da UEFA renovada

A Convenção de Treinadores da UEFA, que promove a credibilidade da profissão e a formação de técnicos, sofreu extensa revisão para reflectir os actuais desenvolvimentos.

Sessão prática num seminário de intercâmbio de aspirantes a treinador em Nyon
Sessão prática num seminário de intercâmbio de aspirantes a treinador em Nyon ©UEFA

Desde o seu lançamento, em 1997, a Convenção de Treinadores da UEFA melhorou os padrões de treino ao promover a credibilidade da profissão de treinador de futebol e ao abrir caminho à livre circulação de técnicos dentro da Europa.

Agora, a convenção – graças à qual 200.000 treinadores espalhados por todo o continente contam com qualificação certificada pela UEFA – foi revista de modo a ir de encontro aos requisitos actuais e reflectir os desenvolvimentos verificados a nível da profissão e da formação de treinadores na UEFA e nos quatro cantos da Europa.

A convenção tem vários objectivos: garantir a qualidade do futebol, dado o papel dos treinadores na construção das equipas e formação dos jogadores; contribuir para a integração europeia através da livre circulação e do mútuo reconhecimento das qualificações dos treinadores; criar padrões mínimos unificados para treinadores; proteger os futebolistas de treinadores não qualificados; potenciar o número de treinadores qualificados de ambos os sexos reconhecidos em toda a Europa; e estabelecer o reconhecimento da profissão de treinador.

A edição de 2015 da convenção foi aprovada pelo Comité Executivo da UEFA em Dezembro, no seguimento de uma proposta apresentada pelo Comité de Desenvolvimento e Assistência Técnica da UEFA e pelo Painel Jira da UEFA, responsável pela monitorização e desenvolvimento das actividades relacionadas com a formação de treinadores, bem como pela implementação da convenção.

"O pensamento concertado, tanto em termos técnicos como em termos estruturais, entre treinadores experientes e formadores de treinadores, foi a chave para esta nova versão da Convenção de Treinadores da UEFA", afirmou Frank Ludolph, responsável pelos serviços de formação de treinadores da UEFA. "O futebol evoluiu e a formação de treinadores tem de acompanhar essa evolução, reflectindo o facto de as exigências que recaem sobre os treinadores serem agora maiores do que nunca. Esta nova edição da Convenção de Treinadores é, no fundo, resultado de um longo processo de consulta."

O conteúdo foi reestruturado de uma forma simples e clara, conferindo ao documento uma maior facilidade de leitura e compreensão. Para além disso, as questões processuais foram reduzidas ao mínimo indispensável, resultando assim em regras menos detalhadas e menos complicadas. As regras e directrizes da anterior edição, que datava de 2010, foram reunidas num só documento, de forma a conferir maior coerência, consistência e clareza em termos legais.

A UEFA introduziu programas de formação específicos para treinadores de guarda-redes e de futsal, para além de licenças de treinadores relevantes em ambas as áreas. Consequentemente, regras específicas para a formação de treinadores de guarda-redes e futsal encontram-se estipuladas nesta versão de 2015, o que significa que todas as licenças de treinador a nível da UEFA estão agora incorporadas na nova convenção.

Entre outros aspectos importantes da convenção de 2015, destacam-se o ajustamento do número de horas mínimas de formação para a obtenção de cada um dos diplomas de cursos de treinadores. Existem igualmente novos conteúdos detalhados e uma maior flexibilidade para as federações regularem os cursos de formação de treinadores.

Existe também a possibilidade de candidatos que não residam no território de uma federação-membro da UEFA participarem no curso, mediante determinadas regras. Novas condições encontram-se igualmente em vigor no que toca à entrada, sob termos específicos, de futebolistas profissionais de longa data em cursos de treinador promovidos pela UEFA.

O Painel Jira da UEFA orgulha-se do seu trabalho na actualização e revisão da Convenção de Treinadores da UEFA. "Este documento constituirá uma ferramenta importante para directores técnicos e responsáveis pela formação de treinadores, que assim melhorarão a qualidade da sua própria formação", garante Michel Sablon, membro do painel e antigo director técnico da Federação Belga de Futebol (URBSFA/KBVB) durante vários anos. "Trata-se, sem dúvida, de um documento básico para que todas as federações possam conferir maior consistência ao processo de formar treinadores e, consequentemente, melhorar o futebol europeu".

"Esta nova Convenção de Treinadores constitui um enorme passo em frente para o treino na Europa", acrescenta outro membro do painel, Ginés Meléndez Sotos, director da escola nacional de treinadores de Espanha. "Um dos pilares básicos do sucesso na formação de treinadores são as parcerias, e a UEFA, com esta convenção, oferece as ferramentas para o seu desenvolvimento".

"A Convenção proposta pela UEFA deve funcionar como um motor para o desenvolvimento do futebol europeu", aponta um terceiro membro do painel, François Blaquart, director técnico da Federação Francesa de Futebol (FFF). "Esta é uma excelente oportunidade para todas as federações fortalecerem os seus programas e aumentarem os níveis de conhecimento dos seus instrutores e dos seus treinadores."

Howard Wilkinson, responsável pela England’s League Managers Association (LMA) e antigo director técnico da Federação Inglesa de Futebol (FA), remata: "O contínuo desenvolvimento da formação é fundamental para o melhoramento das nossas vidas. Uma vez mais, a UEFA demonstra um enorme compromisso para com essa responsabilidade. Esta revisão da Convenção prova disso, e mais uma vez sobe a fasquia no que diz respeito aos padrões e aos conteúdos."