UEFA saúda decisão do TAS de rejeitar recurso do jogador maltês Samir Arab

A UEFA congratulou-se com a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) de rejeitar o recurso apresentado pelo jogador maltês Samir Arab contra uma suspensão de dois anos tomada pelo Comité de Recursos da UEFA em Abril de 2018.

A UEFA saúda a decisão do TAS de rejeitar o apelo do jogador maltês Samir Arab
A UEFA saúda a decisão do TAS de rejeitar o apelo do jogador maltês Samir Arab ©UEFA

A UEFA congratulou-se com a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto (TAS) de rejeitar o recurso apresentado pelo jogador maltês Samir Arab contra uma suspensão de dois anos tomada pelo Comité de Recursos da UEFA em Abril de 2018.

A UEFA iniciou investigações disciplinares contra vários jogadores malteses por alegada infração de diversas alíneas do Artigo 12 dos Regulamentos Disciplinares da UEFA (DR), em virtude de potenciais ligações a questões relacionadas com a manipulação de resultados. A investigação esteve relacionada com dois jogos de apuramento para o Campeonato da Europa de Sub-21 da UEFA de 2017, realizados em Março, nos quais Malta defrontou o Montenegro, a 23 de Março de 2016, e a República Checa, a 29 de Março de 2016.

A 9 de Janeiro de 2018 o Comité de Controlo, Ética e Disciplina da UEFA anunciou a decisão de suspender seis jogadores investigados por várias infrações da disposição acima mencionada (Artigo 12 dos Regulamentos Disciplinares da UEFA). As sanções impostas variaram de um ano a suspensões definitivas. Todas as sanções foram depois confirmadas pelo Comité de Recursos, enquanto as suspensões definitivas impostas a dois jogadores foram posteriormente comutadas para suspensões de dez anos.

Samir Arab foi suspenso por dois anos pelo Comité de Controlo, Ética e Disciplina da UEFA (até 31 de Dezembro de 2019) por não ter, de imediato e voluntariamente, informado a UEFA em caso de abordagem ligada a actividades que visam influência à margem das leis do curso e/ou o resultado de um jogo ou de uma competição (Artigo 12 (2) (d) dos Regulamento Disciplinares da UEFA).

O recurso interposto pelo jogador foi rejeitado pelo Comité de Recursos da UEFA a 9 de Abril de 2018, tendo sido confirmada a decisão do Comité de Controlo, Ética e Disciplina da UEFA.

A UEFA congratula-se agora com a decisão do Tribunal Arbitral do Desporto, proferida a 16 de Agosto de 2018, na qual o TAS rejeitou o recurso interposto pelo jogador e confirmou a decisão do Comité de Recursos da UEFA. Desta forma, o jogador permanece suspenso até 31 de Dezembro de 2019.

A UEFA aproveita esta oportunidade para sublinhar o seu empenho na luta contra o malefício da manipulação de resultados e a sua abordagem de tolerância zero a este respeito.

Topo