UEFA e FIFPro condenam abuso racista

A FIFPro e a UEFA condenam em conjunto o abuso racista contra o jogador Kalidi Koulibaly, do Nápoles, na quarta-feira.

©UEFA.com

A FIFPro e a UEFA condenam em conjunto o abuso racista contra o jogador Kalidi Koulibaly, do Nápoles, na passada quarta-feira, durante um jogo do campeonato no terreno do Inter, em Milão.

Ambas as organizações aplaudem as medidas rápidas tomadas pelas autoridades do futebol da Itália, que sancionaram o Inter a disputar os próximos dois jogos à porta fechada e, além disso, com o encerramento parcial dum terceiro encontro do Inter em casa.

No entanto, a FIFPro e a UEFA estão muito preocupadas com este incidente racista inaceitável e com o que parece ser um falhanço em respeitar o amplamente reconhecido protocolo anti-racismo de três etapas.

Defesa franco-senegalês, Koulibaly esteve sujeito a cânticos racistas e, apesar dos anúncios feitos pelo "speaker" do estádio, os mesmos não pararam. Além disso, parece que a equipa técnica do Nápoles já tinha informado várias vezes o árbitro sobre cânticos racistas.

As duas entidades são da opinião de que os cânticos racistas em relação a Koulibaly, que teve de deixar o campo depois de receber um segundo cartão amarelo, são inaceitáveis e não têm lugar no futebol.

A FIFPro e a UEFA apoiam as autoridades italianas do futebol em qualquer medida adicional a ser tomada para combater o racismo nos estádios, para os quais a FIFPro e a UEFA têm uma política de tolerância-zero.

Topo