Regresso ao Jogo: a UEFA está a preparar-se para o regresso seguro das suas competições de elite.
Saiba mais >
 

Relatório espelha ano de progresso

O presidente da UEFA e o Comité Executivo deram primazia aos valores desportivos em 2009/10 com três objectivos: proteger os jovens, fair play financeiro e organizar o EURO 2012.

Prioridade aos valores desportivos e ao futebol
Prioridade aos valores desportivos e ao futebol ©Getty Images

O Comité Executivo da UEFA teve a seu cargo um período bastante agitado e procurou dar prioridade aos valores desportivos durante 2009/10, como se pode ler no relatório apresentado esta terça-feira ao XXXV Congresso Ordinário da UEFA, em Paris.

"O Comité Executivo, cuja composição se manteve inalterada durante todo este período sem eleições, foi capaz de trabalhar com uma maior unidade e continuidade, cumprindo a sua vasta missão no espírito dos 11 princípios adoptados em 2009 no Congresso da UEFA, em Copenhaga", indicou o relatório do presidente e do Comité Executivo da UEFA. "Com a consulta sendo a abordagem preferida, esforçou-se em todo o processo de decisão por dar sempre prioridade aos valores desportivos, em conformidade com o primeiro dos 11 princípios: o futebol em primeiro lugar."

"Também continuou a perseguir os três principais objectivos que se tinha proposto na primeira reunião de 2009: a protecção dos jovens jogadores, o 'fair play' financeiro nas competições de clubes da UEFA e a organização do UEFA EURO 2012. A luta contra a corrupção, bem como contra o racismo e todas as formas de discriminação, também foi travada incansavelmente, enquanto a campanha Respeito, lançada no UEFA EURO 2008, continuou a crescer."

"O Comité Executivo também fez todos os possíveis para consolidar a posição do futebol na sociedade, reforçando o seu envolvimento social e acelerando o diálogo com as autoridades políticas e todos os intervenientes do futebol europeu, não apenas as federações nacionais, mas também com os clubes, as ligas, os jogadores e até com os adeptos. O Comité Executivo também acompanhou de perto as actividades dos 19 comités da UEFA".

"Quanto aos preparativos para o [UEFA] EURO 2012, o Comité Executivo manteve-se fiel à estratégia adoptada em Abril de 2007, quando escolheu a Polónia e a Ucrânia como co-anfitriões", pode ler-se no relatório. "Recorreu a todos os meios disponíveis, incluindo visitas ao mais alto nível, para apoiar as federações anfitriãs, para encorajá-las no seu trabalho e para exortar as autoridades a fazerem tudo ao seu alcance de modo a garantir que a obra estava concluída a tempo, apesar da crise económica que atingiu ambos os co-anfitriões de forma grave."

O relatório abrange mudanças inovadoras na UEFA Champions League, tal como a lista de acesso e o dia da final. "A final foi transferida de quarta-feira para sábado, para que mais famílias e as crianças pudessem assistir ao jogo, no estádio ou na televisão. Isso também criou novas oportunidades promocionais e a possibilidade de realizar um festival de futebol que dure uma semana, no qual o futebol de formação, o futebol feminino e para jovens também pudessem tomar parte."

A nova UEFA Europa League cimentou a sua condição e o período foi igualmente notabilizado pela nomeação da Federação Francesa de Futebol como anfitriã do UEFA EURO 2016, a primeira fase final do Campeonato da Europa de Futebol a realizar-se com 24 selecções.

A arbitragem também foi uma área determinante durante o período sujeito a análise com a experiência em curso de árbitros assistentes adicionais e a criação de um Centro de Excelência de Arbitragem, em Nyon, na Suíça, para melhorar a formação de jovens árbitros europeus.

"As relações com as federações suas filiadas estão no cerne das actividades da UEFA", reflecte o relatório. O Congresso da UEFA, reuniões regulares, visitas a federações filiadas na UEFA pelo presidente da organização e membros do Comité Executivo, o "feedback" dos representantes das federações nos comités da UEFA, o programa Top Executive destinado a dirigentes federativos mais experientes, a troca de informações técnicas no seio do programa Grupo de Estudos da UEFA e a valiosíssima assistência prestada às federações ao abrigo do programa HatTrick reforçam todas esta ligação crucial.

As relações com a União Europeia continuam a ser extremamente importantes para a UEFA, que continuou a reforçar as ligações entre as duas organizações", explicou o relatório. O presidente da UEFA e os principais dirigentes da organização mantiveram o diálogo contínuo com as autoridades europeias e, em particular, puderam explicar as preocupações e as políticas da UEFA através de visitas, reuniões e apresentações.

"A UEFA também cultivou as suas relações com as autoridades públicas, sem as quais não teria capacidade para agir em campos tão importantes e sensíveis como a luta contra as fraudes relacionadas com apostas ilegais em acontecimentos desportivos." O documento realçou o desejo da UEFA em continuar o seu compromisso para com a responsabilidade social, em particular através de parcerias a longo prazo, assim como a incansável luta para a exorcizar do futebol o demónio do racismo.

Leia o relatório na íntegra aqui (em inglês).

Topo