Löw em destaque na UEFA•technician

A mais recente edição da revista oficial da UEFA para treinadores é dedicada a Joachim Löw, seleccionador da Alemanha, que explica como a levou ao título mundial no Brasil.

O seleccionador da Alemanha, Joachim Löw
O seleccionador da Alemanha, Joachim Löw ©AFP/Getty Images

Joachim Löw atingiu o ponto alto da carreira de um treinador após conduzir a Alemanha à conquista do Campeonato do Mundo. As filosofias de treino que guiaram Löw até ao lugar de um dos treinadores mais respeitados do Mundo são sublinhadas na mais recente edição da publicação da UEFA dedicada aos treinadores, a UEFA•technician.

Löw dá uma perspectiva fascinante sobre aquilo que faz de um treinador campeão, as qualidades necessárias para uma equipa ganhar um título mundial, o trabalho feito nos bastidores, bem como a longa, e por vezes difícil, caminhada que terminou em triunfo no Rio de Janeiro.

"Do meu ponto-de-vista, não é o treinador que se torna campeão do Mundo", diz Löw modestamente, "é a equipa. Não só os jogadores que jogaram mas todo o plantel, e também os restantes elementos da equipa técnica. Porque se queremos alcançar sucesso, tudo tem de funcionar em conjunto.

"Penso que a principal tarefa de um treinador é escolher os jogadores certos para um torneio", acrescenta. "São precisos jogadores fortes fisica e mentalmente, que sejam capazes de lidar com momentos difíceis… Um treinador precisa de ser um psicólogo, porque durante um torneio a equipa é submetida a muita pressão.

"Um treinador precisa, para além de capacidades específicas, de uma filosofia e caminho que tente implementar e comunicar aos jogadores", continua Löw. "Penso que o aspecto psicológico e boa capacidade comunicacional são, para além das respectivas capacidades técnicas, fundamentais para um treinador".

Löw sublinha a importância da "equipa dos bastidores", especialmente durante um torneio. "Hoje em dia é importante que um treinador trabalhe com pessoas especializadas em diversas áreas, que complementem o seu trabalho".

As tendências técnicas e análises do Mundial são também cobertas ao pormenor. "A impressão expressa pelos observadores técnicos europeus é de que a maior parte dos jogos foram disputados com vocação ofensiva, e que a mentalidade dos treinadores estava em ganhar ao invés de evitar perder", refere o UEFA•technician.

Outro assunto de particular importância para a comunidade dos treinadores foi o Fórum de Treinadores de Clubes de Elite da UEFA, evento anual realizado em Nyon, onde foi debatido o "Abecedário das competições de clubes da UEFA", e o artigo a ele dedicado fornece uma quantidade salutar de questões e opiniões.

Mais uma vez, a UEFA mostrou a sua prontidão para ouvir os treinadores. "Estes encontros são importantes pois permitem aos treinadores reunirem-se fora do contexto competitivo. Todos os treinadores estavam preparados para dar alguma coisa à modalidade, partilhando as suas ideias e experiência com os colegas de profissão", pode ler-se.

Também é destacado o lançamento de um projecto de formação de treinadoras da UEFA, destinado à qualificação, ou melhoria, das treinadoras e de jogadoras que queiram seguir esse caminho.

Por fim, houve ainda espaço para um tributo sentido a Gero Bisanz, antigo seleccionador da equipa feminina da Alemanha, e que foi também um impulsionador das actividades da UEFA ligadas aos treinadores. "Um perito reverenciado que forneceu respondas profundas e relevantes", escreve o responsável pelos serviços de educação futebolística da UEFA, Frank Ludolph.