Orsato cumpre sonho na final da Lisboa

O árbitro italiano Daniele Orsato irá cumprir a ambição de uma vida quando dirigir a final da UEFA Champions League, no domingo.

Daniele Orsato começou a arbitrar na adolescência
Daniele Orsato começou a arbitrar na adolescência Bongarts/Getty Images

Em qualquer aspecto da vida, cumprir uma ambição desejada é sempre motivo de alegria e satisfação duradouras. O árbitro italiano Daniele Orsato está a viver isso mesmo, à medida que se prepara para o jogo mais importante da carreira até ao momento.

O sonho de uma vida para o árbitro de 44 anos vai ser cumprido este Domingo, quando dirigir a tão aguardada final da UEFA Champions League, entre Paris Saint-Germain e Bayern Munique.

“Sonhamos com momentos como este na carreira”, reflecte Orsato. "E para mim é o sonho de uma vida – arbitrar a final de um grande torneio – que está prestes a realizar-se. Quando soube da nomeação, fiquei muito entusiasmado", disse.

Recompensa pessoal

Este jogo será o culminar de muitos anos de trabalho árduo e dedicação a uma actividade que entrou cedo na sua vida. "Tinha 18 anos, e apesar de também jogar futebol, não era grande jogador. Por isso aceitei a sugestão de um amigo para experimentar a arbitragem e nunca mais a larguei", revela.

"Sonha-se com momentos como este" - Daniele Orsato
"Sonha-se com momentos como este" - Daniele OrsatoBongarts/Getty Images

Até ao momento, a arbitragem fez com que aprendesse ao mais alto nível e nos palcos mais prestigiados, desde a Serie A, no seu país-natal, até jogos internacionais, conseguindo as insígnias FIFA em 2010, num percurso marcado pela humildade. "Penso que a humildade é uma excelente característica que todos os árbitros devem ter. Ela garante que trabalhamos bastante para melhorar o nosso nível", explica.

Proteger a imagem do futebol

Para além disso, Orsato refere outras qualidades que considera essenciais na profissão. "Manter o desejo de aprender", diz. "Também é preciso fazer sacrifícios para progredir na carreira e nunca nos darmos por satisfeitos". Proteger a imagem do futebol é outro dos deveres dos árbitros do futebol moderno. "Aplicamos as leis e protegemos os jogadores. Levamos muito a sério essa responsabilidade pois sabemos que só assim esta modalidade continuará a ser adorada como é", refere.

No entanto, o futebol também tem sofrido com a pandemia do COVID-19, que tem assolado o Mundo, e tal como outros jogos a final não será excepção e as bancadas estarão despidas de público, uma situação que Orsato lamenta, tal como qualquer outro adepto do futebol. "É uma situação difícil, para jogadores e árbitro, porque o público dá paixão ao jogo e adrenalina aos que nós, intervenientes no jogo, fazemos", reflecte. "Mas isso não significa que vou estar menos atento, muito pelo contrário. Vou certificar-me que mantenho um nível elevado de concentração em todos os momentos".

A final de Domingo realiza-se no Estádio do Sport Lisboa e Benfica, em Lisboa
A final de Domingo realiza-se no Estádio do Sport Lisboa e Benfica, em LisboaGetty Images

Trabalho de equipa e amizade

Orsato e a sua equipa contam as horas para o início do grande jogo, onde os laços próximos que unem os elementos que a compõem também vão ser importantes. "Temos uma relação fantástica e somos grandes amigos", diz Orsato. "analisamos cada detalhe juntos e dentro de campo estamos lá uns para os outros, com apoio constante".

O sonho da sua carreira vai ganhar intensidade poucos minutos antes do jogo, quando as três equipas estiverem perfiladas. "O hino da Champions League não me sai da cabeça e ouvi-lo nesta ocasião vai ser ainda mais especial. Vou estar a pensar na minha família, a principal fonte de força em tudo o que faço, e também num amigo querido que faleceu".

Por fim, Orsato deixa um conselho aos jovens que queiram seguir as suas pisadas: "Ser árbitro fortalece mentalmente. Aprende-se a tomar decisões sob pressão e a ser-se mais responsável e forte perante as dificuldades da vida".