Michel Platini reeleito por aclamação

O XXXV Congresso Ordinário da UEFA reelegeu por aclamação Michel Platini como presidente da UEFA e houve também eleições para os Comités Executivos da UEFA e da FIFA.

Michel Platini, presidente da UEFA, fala ao Congresso no Grand Palais, em Paris
Michel Platini, presidente da UEFA, fala ao Congresso no Grand Palais, em Paris ©UEFA.com

O XXXV Congresso Ordinário da UEFA, realizado a 22 de Março, em Paris, França, reelegeu Michel Platini como presidente da UEFA, por aclamação, para mais um mandato de quatro anos, em vigor até 2015.

No seu discurso de abertura, Platini recordou os principais feitos que marcaram o seu primeiro mandato como presidente da UEFA, tais como: a reconstrução de uma família do futebol unida, nomeadamente através da criação do Conselho Estratégico para o Futebol Profissional; as alterações na lista de acesso à UEFA Champions League e a criação da UEFA Europa League; o aumento de 16 para 24 selecções participantes na fase final do Campeonato da Europa; o lançamento da experiência com dois árbitros-assistentes adicionais; e o desenvolvimento dos Regulamentos do Licenciamento de Clubes e "Fair Play" Financeiro da UEFA.

Também agradeceu ao Comité Executivo da UEFA e a todas as federações filiadas pelo seu apoio contínuo, sem o qual esses feitos-chave não teriam sido possíveis.

Michel Platini delineou igualmente algumas das prioridades para o próximo mandato, que se vai centrar na promoção do futebol de selecções; na luta contra a violência e fraudes ligadas a apostas ilegais e viciação de resultados; na implementação dos regulamentos do "fair play" financeiro; no fim da discriminação institucional no futebol; bem como no projecto conjunto com a FIFA denominado Investir no Futuro do Futebol, cujo objectivo é promover o treino dos jovens e proteger as identidades das equipas.

O presidente da UEFA informou depois os delegados que o primeiro elemento que vai formar a base para a promoção do futebol de selecções será a centralização da venda dos direitos de transmissão para os jogos de qualificação de todas as competições. Acrescentou ainda que todas as 53 federações-membro da UEFA já assinaram um documento que confere poderes à UEFA para implementar essa centralização.

Sobre o tópico da centralização, Platini comentou: "Acredito neste projecto de centralização porque é um projecto futebolístico e não comercial. Acima de tudo, destina-se a proteger e a desenvolver o futebol de selecções. E, mais importante, o efeito secundário será a garantia de receitas para cada federação."

De seguida, o presidente da UEFA anunciou que o Comité Executivo da UEFA vai, a partir de agora, convidar uma mulher a participar nas suas reuniões, de modo a possibilitar ao sexo feminino atingir cargos de topo nas organizações futebolísticas.

Após o anúncio, o presidente da UEFA disse: "Trata-se do primeiro passo, simbólico, mas às vezes os símbolos são essenciais para mudar a forma como pensamos. As mulheres têm bastante para oferecer ao desenvolvimento da modalidade e este é o primeiro passo rumo à melhor representação nos órgãos decisores."

Também se realizaram eleições para sete lugares no Comité Executivo da UEFA para o período 2011-15. Os seguintes membros foram (re)eleitos para um mandato de quatro anos:

1ª votação (maioria absoluta – metade dos votos válidos mais um) – votos (de 53 votantes)

Ángel María Villar Llona – Espanha– 47
Şenes Erzik – Turquia – 42
Grygoriy Surkis – Ucrânia – 38
Peter Gilliéron – Suíça – 40 (novo)
Borislav Mihailov – Bulgária – 28 (novo)
Sergey Fursenko – Rússia – 27 (novo)

2ª votação (maioria simples)

Mircea Sandu – Roménia –15

Os candidatos restantes receberam o seguinte número de votos na 2ª votação:

Liutauras Varanavičius – Lituânia – 12
Gilberto Madaíl – Portugal – 10
Ivan Hašek – República Checa – 8
François De Keersmacker – Bélgica – 5
Grzegorz Lato – Polónia – 2
Norman Darmanin Demajo – Malta – 1

Para além disso, três elementos europeus do Comité Executivo da FIFA foram (re)eleitos para o período 2011-15:

Vice-presidentes
Michel Platini – França – eleito automaticamente como presidente da UEFA Ángel María Villar Llona – Espanha – eleito por aclamação

Membro
Theo Zwanziger – Alemanha – eleito por aclamação (novo)

Os delegados presentes no Congresso foram também informados de que as quatro federações britânicas escolheram Jim Boyce, da Irlanda do Norte, para o cargo de vice-presidente da FIFA, de acordo com os Estatutos da FIFA.

Entre as outras decisões tomadas durante o Congresso da UEFA regista-se a aprovação do relatório financeiro de 2009/10 e o orçamento para 2011/12.

Antonio Matarrese e Joseph Mifsud, vice-presidente cessante da UEFA, foram eleitos membros honorários da UEFA.

Depois do encerramento do XXXV Congresso Ordinário da UEFA, o Comité Executivo da UEFA realizou a sua primeira reunião, já com a nova composição, tendo-se seguido a nomeação dos cinco vice-presidentes da UEFA.

1º vice-presidente da UEFA: Şenes Erzik
2º vice-presidente da UEFA: Geoffrey Thompson
3º vice-presidente da UEFA: Ángel María Villar Llona
4º vice-presidente da UEFA: Marios N Lefkaritis
5º vice-presidente da UEFA: Giancarlo Abete