Poder para os árbitros agirem contra o racismo: procedimento de três passos da UEFA

Saiba mais sobre o protocolo de três passos da UEFA que ajuda os árbitros a lidarem com incidentes racistas nos estádios.

A UEFA tem um procedimento de três etapas da UEFA para ajudar os árbitros a lidar com incidentes racistas
A UEFA tem um procedimento de três etapas da UEFA para ajudar os árbitros a lidar com incidentes racistas ©UEFA.com

A UEFA aprovou directrizes oficiais para ajudar os árbitros a lidar com incidentes de racismo no interior dos estádios numa reunião do Comité Executivo realizada em 2009, na Lituânia.

Segundo o protocolo de três passos da UEFA, estas directrizes concedem aos árbitros o poder de interromper o jogo num primeiro momento e, se o comportamento racista continuar, dá-lo por terminado.

Passo um

Se o árbitro se aperceber de algum comportamento racista, ou for informado disso pelo quarto árbitro, deverá interromper o jogo. Nessa altura solicitará que seja feito um anúncio pela instalação sonora pedindo aos espectadores para pararem imediatamente com todos os comportamentos racistas.

Passo dois

Se o comportamento racista não terminar após o reinício do jogo, o árbitro suspenderá o encontro por um período razoável de tempo, por exemplo, de cinco a dez minutos, e pedirá às equipas para regressarem aos balneários. Será feito um novo anúncio pela instalação sonora do estádio.

Passo três

Como último recurso, se o comportamento racista continuar após o segundo reinício, o árbitro poderá dar definitivamente o jogo por terminado.

O delegado da UEFA responsável pelo desafio ajudará o árbitro, através do quarto árbitro, a determinar se o comportamento racista cessou. Uma eventual decisão de terminar o jogo só será tomada após a implementação de todas as outras medidas previstas e depois de avaliado o impacto de acabar o jogo na segurança dos jogadores e do público.

Após a partida, o caso será encaminhado para as autoridades disciplinares da UEFA.

Topo